sexta-feira, 30 de setembro de 2011

JOGOS GINÁSIOS COLEGIAIS DE CAMPINA GRANDE SEGUNDA Parte)

POR:JOBEDIS MAGNO DE BRITO NEVES 


Campina Grande ficava diferente em época de olimpíadas tamanha era a rivalidade entre alguns colégios e a emoção que despertava nas torcidas. Os ginásios da AABB, Clube do Trabalhador e o Cesar Ribeiro eram pequenos demais para abrigar tanta paixão de uma só vez. Faltavam lugares. Foi nas quadras que nasceram grandes talentos nos esportes de nossa querida Campina Grande.

O berço de talentos rendeu a Campina Grande o apelido de “Celeiro de Craques”. Muitos deixaram a cidade para brilhar em outras profissões. Rivais dentro nas quadras no passado, hoje dirigentes, ex-jogadores e torcedores.

Era uma loucura em nosso município. Nascia uma competição onde não se tinha favoritos, todos iriam disputar várias etapas de modalidades de esportes distintos, Enfim, cada colégio preparava seu contingente para as competições escolares. Fazia gosto ver as pessoas lotando as dependências onde as atividades eram realizadas, pois na época acontecia uma parte das competições na AABB onde a maioria dos jogos de futebol de salão acontecia, já que era mais central e apresentava as condições ideais.

Como esquecer alguns clássicos memoráveis? Quem não se lembra da rivalidade entre o Colégio Estadual da Prata e 11 de Outubro? Meus amigos, algumas pessoas que como eu, que participava como atleta e outros que assistiram aos jogos envolvendo esses dois colégios, comentam ainda hoje que não ficava espaço para ninguém, todo centímetro de chão era disputado apenas para assistir aos jogos! Imagine o prazer que dava em proporcionar o espetáculo para tão grande público.

A disputa de: futebol de salão, handebol, basquete e Vôlei nestes jogos era uma coisa linda e prazerosa, imagine o ginásio da AABB lotado de alunos torcendo por seu colégio… Ainda participei de um jogo memorável, representando o Colégio Estadual da Prata, enfrentado o forte time de futebol de salão do 11 de Outubro, em uma partida emocionante, e que não podia terminar com um vencedor, no tempo normal, terminamos empatados em 1 x 1. O jogo foi terminar nos pênaltis, infelizmente não ganhamos, mas a emoção foi indescritível.

Emociono-me ainda hoje quando falam dos antigos jogos estudantis campinense do passado.  Nos ginásios da cidade sempre faltava lugar. A torcida se organizava e fazia faixas. Era muito bonito.

Para alguns jogadores das antigas, as recordações são muitas, melhores que ruins. Tínhamos excelentes jogadores e fazíamos boas participações nas competições. Vivemos uma época áurea no futsal. Tinha gente que ficava de fora do ginásio por falta de lugar e era fantástico quando tinha clássico. Isso marcou muito o esporte de Campina Grande.

 Era importante para  o atleta saber o quanto as Olimpíadas Escolares era importante para o  nosso currículo de um atleta vitorioso. As medalhas conquistadas eram nossa gloria,  tínhamos orgulho em mostrar carregando-as nos peito com muito orgulho como mostramos na foto abaixo:


Alguns anos mais tarde, completar sua participação acadêmica representando a instituição de ensino superior a qual estiver vinculado (os jogos Escolares Ginásio Colegiais) me colocou em condições de disputar as olimpíadas no Estado da Paraíba e depois representar nosso estado no Brasil pele seleção Paraibana, com nossa participação nas Olimpíadas Universitárias Brasileiras que eram realizadas todos os anos em varias cidade do nosso Brasil. Isto é um orgulho para qualquer atleta. Eu aprendi muito com o esporte e hoje estou tentando transmitir o quanto o esporte é  importante na nossa vida profissional aos mais jovens.


Quem foram destaques e testemunhas da história que fez de Campina Grande sedes de grandes duelos do esporte no passado sabem do eu estou dizendo e que acredita na possibilidade de um dia a cidade voltar ao cenário estadual e com isso, a Capital trabalho e das festas populares voltarem a ser também a esporte em geral.

Falando em grandes times de futebol de salão (solicitamos a ajuda de ex -atletas que me cederam algumas fotos a identificação de alguns atletas que ficaram sem seus nomes por falta de dados). Abaixo algumas equipes que fizeram história no esporte de nossa cidade.



                           ESTADUAL DA PRATA - BASQUETE JUVENIL
                                                                             
                                                                         
   PIO X II



Na foto vemos: Keka, Zacarias, Marcelão, Pedrinho e Miguel Ribeiro. Agachados: Jorge, ? e Marcos Loureiro
Na foto: ? , ? ,Paulo Virgolino, o Treinador Pai Vei. Agachados: ?  , Pedrinho, Deto e Chiquinho


Na foto Vemos: Leucio, Beto, Jobedis, Erimar e ?.Agachados: lourinho, Valdinho,Paulo Virgulino e Ademir



                                                   11 de OUTUBRO - CAMPEÃO ADULTO 69



Na foto vemos: Wager, Sobral, Marcos José e Marcilio Soares. Agachados:Kabel (falecido), ?  , ?, ?







Nesta foto a terceira jogadora em pé é Marize (considerada a melhor jogadora de Handebol feminino da cidade na época. Vemos também a treinadora
Cidilene Gonzaga





quinta-feira, 29 de setembro de 2011

JOGOS GINÁSIOS COLEGIAIS DE CAMPINA GRANDE (Primeira Parte)

POR: JOBEDIS MAGNO DE BRITO NEVES



As Olimpíadas Escolares foi um projeto sem precedentes na história do esporte estudantil campinense na década de 60. Os organizadores buscavam resgatar a importância das competições estudantis na cidade de Campina Grande, coisa que já acontecia em algumas cidades do  Brasil. Consistia também em  promover a inclusão social dos jovens a partir de uma prática positiva e saudável e criar um espaço fundamental para a descoberta de novos talentos. 


Os Jovens estudantes da rede pública e privada,  podiam  participar das “Olimpíadas Escolares” como era chamado pelos participantes.


Inicio dos primeiros Jogos

Começou  em meados da década de 1960 (mais precisamente em 1965), foi  criada uma comissão que passaria a responsabilizar-se por todos os eventos esportivos das instituições de ensino de Campina Grande. Esta comissão começou a organizar um campeonato esportivo entre os colégios da cidade. O evento, que foi chamado de JOGOS GINÁSIO COLEGIAL DE CAMPINA GRANDE.

Contou, na sua primeira edição, em 1965, com prática desportiva que promovia a integração e o intercâmbio dos participantes de diversos colégios da cidade, ampliando-lhes as oportunidades de socialização e aquisição de hábitos saudáveis, favorecendo o surgimento de novos talentos representativos do esporte de nossa cidade.  Além das reformulações de toda ordem em relação à Educação Física no ensino secundário campinense e, em especial, nos colégios: Estadual da Prata, Pio 11, Alfredo Dantas, 11 de Outubro, Anita Cabra entre outros.

A Abertura

O cerimonial de abertura ocorreu no Campo do Treze (Estádio Presidente Vargas) praticamente tomado de  torcedores. Conforme foto abaixo:


Como nunca vista. Foi assim o cerimonial de abertura, ou a verdadeira festa, dos  1º Jogos Ginasios Colegiais de Campina Grande. O município, de fato, se preparou para o evento que envolveu um grande numero de participante e um grande publico para assistir o desfile dos atletas dos colégios.  


Os responsáveis através do cerimonial, parabenizou os atletas envolvidos na competição. Sei que tinha muitas equipes qualificadas, graças ao trabalho incansável dos nossos técnicos e professores de educação fisica, que se esforçaram para fazer com que os Jogos fossem bem disputados.  As “Olimpíadas Estudantis” como era chamada pelos alunos e torcedores na época, tinham como recheio modalidades como: Futebol de Salão, de campo, handebol, voley, basquete, Natação, Saltos em Altura, Distância e outras modalidades do atletismo como, Arremesso de dardo e Peso, até o simpático “Pingue Pongue” e o sofisticado Jogo de Xadrez.


No âmbito dos Colégios, pelo menos aquilo que os Professores de Educação Física trabalhavam em obediência à Grade Curricular do estabelecimento em que lecionavam,  era posto para o alunado que a educação fisica era obrigatorio a  disciplina e, dentro de sua carga horária, ora na pista de atletismo, ora na quadra e também no pátio com “aparelhos específicos”, não faltavam às partidas futebol de campo e de salão na quadra, enfim, seguia-se um calendário de atividades posto em prática junto aos alunos que sentiam prazer em representar a entidade de ensino onde estudavam. Bastava anunciar que as “Olimpíadas” iam acontecer que muitos alunos intensificavam a preparação dentro dos seus próprios limites e preferências, orientados e acompanhados pelos professores  de Educação Física.

Havia pista de atletismo nas dependências do Colégio Estadual da Prata, os outros colégios treinavam em campos de pelada ou nos campos do Treze e Campinense (Plínio Lemos). Nas provas de natação, os nadadores utilizavam a piscina com maiores dimensões do Clube do Trabalhador e AABB, clubes que também cediam suas quadras e Ginásio, para as disputas dos jogos de Futebol de Salão, Voleibol, Basquete e Handebol. Estes clubes foram palcos de calorosas disputas que sacudiam, empolgavam e algumas vezes levantaram poeira e arrancaram farpas, tudo provocado por uma saudável rivalidade entre os alunos que vestiam a camisa do colégio em que estuda.

Algumas fotos do tempo dos jogos:









 E o lendário Estádio Plínio Lemos que mudou de nome, passou a chamar-se  hoje em dia de “Complexo Esportivo Plínio Lemos” tem histórias pra contar sobre grandes e disputadíssimos duelos de futebol proporcionados por alunos bons de bola.


Continua no próximo texto

quarta-feira, 28 de setembro de 2011

MEMÓRIA ESPORTIVA – O PORQUE DE SE CRIAR UM MUSEU DO ESPORTE EM CAMPINA GRANDE


POR: JOBEDIS MAGNO DE BRITO NEVES

Aproveito o sucesso da matéria (publicada na semana passada) a respeito do Estudantes para voltar a bater numa tecla em que insisto há algum tempo com amigos do esporte de nossa cidade. A importância de se criar um Museu do Esporte em Campina Grande não é apenas para que se possa falar sobre esporte, mas sim para resgatar parte da história do esporte amador do município, que é desconhecida da grande maioria das pessoas, mas que é riquíssima e por muitas vezes já encheu de orgulho nossa terra. 

Muitas pessoas em Campina Grande se surpreendeu com a historia e com o título da seleção paraibana de futebol de salão que foi Campeã do Norte/Nordeste do Brasil com quase todos os seus jogadores de nossa cidade, mesmo cinco décadas depois. Sobre o este assunto tão pouco propalado na imprensa, ainda tem gente que não sabe que aqui tivemos uma das grandes safras de jogadores e uma das melhores seleção de futebol de salão do Brasil.

Porque o campinense não tem o direito de ter um lugar onde possa render homenagens a esses heróis e mostrar as gerações futuras que essas conquistas são possíveis? Porque não há um espaço onde Sebastião, Betinho, João Mario, Jano, Toinho Buraco não possam deixar sua faixa de campeão do norte e nordeste do Brasil? Ou as esposas desses atletas, não possam ceder fotos do esposo/atleta que ela guarda até hoje? Será que outros grandes atletas do passado não tem algumas relíquias das suas inúmeras conquistas em Jogos Ginasiais, estaduais e brasileiros? Será que eles não teriam inúmeras camisas e medalhas a expor?

Sem falar de outras conquistas e histórias,  que teriam um local próprio e assim não perdêssemos ainda mais nossa identidade. Sou campinense e um ex-atleta de diversas modalidades de esportes de nossa cidade há mais de  45 anos, mas as vezes sinto que não moro aqui pelo descaso. Não seria hora daqueles que fizeram tanta historias se preocupar um pouco mais?

Em conversa com inúmeros amigos e ex-jogadores de futebol de pelada da cidade e de outros esportes todos eles defenderam a necessidade de se resgatar a memória esportiva da cidade, visando num futuro próximo a fundação do “Museu virtual do Esporte Amador de Campina Grande”. Achei a idéia excelente e, tão longo cheguei em casa a, comecei a pensar numa forma de colaborar para a sua concretização.

Consegui reunir um pequeno acervo fotográfico de vários atletas da cidade, cedidos através de antigos jogadores, a quem agradeço, de antemão. As fotos que estão sendo  apresentadas são apenas uma pequena amostra da importância do que seria preservar na memória de glórias que a cidade já viveu no passadas, e que perpetuará a imagem de seus participantes. Vocês poderão perceber que muitas fotos não puderam  ser identificadas e ficarão sem legenda, razão do porquê da colaboração de todos para o sucesso deste trabalho.

Este Museu virtual do esporte amador foi criado para expor e  estas  conquistas não ficassem no esquecimento e não se perdessem no tempo.

Portando o espaço é aberta a sugestões e ajuda dos artistas da bola para eles relembrarem suas conquistas e mostrem aos seus filhos, netos e bisnetos o quanto o esporte foi importante na sua vida profissional.  

terça-feira, 27 de setembro de 2011

MEMORIA DO ESPORTE DE CAMPINA GRANDE - RELIQUIAS DO VOLEY






POR: JOBEDIS MAGNO DE BRITO NEVES

Quem vive de passado é “museu", diz o ditado popular, mais quem não tem passado não tem história e cada ser humano ainda que viva no anonimato tenha uma história espetacular e às vezes não se da conta disso, temos o privilegio de sermos uma espécie pensante por isso temos que honrar nossa inteligência, quem possui uma história é pessoa que lutou e batalhou nessa vida, passou por bons e maus momentos e sempre acreditou em si. Por isso parabéns a todos, pois cada um tem a sua “História” e nada vai apagar ou deletar.



Como é bom relembrar o passado, e essas fotos só foi possível postar com a ajuda e autorização do amigo João Mario Correia Costa colaborador deste Museu, que mantém fotos antigas no seu arquivo pessoal, estas belas fotos retratam  times de vôlei do passado de Campina Grande na década de 50.  Pouco a pouco continuarei a postar mais fotos que marcaram momentos da história dado esporte amador de nossa cidade.

segunda-feira, 26 de setembro de 2011

II Encontro "Amigos dos Esportes" em Campina Grande -PB

POR: JOBEDIS MAGNO DE BRITO NEVES
Estamos, definitivamente, chegando ao final do ano. Campina Grande começará  a receber seus filhos que estavam  fora, a velha guarda virá para celebrar reencontros e desencontros. As festas de final de ano: o natal, o reveillon e as confraternização de amigos nos fortalecem para as batalhas vindouras.

O aconchegante “Restaurante Boião”  nos proporcionará emoções fortes. Vamos aproveitar cada momento ou instante que teremos pela frente e guardar como lembranças as grandes passagens, a amizade. Vamos documentarreencontro. O grande encontro  será o testemunho de tudo isso. Marque no  encontro, tire umsa fotografias e mande para o nosso Museu junto com fotos antigas dos times e dos artistas da bola do passado.
Abaixo fotos de confraternizações dos amigos do esporte do nosso passado:
Nesta foto de vemos: Luizinho Bola Cheia (com jornal na mão), Glauco Kardec,Zeca Aprigio, Mestre, Chico Cateta e Jobedis. Abaixo: Sabará e Dercio Pedrosa (In Memoriam).

No foro: Tonho Buraco. Paulo Sergio Gaioso, Toinlidio e Zé Guedes
Na foto: Mazaniel (Nenê), Enésio, Wagner, Glauco e Jobedis

Durante um encontro de amigos de Campina Grande do passado no período natalino vemos na foto : Pedrinho Feitosa, Chico Mendes, Pirrita, Tom, Cachepinha ( Im Memorium), Jobedis, China, Naldo, Glauco Kardec, Edesio e nos encontramos na festa de confraternização e lançamento do DVD e CD da historia  do Everton.















domingo, 25 de setembro de 2011

RESGATE DA MEMÓRIA ESPORTIVA DE CAMPINA GRANDE

POR: JOBEDIS MAGNO DE BRITO NEVES


A prática do esporte no município de Campina Grande  encantou a muitas pessoas por muitas décadas, pois é o esporte uma forma de lazer e diversão,  aliado a uma saúde que se atrela a qualidade de vida. No entanto, as glorias de nosso esporte a um certo tempo estão deixadas de lado, e vemos poucos amantes do esporte levantarem essa bandeira. 

Pensando nisso estamos utilizando este espaço para relembrarmos ao longo dos tempos vários momentos onde nossos desportistas abrilhantavam nossa cidade fazendo o que mais gostavam, relembrando, equipes, craques e pessoas em geral que sempre deram uma mão para o bem desta prática. 



Foto cedida pelo nosso colaborador João Mario Correia Costa

sábado, 24 de setembro de 2011

DE VOLTA PARA O PASSADO

POR: JOBEDIS MAGNO DE BRITO NEVES

A foto abaixo de meu arquvo pessoal de autoria do lendário José Cacho, captada durante a realização de uma competição de natação, parte dos eventos comemorativos em um dos aniversários de Campina Grande na década de 50.


Na imagem podem ser notados os participantes da competição de natação dentro d'água, ao fundo a Algodoeira de Pedro Sabino nos anos cinqüenta, quando a nossa produção de algodão produzia um vai e vem importante no tocante ao desenvolvimento comercial de  Campina, vemos também a antiga chaminé que fez parte da paisagem local até o ano de 2010,  quando foi desmontada em razão da venda do prédio da Caranguejo (demolido em uma noite esta semana 22 de setembro de 2011) para construção de um Shopping.


Tempo de fartura, alegria e tranqüilidade, onde todos tinham  um roteiro, um ofício, uma aptidão para viver o seu dia a dia livre e poeticamente sorridente.

Campina Grande , hoje, cresce assustadoramente, mas com  uma noção do que quer. É preciso observamos o denvolvimento de nossa sociedade para tornar dinâmico o nosso crescimento em suas diversas áreas e atividades.

sexta-feira, 23 de setembro de 2011

RETRATO DO PASSADO DE CAMPINA GRANDE

POR : JOBEDIS MAGNO DE BRITO NEVES

Não se tem registro de quando o vôlei chegou a Campina Grande oficialmente. Assim, tudo leva a crer que o esporte já era praticado informalmente antes desta data desta foto historica DE 1950 da equipe do Treze. A partir da decada de 60 alguns times foram formados nos  colégios de outros clubes sociais da cidade que  passaram a ter o vôlei como um dos esportes favoritos da juventude  da epoca e  na  educação física nos colegios .
Obs: Vemos também  outros desportista que foram figuras importantes no esporte amador Campina Grande: O Amadeu (depois foi diretor de futebol de Salão do Treze na década de 60, O  Liafook é irmão do grande jogador com mesmo nome do  futebol de salão da cidade pelo time do Batalhão. E o desportista Miranda pai de alguns peladeiros da cidade entre eles. Gilberto, Enésio e Dercio Miranda (de saudosa memória)

ESTA RELÍQUIA DE FOTO É DO ARQUIVO PESSOAL DE JOÃO MARIO CORREIA COSTA, GRANDE COLABORADOR DESTE MUSEU.

quarta-feira, 21 de setembro de 2011

A HISTÓRIA DO ESTUDANTES SPORT CLUB



POR:  JOBEDIS MAGNO DE BRITO NEVES


Tudo começou em 1956, quando um grupo de jovens estudantes do Colégio Estadual da Prata e alguns amigos resolveram fundar um clube de futebol amador. O clube nasceu como uma entidade sócio-cultural e esportiva.  O vermelho e branco foram as  cores escolhidas. O futebol começou com os jogadores ainda descalços, conforme foto histórica abaixo da primeira equipe do primeiro jogo  no ano 1957  da equipe.  Segundo o ex-jogador João Mario Correia Costa em depoimento ao Museu virtual do esporte Amador  o mesmo se expressa dizendo o seguinte: 


- “Os estudantes ZENON FARIAS) e JOÃO VENÂNCIO (DÃO), foram os que tiveram a iniciativa de colher assinaturas de apoio de diversos amigos também estudantes para a fundação de um time de futebol. As primeiras sessões foram efetuadas na casa de Zenon Farias, que morava na Rua Floriano Peixoto, onde hoje é o COT bem próximo onde se situa o prédio do antigo Hotel Belfran ! 

O Nome

Quanto ao nome, foi escolhido ESTUDANTES porque a totalidade dos que assinaram a lista de apoio eram estudantes !

Os sócios fundadores que estiveram presentes a 1ª. Sessão foram os seguintes:

Os sócios fundadores que estiveram presentes a 1ª. Sessão foram os seguintes:

HAMILTON – MÚCIO – CLODOALDO – ALDO – HELIO – JOSÉ COSTA -  
EDNALDO HENRIQUES – PIMENTA – HERCULES GOMES (CÁU) –
 NILSON FEITOZA -  JÁRIO – MAURICIO – GUEDES - GONZAGA

A Primeira diretoria era composta pela seguintes pessoas::

Presidente                       :         ZENON FARIAS BRAGA
Vice Presidente                :         JOÃO VENÂNCIO
Secretário                       :          HERCULES GOMES PIMENTEL (CÁU)
Tesoureiro                      :          MARCUS VINICIUS
Diretor de Esportes         :          SEBASTIÃO VIEIRA

O 1º. Jogo do Estudantes foi no Campo do Estadual  da Prata contra o time do Nacional, utilizando os atletas conforme foto histórica abaixo:
 

  Obs:  (O meia direita NILSON é o irmão do ex atleta e hoje historiador Jóbedis).                   Resultado :  ESC 4 x Nacional 3
O artilheiro do ano da fundação, 1957, foi Hercules Gomes (CÁU) com 09  goals, 1958 novamente Cáu com 11 goals

1959 Almiro Cavalcanti (NANZA) com 7 goals


Visando melhorar ainda mais o Estudante,  o presidente e  um dos fundadores, trouxe para o elenco outros jogadores entre eles : João Mario, Pirrita, Garrincha, Erção, Pibo entre outros . A partir daí tudo mudou. E para melhor.  Pouco tempo depois da chegada destes  atletas deslanchou. Sebastião tinha carta branca para trazer os jogadores que quisesse. Abaixo um dos primeiros times de futebol de pelada do estudante na época de sua fundação.Com pouco tempo o Estudante construiu a base sólida de uma história que até hoje emociona personagens que viveram a euforia dos tempos em que a paixão e o amor à camisa ainda predominavam. 

Abaixo um dos primeiros times de futebol de pelada do Estudante já calçados de chuteiras na época conforme foto abaixo.


O Estudante começou a se organizar e alugou uma sede social na Rua Maciel Pinheiro (Point de Campina Grande nesta época), constituiu uma nova diretoria e começou a publicar um jornazinho (conforme foto  abaixo).



 Em pouco tempo a nova diretoria arranjou um   campo de futebol (antes seus jogos eram no Colegio Estadua da Prata) para jogar (campo do Têxtil) em Bodocongó),  depois passou para o campo pertencente à UEPB. Seus quadros de atletas eram quem sustentava o clube. Tinha uma  diretoria atuante e as suas cores brancas e vermelhas, com predominância desta última cor. Nessa fase o Estudante de futebol de salão e de campo  desfrutava de grande popularidade e rivalizava com outros grandes clubes da cidade. Nesse tempo a rivalidade no futebol de salão entre Estudante e o Campinense era muito grande, rivalidade que repercutia na cidade inteira e até fora das fronteiras de Campina Grande.


Nessa época, era glorioso agendar um jogo contra os Estudantes em Campina Grande. Vencê-lo, nos seus domínios, o que era raro, virou obsessão na cidade.  Jogar no AABB (recém inaugurado) foi proezas para a época. Jogar no campo do Colégio Estadual da Prata ou ainda ceder o seu campo para jogos de outros times eram fatos corriqueiros. As vitórias, os campeonatos, torneios, clássicos enfim as conquistas do Estudante serviram para dar inicio a um patrimônio que causava inveja. Tinha uma sede na rua mais badalada da cidade a Maciel Pinheiro (em cima da FARMACIA ARAUJO) , a entrada era do lado do ainda em funcionamento, CALDO DE CANA, por sinal execelente lugar para um bom lanche ! Na sede social tinha Biblioteca, Jogos de: Dama, Gamão, Dominó, Xadrez, Ping Pong. As vezes a diretoria promovia bingos para arrecadar recursos para compra de materiais diversos: Padrões de camisa, meiões, jogos etc. Os “assustados” também eram bem concorridos, quase sempre nos domingos à tarde, ao som de RAY CONNIF, ORQUESTRA TABAJARA, Felizmente não tinha essa poluição sonora que ouvimos hoje, pois era um simples RADIOLA que fazia a alegria da rapaziada e com boas músicas !e radiolas com  LPs ! 


 A diretoria construiu a base sólida de uma história que até hoje emociona personagens que viveram a euforia dos tempos em que a paixão e o amor à camisa ainda predominavam. 


Bons tempos aqueles em que os campeonatos de futebol de salão atraíam centenas de pessoas à AABB para torcerem pelos seus times do coração. Para a turma que acompanhou essas batalhas matarem a saudade, público abaixo uma foto do time do Estudante, campeão em vários torneios e campeonatos daquele período, a foto abaixo com os jogadores ostentando as faixas de campeão mostram tudo. 




 O ESC ganhou o seu primeiro troféu no ano de 1959 quando foi realizado o Torneio inicio de FUTSAL, realizado na quadra do TREZE FUTEBOL CLUBE, construida na gestão como diretor de Esporte Amador pelo abnegado desportista e trezeano Dr. ANTONIO GUEDES, já falecido !O FUTSAL do ESC foi TRI CAMPEÃO da cidade nos de 62/63/64.


PERSONALIDADE E JOGADORES

Seria uma utopia acreditar ser possível colocar os nomes de todas as pessoas importantes que passaram pela vida do ESTUDANTE. Mas, aproveitamos este espaço para agradecer todos aqueles que, pelo menos uma vez, fizeram algo em prol do nosso clube (Devemos lembrar de alguns estudantinos que além de terem participado como atletas, também tiveram notável atuação na administração do clube e dentre eles prestamos uma homenagem ao Dr. Laercio Agra, recentemente falecido, que tinha o ESC como parte da sua família e nunca mediu esforços em prol do sucesso do ESTUDANTES SPORT CLUBE). Sabemos que se não fosse pelo esforço de cada um o Estudante não existiria. 


MENSAGEM FINAL:


Sabemos de nossa responsabilidade em relatar a historia deste grande clube  e com a veracidade das informações. Um dos mais importantes e tradicionais do esporte amador da cidade. Abaixo, mostro as fotos dos grandes times e jogadores que pelo time passaram. As fotos revelam o carinho imenso dos atletas pelo clube
Estudante – 1972 - De roupa, Mano, Curura, Pedrão, Zé Maria (Zé Boi, Zé Guedes, Marcelão e Carlinhos, ao lado Zezinho Leite do Olaria. Agachados:  China, (Nego Vei), Natal, Aluísio e MarcílioSoares

Na foto: Noba, ?, Lambreta, Romero Agra, Mangaba e  Geraldo Largatão. Agachados: Marcilio , Marcos Soares, ? Betinho Mala veia e Garrincha.


Zé Boi, Renam, Romero Agra, Lambreta, ? e Noba. Agachados: ?, Betinho Mala Veia, Marcos Soares, Benivaldo e Aluisio Pretinho.


Na foto : Guedes, Kabel, Humberto de Campos, Curura, Pedrão e Carlinhos. Agachados   João Mario, china, Natal, Zé Boi e Aluisio Pretinho.


Outros grandes times de futebol de salão

João Mario,  Saulo Ernesto (falecido), Renam, Hugo Bala. Agachados: Sebastião, Pibo e Aloisio