sexta-feira, 29 de junho de 2012

UMA VIAGEM INESQUECÍVEL DO EVERTON ESPORTE CLUBE

POR: JOBEDIS MAGNO DE BRITO NEVES



Tive a felicidade e a honra de jogar no time do Everton  Esporte Clube do bairro do São José de Campina Grande, cujo uniforme vermelho e verde  foi um grande diferencial na história do futebol da cidade. O presidente do clube na época era o Zé Nogueira. Era um apaixonado pelo futebol e adquiriu um uniforme completo da famosa e cara marca alemã Adidas, para vestir os craques da equipe. Era realmente muito bonito o uniforme.
No Everton , ainda tive a alegria e a fantástica experiência de jogar ao lado de dois dos maiores craques do futebol Campinense  de todos os tempos, o zagueiro Son e o Ponta – esquerda Fernando Canguru, dois dos meus amigos/irmãos e ídolos. Por lá também jogou muita gente boa de bola também como já foi contado aqui neste Museu a História do Everton
Muitas  histórias aconteceram ao longo de sua história mais uma  das mais interessantes do Everton  aconteceu na cidade de Serra Branda no cariri paraibano,  onde fomos jogar em varias  ocasiões.

Fuba Vei o nosso treinador que trabalhava na Casa Esporte de seu Mamede que ficava no centro da cidade.  marcou uma partida contra o time local do Vasco da Gama. Fomos de ônibus e havia até alguns torcedores, entre eles Cachepa, Uila Gaguinho, Zome entre outros.  Pois bem, vamos ao jogo. O campo era de terra, ficava em frente a um pequeno clube da cidade e estava cercado por uma corda por toda a sua extensão, para impedir o acesso dos torcedores, que eram muitos. O nosso time entrou com a seguinte formação abaixo:

Estávamos ganhando o jogo por 3 x 1, com o terceiro gol marcado pelo nosso jogador Tonheca. Depois de marcar o gol em um chute que desviou no zagueiro e na comemoração o juiz e dono do time de lá  expulsou o nosso jogador sem motivos. 

E começou a tentar ajudar seu time invertendo faltas  e o  jogo estava tenso, muito disputado e com alguma violência por parte dos antagonistas. De repente, quase no final da partida, começou a confusão. O nosso Juiz depois de inventar faltas e um pênalti no final da partida para seu time pudesse empatar a partida. Os jogadores do Everton foram todos para cima do falso Juiz., que era o responsável pela marcação da partida, desesperado, nosso presidente também entrou em campo para tentar conter a confusão e separar os brigões. O que aconteceu em seguida bem poderia ser uma cena clássica do cinema.

O juiz ainda marcou uma falta inexistente e o Vasco quase desempatou o jogo. Seria o fim do sonho? Não, aquele árbitro estava predestinado a não deixar o Everton ganhar. Aos 49, ele acabou o jogo assim que Fernando pegou na bola na ponta esquerda, carregou para o centro da grande área do campo, e quando ia ajeitando a bola para marcar o gol da vitória, o “juiz” encerrou a partida com muita reclamação de todos os nossos jogadores. 

Depois do jogo o juiz confirmou tudo sobre os acontecimentos e de sua arbitragem. Ele achava que num jogo amistoso e festivo, nada melhor do que um empate para a torcida e a cidade ficar mais alegre. Afinal, o futebol do time estava recomeçando e um e um resultado desastroso somente iria trazer desanimo para todos. Na noite, houve uma grande festa no clube, mas os jogadores do Everton não foram, preferiram ir para a sede do rival Flamengo que recepcionou muito bem o nosso time e que passava a ser conhecido como o melhor time que já tinha jogado na cidade.

Em pouco tempo, a confusão terminou, os ânimos se acalmaram e o jogo acabou ali mesmo. Então, fomos procurar refúgio no clube ali próximo ao campo.

Depois de toda aquela confusão, a coisa virou festa, com muita resenha e gargalhadas sobre o que havia acontecido. Lembro-me bem da farra que lá fizemos, com destaque para a presença do nosso treinador Fuba Vei (In Memoriam) que, bem animado, bebeu,  deu as notas dos jogadores e do “Juiz”  e   dançou à beça. 

A viagem de volta também foi na maior alegria, com muita risada e vários depoimentos sobre o acontecido. O que aconteceu ali daria um ótimo filme. Só ficou a lembrança de uma viagem inesquecível.










quinta-feira, 28 de junho de 2012

DE VOLTA EM NOSSO TÚNEL DO TEMPO

POR: JOBEDIS MAGNO DE BRITO NEVES

AQUI UMA DAS MELHORES FORMAÇÕES DO INESQUECÍVEL ESTUDANTES ESPORTE CLUBE DA DÉCADA DE 60. A FOTO FOI NOS ENVIADA VINICIUS PARA JOÃO MARIO CORREIA COSTA, EX-JOGADOR, COLABORADOR DESTE MUSEU E APAIXONADO PELO ESPORTE DE NOSSA CIDADE E SUAS BRILHANTES HISTÓRIAS.

ESTA FOTO ABAIXO INÉDITA É DE SETEMBRO DE 1965 MOSTRA OS GRANDES JOGADORES QUE DEIXARAM SUA MARCA NA HISTÓRIA DO FUTEBOL DA NOSSA REGIÃO. 
O TÉCNICO ERA ORLANDO GUEDES DE ANDRADE, OU ORLANDO. ELE JOGAVA DE CENTRAL, UM DOS MELHORES QUE JA VÍ . TRABALHAVA COM REPRESENTANTE DE UMA INDUSTRIA DE FABRICAÇÃO DE PREGOS, CHAPAS ETC.

ELE VEIO PARA O ESC E FICOU COMO TÉCNICO EM 65 E FOI CAMPEÕES E POR CONSEGUINTE TRI. ELE É CUNHADO DE WENDELL QUE FOI GOLEIRO DO BOTAFOGO E SELEÇÃO BRASILEIRA, POR SINAL HOJE WENDELL É TREINADOR DE GOLEIRO DA SELEÇÃO!

O MUSEU DO ESPORTE COM SATISFAÇÃO MOSTRA ATRAVÉS DO TÚNEL DO TEMPO MAIS ESSA PRECIOSIDADE. 



                                                           
                                                            APOIO DA


quarta-feira, 27 de junho de 2012

O NOSSO FUTEBOL DE SALÃO DOS ANOS 60

POR: JOBEDIS MAGNO DE BRITO NEVES


Ainda estamos encontrando e recebendo  muitas fotos da época. Pois, a cobrança para que escrevamos sobre a época de ouro do nosso futebol de salão – futebol da bola pesada – nos força a buscarmos esse rico acervo.


Postaremos umas fotos do time do Treze, do Campinense e do Estudantes.


Estas antigas fotos foram gentilmente cedidas pelos amigos Antonio Carlos Sobral,  Pedro Aurélio De Brito (Pedrinho da Burra) e outras de João Mario Correia Costa (uma das memórias vivas  de nossa cidade), que retratam uma  das mais brilhante safra de jogadores do futebol de quadra.




                                                     Treze de 1968
                                 Na foto vemos Silvestre, Humberto, Elias Trojão e 
                              Chico Cateta.Agachados: Tonheca, Betinho e Aloisio


Na época, esse esporte inovador trazia para Campina Grande a prática do futebol de salão, na quadra do AABB, onde foram formadas algumas das melhores e mais competitivas equipes da região e, talvez do nordeste.

Nomes como Sebastião,  Alexandre Miranda, Erção, João Mario, Os goleiros Garrincha, Mozart, Tom e Humberto de Campos,  o grande zagueiro Hermani, o Aloisio, Betinho Mota, Pibo e Simplicio ( que depois se destacaram  no futebol de campo) – o saudoso Cyl,   o Leucio (o incomparável driblador e artilheiro), Chico Cateta  com sua classe,  entre outros. 


Esta geração de ouro, fizeram das noites de sábado em Campina Grande serem  memoráveis,  com partidas do futebol da bola pesada.

Os citados jogadores acima  deixaram por muitas noites, as memórias dos admiradores do futebol de salão com disco rígido – linguagem atual da informática – no limite da sua reserva técnica.

A seleção da Paraiba (fotos abaixos) com vários atletas de nossa cidade (Toinho, Betinho Mota, Alexandre e Sebastião Vieira, fez por meses seguidos uma sequência de partidas invictas, sendo desafiado por times e seleções de outras cidades.

Era uma época de ouro do nosso esporte, amador por ser a marca da época. Entretanto, fenômenos como Mozart, Sebastião, Alexandre, Toinho Buraco, Hermani e Leucio teriam jogado em qualquer seleção nacional se fosse aos dias atuais.

Tudo era novidade; o jogo da bola pesada, partidas realizadas à noite com refletores que em nossa, marcaram a cidade do Campina Grande em seu pleno apogeu econômico, social e cultural!


Ainda voltaremos a tocar nesse assunto mas sobre a decada de 70  assim que dispusermos de mais fotografias para refrescar a lembrança da nossa querida e desbravadora cidade "Rainha da Borborema", que superava as marcas do tempo trazendo-nos as maiores novidades que o mundo moderno desfrutadas nas grandes cidades e capitais do Brasil.

terça-feira, 26 de junho de 2012

CONTE SUA HISTÓRIA - SAULO

POR: JOBEDIS MAGNO DE BRITO NEVES

A cada dia descubro mais coisas interessantes na Internet, essa rede mundial de computadores que traz o melhor e o pior do nosso conturbado mundo moderno. E a gente descobre, surpreso, coisas e pessoas que estão distantes de nós e que conhecemos e que foram embora de nossa cidade e nunca mais apareceu aqui.

 Nesta semana, pesquisando na rede, descobri um ex jogador do nosso futebol de salão e de campo que já fazia mais de 30 anos que eu não avistava trata-se do antigo jogador Saulo. 

Saulo Marconi  é o seu nome. Ele não disponibilizou muitas informações sobre a sua vida esportiva   no FaceBook", espaço idealizado para a publicação online de conteúdos de natureza informativa e educacional da comunidade de autores participantes. Apenas se sabe que ele é agora cronista esportivo e mora para o sul do Brasil.  Mas é gratificante saber que temos talentos de  nossa cidade, pessoas sensíveis que se dedicam a fazer bonito fora de nossa cidade e com o facebook, franqueando o acesso a todos os internautas.
Depois de alguns contatos pelo facebook pedi que o mesmo me mandasse algumas fotos e contasse sua história no nosso esporte depois de um tempo recebi um email do grande amigo em que ele relata sua historias como atleta que transcrevo abaixo:


Nobre Jobedis sempre fui relapso com fotos no futebol e muitas delas ficaram aí em Campina Grande com minha mãe, que faleceu e eu ainda não fui depois depois da morte de meus pais e um irmão, até não queria voltar sem esse estimulo familiar, no entanto tenho um sentimento de amor profundo pela minha, sua e de outros a grande Campina Grande, foi aí onde pretiquei com muita força aquilo que sempre gostei, futebol, serestas festas no clube dos caçadores com Ronaldo Soares desfilando as musicas fenomenais da epoca, tenho saudades até das minhas irrespossabilidades, como brigas de murros e ponta pés, kkkkkkkk..

Jobedis joguei no Belenenses do Alto da Conceição, joguei no Trezinho, 11 da Vila Castelo Branco,jJventos do Santo Antonio, Guarani do alto branco, Nacional de zézé, e sob o comando de Edesio Leitão partipei de algum jogos pelo time de cima do Treze, em Recife no mundão do arruda contra o Sta, Cruz entre outras partidas, aí tem uma foto eu e Nilton Santos que jogou pelo Treze numa grande promoção, joguei no Esporte de Patos e fui para Campina jogar contra o Campinense e na terceira bola que peguei me machuquei, saí, e naõ voltei mais pra Patos pois nunca recebi nada, quem estava no Plinio Lemos esperando por mim era o meu mano Astró e quanto o restantante dessas fotos estou no Santos de Téréré, e no Auto Esporte e depois ainda fui Ilcasa de Juazeiro do Norte, passei no Ferroviario de Fortaleza, lembrando que quando cheguei em Campina, pois morava no Recife, saí do juvenil do Sport Clube, foi quando comecei a jogar no Nacional de Zézé, outras virão.

Hoje sou Jornalista e radialista trabalho numa emissora do Governo, o sexto maior complexo de radio e TV do País, aonde apresento um programa autenticamente nordestino, e sempre tocando musicas de meus conterraneos, Biliu de Campina, Capilé, Amazam, Flávio José, Genival Lacerda, entre outros nobres Paraibanos, faço entrvistas com os grandes nomes como Elba Ramalho, Alceu alença,Dominguinhos, Ivete Sangalo,Claudia Leite, Caetano Veloso e outros. Minha mulher é Dentista formada em Campina Grande, tenho duas filhas uma advogada ingressando no magistério, a outra professora universitaria e três netas, tudo aqui é mulher, kkkkkkk...., 

Um grande abraço.

Saulo

ALGUMAS FOTO DO SAULO PARA ILUSTRAR SUA HISTÓRIA

                              

                                              RECORTE DE JORNAL

                                               Saulo no Auto Esporte

  


                                             Saulo no futebol de salão
Saulo está com a bola

                                     Saulo hoje como comentarista



                                   





segunda-feira, 25 de junho de 2012

QUEM FOI CRAQUE - DINALDO TREZINHO

POR: JOBEDIS MAGNO DE BRITO NEVES



Homenagear craques do passado não só dentro das quatros linhas mas também fora, pela sua educação, lealdade, respeito e consideração aos seus companheiros de time. Hoje reverencio Dinaldo Farias meu amigo de infância da Rua Felipe Camarão no bairro do São José,que ficou conhecido na década de 60 e 70 em nossa cidade como Dinaldo Trezinho (recebeu esta apelido  porque jogava no Trezinho de Uray), por isso o apelido, sempre  se mostrando um grande parceiro e fez grande amizade, recebendo pela sua qualidade mostrada nas peladas de clube varias proposta para vestir camisas de equipes de nome do nosso futebol amador e não resistiu um convite do antigo idolo do Treze Uray que era treinador das categoris de base do Galo da Borborema para defender as cores do Treze f.C.) Participou ativamente nas melhores campanhas da década de 60, erguendo o campeonato do alvinegro, considerado em varias rodadas melhor jogador e com isso se tornou destaque da competição. 

Dinaldo Farias o Dinaldo Trezinho era  Lateral direito forte como um trem, jogador de fibra, raçudo, que não desistia nunca de uma jogada. Para ele, não tinha bola perdida. Corria sempre atrás de seus adversários e acreditava na recuperação. Seu forte era a marcação e a liderança que exercia em campo pelo seu estilo brigador e voluntarioso. Também tinha talento e técnica, apesar de utilizar mais a garra e a força física, características típicas de um jogador de defesa que tem a pegada como principal trunfo. 

Jogou em alguns times do bairro do São José. Depois foi para o Trezinho de Uray conforme fotos abaixo:

                                         Trezinho de 1964


Dinaldo Trezinho experimentou  o gostinho de jogar entre os titulares do Treze em alguns jogos conforme fotos abaixo:


Suas atuações lhe valeram uma as convocação para a Seleção do Colégio Estadual da Prata e a seleção Universitária em amistoso disputado nesta já citada  cidade do sertão da Paraiba. A equipe foi composta por 10 jogadores do Everton (apenas o goleiro Edmilson  Fei não era do nosso time e sim do Corinthians de Casa de Pedra). Jogou também futebol de salão pelo GM.

Atleta de bom condicionamento físico, grande resistência, muito fôlego e velocidade, Dinaldo  foi bem, enquanto defendeu a camisa trezeana e outras agremiações e nossa cidade e ficou na mente dos torcedores, que admiravam também sua raça e vontade de ganhar as partidas, além de sua exaustiva marcação e seu incrível poder de recuperação nas jogadas.

Dinaldo encerrou sua trajetória no amador sempre demonstrando ser um grande desportista, deixando sempre um belo exemplo aos jovens que iniciavam a carreira. Dinaldo foi exemplo de disciplina, da fibra, da raça, da amizade e pela compreensão pelas jornadas ingratas que o futebol proporciona a todos aqueles que se entregam de corpo e alma na pratica sadia e salutar do esporte.


Dinaldo Trezinho, hoje descansa das lidas do futebol no aconchego do seu lar na cidade de Niteroi no Rio de Janeiro ao lado de seus familiares e trabalhando na sua firma SBR2 (Transporte, locação e Turismo Ltda).


Grande "Trezinho", obrigado por tudo que demonstrou de positivo na sua vida e como grande atleta.
á faz mais de 30 anos. Na sua cidade tem uma lovacora de automovíes e foi até candidato a vereador conforme voces vão ver nas fotos abaixo.

Algumas Fotos do atleta e desportista Dinaldo Farias o Dinaldo Trezinho:


                                                         EVERTON ESPORTE CLUBE
Dinaldo no Everton é o terceiro jogador em pé

O  AMIGO DINALDO ESTÁ TÃO RADICADO NO RIO QUE ATÉ CANDIDATO A VEREADOR FOI 



                 DINALDO NO RIO DE JANEIRO COM A MULHER, FILHA E NETO 





sábado, 23 de junho de 2012

UMA HOMENAGEM ESPECIAL - BRUNO

POR: JOÃO MARIO CORREIA COSTA

Amigos, o Museu Virtual do Esporte Amador de CG, não só publica as histórias, fotos etc, de quem já jogou como também procura divulgar fatos esportivos que chama a atenção pelas conseqüências do fato em si. 

O amigo Roberto Guarabira sugeriu que fizesse uma homenagem ao menino Bruno. 

De pronto aceitei e contactei Jóbedis (que aliás nem precisava, pois sabia que não  iria ter nenhuma objeção, muito pelo contrário) e agora publicamos ! 

O BRUNO (foto)tem um deficiência locomotora, mas com muita perseverança vai vencendo algumas adversidades e é um exemplo para aqueles que também sofrem desse mal.

Bruno hoje é atleta dos Rachas BOLA BRANCA, TEIMOSOS E FUNCIONÁRIO , todos do realizados no Campestre !

Excelente a idéia pois vemos a satisfação de Bruno em praticar o que ele mais gosta em termos de lazer que é o futebol.

Torcedor fanático do TREZE, raramente perde um jogo e veste com muito orgulho a camisa do seu time favorito! 

Bruno começou na Escolinha do Embrapa. 

E teve como professores Silva e Helio. 

Jogou no Cruzeiro do Centenário e hoje faz parte dos Rachas: TEIMOSOS – BOLA BRANCA e do FUNCIONÁRIOS todos do Clube Campestre. 

Ele sempre diz que quando joga contra Chiquito não perde uma ...! 

Chiquito é um dos organizadores/Fundadores do BOLA BRANCA..!!! 

Algumas fotos do Bruno para ilustrar?






quinta-feira, 21 de junho de 2012

QUEM FOI CRAQUE - KEKA

POR: JOBEDIS MAGNO DE BRITO NEVES

Falar o nome Renato Castro Lago pouca gente saberá.O nome é desconhecido dos esportistas do passado, só os mais próximos o reconhecem, mais quando anunciamos “Keka” ex - zagueiro do futebol de pelada de nossa cidade, ex dirigente da Dolomil e atualmente empresário/proprietário das Tintas Lux de nossa cidade, daí sim todos saberão, pois marcou época e fez sua história. 

Pois é amigos falar bem desse grande amigo Keka é fácil, pois é um cidadão inquestionável e grande desportista de Campina Grande do passado e grande empresário da atualidade. 

 Keka sempre foi um zagueiro raçudo e que não maltratava a bola, tinha uma capacidade técnica excelente, seu posicionamento e recuperação eram impressionante, apesar de baixinho comandava o setor defensivo e ofensivo quando jogava de lateral direito. No começo de sua carreira atuou pela equipe do Santos da Estação Velha conforme foto abaixo? 



Atuou também pela equipe do Colégio Estadual e do CAD nos jogos Colegiais e na equipe do Everton do Bairro do São José. Teve que dar um tempo no esporte e terminar os estudos foi para São Paulo e se formou em engenharia. Quando retornou foi trabalhar junto ao irmão na empresa Dolomil. 

No esporte continuou jogando em alguns rachas na cidade como o Racha dos Targinos, Bola de Ouro e do Campestre entre outros. Teve algumas contusões sérias e quase desiludiram este versátil atleta que quase prematuramente abandonasse o futebol. 

Keka teve uma grande participação no desenvolvimento de nossa cidade como empresário e depois como dirigente da FIEP. Ajuda muito  esta Federação com sua experiência. 

Com visão de futuro Renato Castro do Lago nosso Keka construiu aqui na nossa cidade uma empresa para fabricação de tintas. Iniciou sua produção em março de 2008, Hoje, a Tintas Lux é uma empresa conhecida e consolidada no mercado e se destaca pela pesquisas e desenvolvimento de novos produtos, prezando sempre pela qualidade, desde a matéria prima até o produto acabado. 

A empresa conta com uma equipe com profissionais de alto nível para atender aos anseios dos consumidores. 

Aqueles como eu que tiveram a felicidade de conhecer e, principalmente, conviver com Keka especialmente nós que tivemos esse privilégio ao longo de muitos anos, desfrutamos da amizade de um misto de esportista, empresário, orientador, conselheiro, pai, irmão, enfim, de uma personalidade ímpar, que através do equilíbrio, sensatez, cordialidade, urbanidade, profissionalismo e, acima de tudo, humildade, a par de ser um grande cidadão de nossa cidade, contribuindo com o seu desenvolvimento, alicerçando a exata noção de companheirismo, de decência, de responsabilidade e tantas outras qualidades necessárias a uma boa formação de seus filhos. 

Keka hoje pode se considerar um homem consolidado,  tem sua vida estruturada, pois batalhou e se esforçou para ter tal êxito. 

Pois é amigos a trajetória dessa pessoa que conquistou a tão sonhada vida bem-sucedida, e os atletas e esportista de hoje aprendam com as lições dele. 

As pessoas com qual ele teve tem maior convivência lembram dele com muito carinho, e a mim ficou a lembrança de um grande jogador e amigo da qual seus filhos se espelharam nele para a iniciar suas careiras de administradores na sua empresa. 

Algumas fotos do nosso amigo Renato Castro Lago do pequeno/grande Keka:


  
  







                                                              No time de master do Treze

KEKA NO ENCONTRO DE AMIGOS DO PASSADO





Conheça  a fabrica do Keka clicando no link abaixo: