sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

CANTINHO DA SAUDADE - KABEL

POR: JOBEDIS MAGNO DE BRITO NEVES


Campina Grande perdeu alguns anos atrás uma das figuras marcantes da sua história esportiva. O coração de Robson Freire o nosso querido amigo Kabel, parou de bater.

Kabel atuou em algumas equipes de futebol de salão e campo como: Colégio 11 de Outubro, Campinense, AABB, Estudantes, Astréia de João Pessoa  e em alguns rachas de nossa cidade, e se orgulhava profundamente de ser "atleta" e jogar por estas equipes.

Kabel foi um dos previlégiados de fazer parte de alguns dos principais times de nossa cidade tanto no futebol de campo como no futebol de salão. Participou de um campeonato pela equipe do  Campinense de futebol de salão comandados pelo antigo treinador Miro Herculano (grande atletas do passado de nossa cidade) aprendeu muito com treinador Miro Chapeado, com era chamado carinhosamente   por todos de nossa cidade. Depois jogou na AABB dirigido pelo treinador Alberto Queiroz.

Adepto contumaz do copo,   Kabel  era um dos personagens mais carismáticos da história do futebol amador de Campina Grande. ‘Bon Vivant’. Suas histórias se tornaram lendas e muitas delas eram confirmadas pelo próprio Kabel, enquanto que outras ele dizia que eram invenção.

Era boêmio, inteligente, de idéias avançadas, alegre, folgazão, um papo excelente, sempre bem recebido e festejado nos ambientes que freqüentava.

O Kabel ou cachorrão como tambem era chamado pelos amigos sempre foi um “antiatleta”, como ele próprio se definia. Fumante, gostava de noitadas e de bebidas. Grande tomador de Run Montila com Coca Cola, muitas vezes passava a noite anterior aos jogos bebendo e, algumas vezes, pelo que se conta, foi direto da mesa do bar para o campo de futebol. Desajeitado, não era um atleta alto, tinha uma boa agilidade suficiente para girar o corpo e lançar a bola no tempo necessário.

A sua presença constante nos campinhos e bares de nossa cidade  era uma das marcas registradas dele. Sempre sentado ou nas beirados dos campinhos de pelada ou em alguma cadeira dos bares de nossa cidade se divertindo, com as pernas cruzadas e acompanhando cada um dos jogos ou bate papos.

Uma vez tive o prazer de jogar com ele por uma seleção de novos no interior de Pernambuco (nosso treinador era o conhecido e falecido Vado Agra) quando da auto-apresentação de nós atletas aos dirigentes da cidade, enquanto uns se anunciam estudantes disto, daquilo e etc. e tal, ele inflamou o peito e proclamou:
— Kabel, boêmio! E explicou na maior: é o que realmente eu quero ser e estamos conversados. Posso ser depois de estudar advogado ou preparador físico nas horas vagas. Nas horas boas, sou boêmio, para espantos dos presentes e para deleite dos amigos.

A causa da sua morte foi em decorrência do agravamento de um quadro de cirrose hepática.

Saudade desde já, grande Kabel de quem tive o prazer de ser seu amigo. Um abraço e até breve.

Algumas fotos do Kabel com esportista:




Kabel é o primeiro




                               Kabel é o primeiro agachado


4 comentários:

Anônimo disse...

"Tem gente que vive pouco em muito tempo. Tem gente que vive muito em pouco tempo". Kabel foi assim, viveu muito no seu pouco tempo! Sempre de bem com a vida, sempre de bem com as pessoas. A vida é assim prá quem a entende bem!

Kabel, receba um grande abraço aonde vc estiver!
Martinho-RO

Anônimo disse...

Amigo Kabel...posso afirmar e tenho certeza que você viveu cada segundo de sua vida e não morreu, porque apenas partiu antes de nós.

É ter razão de sentir saudades...

Jonas didi

CARLINDO C COSTA disse...

É emocionante observar que os comentários são sempre dirigidos para o querido blogueiro JOBÂO, entretanto, o KABEL era uma figura tão marcante mesmo, que os que comentam redem-lhe um homenagem póstuma com grande razão, não querendo ser diferente externo aqui as minhas lágrimas.

Noro Pedrosa disse...

Jobão fui vizinho de Kabel lá na Rua das Castonholas, em frente a Igreja do Carmo.

Nas peladas e nos jogos estudantis era um que lembrava o Mario Sérgio, ex-ponta-esquerda do São Paulo, Seleção, técnico e hoje comentarista.
Kabel lançava a bola para uma extremidade do campo do Campestre, olhando para o outro lado.
Enganava todo mundo com o olhar e a bola ia para o outro.

Boa lembrança e homenagem
Noro Pedrosa

Postar um comentário