sexta-feira, 31 de agosto de 2012

CANTINHO DA SAUDADE - JUJU

POR: JOBEDIS MAGNO DE BRITO NEVES


Falar o nome GILBERTO NUNES PEREIRA pouca gente saberá, mas JUJU zagueiro do passado de alguns times de nossa cidade daí sim todos saberão, pois marcou época fez sua história vestindo não só a camisa da equipe do Galinho e Raposinha mais as cores do CAD de futebol de salão e outras equipes de futebol de pelada de nossa cidade.  Inclusive formou na equipe da FACE Campeã nos jogos Universitários em João Pessoa.

JUJU foi uns dos maiores zagueiro da história do nosso futebol amador, não tive a felicidade atuar ao seu lado no meu começo de carreira com apenas 16 anos, mas aprendi a olhar este zagueiro atuar por algumas equipes de Campina Grande do passado.

Foi um jogador com uma enorme categoria técnica, sabia se impor dentro da partida seus amigos e adversários o respeitavam, ele fez parte daquela geração vitoriosa  do time amador do Campinense Clube o Raposinha nos anos 60 quando o rubro negro foi campeão do amador.

No Campinense ele formou uma das duplas de zaga mais conhecidas daquele tempo onde o futebol era pura raça “Elias Trojão e JUJU”, E se mantiveram jogando juntos algumas temporadas.

JUJU sempre foi um zagueiro clássico que não maltratava a pelota tinha uma capacidade técnica excelente, seu posicionamento e recuperação,  era impressionante,  sempre de cabeça erguida,  comandava o setor defensivo. 

Formado em Economia pela FACE, tornou-se excelente profissional na área de finanças publicas. Juju exercia profissão na UFPB como administrador, no futebol estava esquecido, fiquei sabendo por amigos que não estava em boas condições de saúde, propus a ele que conversasse com JUJU a batermos aquele papo e relembrarmos suas histórias, infelizmente não deu tempo, agora ficara só a saudades e a memória deste grande atleta que marcou época e que vai bater sua bolinha no céu com sua técnica apurada vai matar a bola no peito e rolar nas nuvens na eternidade celestial.

JUJU faleceu, mas deixou uma marca positiva no esporte, os saudosistas relembram o potencial desse que foi uns dos maiores zagueiro do futebol amador de Campina Grande e fez parte de uma das melhores histórias do nosso futebol. 

Esteja com “Deus” meu amigo JUJU...

ALGUMAS FOTS DO JUJU QUANDO ERA ATLETA EM NOSSA CIDADE:

                            JUJU NO TIME DO TREZINHO


Nesta foto Juju está ao lado do grande Salomão que brilhou depois no Campinense, Nautico e Vasco da Gama e hoje é medico consagrado em Recife

JUJU CAMPEÃO PELO RAPOSINHA


JUJU NA SELEÇÃO TREZE E CAMPINENSE

obs:
Quem conhece a rivalidade entre Treze e Campinense, jamais pensaria em ver os dois unidos. Todavia, em 05 de Maio de 1964 tal fato ocorreu. Acreditem, Treze e Campinense se uniram para um jogo amistoso, festivo, contra a então sensação do campeonato carioca a Portuguesa que estava em excursão pelo nordeste do Brasil.
Além de Soares o Treze cedeu do seu time profissional o zagueiro Lopes (Corrô), do seu time de amadores foi chamado os seguintes jogadores: o zagueiro João Mario, o lateral Helio Sodré e o ponteiro esquerdo Zé Soares. O Campinense cedeu do seu elenco principal o Goleiro Augusto, o lateral direito Janca, do seu elenco de amadores cedeu : o Zagueiro Juju, o meia esquerda Humberto Mota e Mazinho. O elenco principal do Treze e Campinense estavam jogando em outro estado.



JUJU NOS JOGOS ESCOLARES PELO CAD

OBS 02 - PARA VISUALIZAR MELHOR AS FOTOS É SO CLICAR NELES QUE ABRIRAM E VCS PODERÃO COPIÁ-LAS




quinta-feira, 30 de agosto de 2012

QUEM ERA CRAQUE - JOÃO BATISTA

POR: JOBEDIS MAGNO DE BRITO NEVES


Quem joga futebol sabe das dificuldades que um goleiro passa durante as partidas. Uma tarefa ingrata é assim que muitos futebolistas descrevem a função de um arqueiro neste esporte que atrai milhões de fãs. 

Injustiçados por uns, idolatrados por outros, mas necessário em qualquer clube. Dizem que fazer o papel de goleiro é a atividade mais ingrata no futebol. Existem razões para acreditar nessa tese: normalmente são os primeiros a chegar no treino e os últimos a saírem; estão sob pressão a quase todo o momento e podem ir da glória ao inferno ou o contrário.

Mas, nem só de alegrias viveu João Batista durante a passagem pelo futebol. Ele, assim como Gago, Oberon, teve que enfrentar o fantasma do goleiro do Everton Amigo da Onça que era titular absoluto do time há vários anos, considerado um dos melhores e maiores arqueiros do Everton  de todos os tempos.

Por ter atuado após Amigo da Onça ter defendido o time do bairro do São José, sempre tive que provar, em todos os jogos disputados por ele, que podiam substituir o ídolo que tinha brilhado por  alguns anos. Apesar de tanta pressão, João Batista foi bem, podendo guardar boas recordações durante a carreira e fez bonito enquanto esteve em campo defendendo as cores e a meta do rubro verde do bairro do São José.

Por suas brilhantes atuações acabou chamando atenção da diretoria do Treze que o chamou para sua categoria de base o Trezinho. Depois foi brilhar no time titular do Treze com grandes atuações como veremos em fotos e recorte de jornais da época.

Defendendo, como dizemos na gíria futebolística, “debaixo dos paus”, João Batista teve uma vida marcada por altos e baixos como qualquer um, e mesmo nos períodos mais sombrios, soube se portar como um cavalheiro mantendo sempre o carisma que o prestigiou.

Hoje, está aposentado do futebol e toda sua pujança é demonstrada aqui através de seu arquivo e curriculum esportivo. Não posso deixar de citar que foi meu goleiro em diversas oportunidades pelo Everton e contra pelo Trezinho, eu jogando pelo time da Raposinha e disputamos uma final de campeonato amador da cidade e fomos campeão em cima do time do João Batista que felizmente saímos vencedores. Aliás, o danado era tão bom que não tínhamos coragem  de brincar com ele chamando-o  de “pega no fundo”.


Era um arrojado, preenchia plenamente o quesito do bom goleiro, tanto que carrega consigo as marcas dessa valentia, através de todo seu corpo.

Valeu, grande João Batista!!

Algumas fotos do João Batista em alguns times que ele jogou em Campina Grande e no nordeste.






RECORTE DE JORNAL MOSTRA JOÃO BATISTA E SEU IRMÃO JONAS DIDI COMO ADVERSARIOS  ELE PELO TREZINHO E JONAS PELO RAPOSINHA



TREZE VICE CAMPEÃO
Recorte de Jornal como revelação do Campeonato Paraibano


Outros times do Nordeste que ele jogou







CONFRATERNIZAÇÃO DO EVERTON

BATISTA E OS SEUS IRMÃOS


Jobão Batista com Jobedis ? E  Glauco


segunda-feira, 27 de agosto de 2012

QUEM ERA CRAQUE - TADEU BUNDINHA

POR: JOBEDIS MAGNO DE BRITO NEVES


Jose Tadeu Bulcão Borba o Tadeu Bundinha.  Outro amigo e companheiro que fazia a diferença. Um ala direita no futebol de salão e um volante como poucos no futebol de campo. Embora de pequena estatura, em campo se transformava e virava um gigante. 

Valente, brioso e de uma técnica apurada. Tive a felicidade de jogar ao seu lado por diversas vezes em alguns clubes, inclusive fomos campeões juntos jogando pelo Campinense de futebol de salão e pela seleção da Pro Reitoria da UFCG nos jogos internos da Universidade Federal de Campina Grande. Jogamos juntos também pelo time do Everton Esporte Clube.

Foi um jogador que, no início de sua jornada futebolística, poucos acreditavam que iria vingar devido a sua pequena estatura e ser bem gordinho. Dúvida esta até mesmo de seu treinador
 do infantil do AABB o falecido treinador o Alberto Queiroz, que no final acabou por reconhecer todo o seu valor definindo-o como uma pedra rara do futebol de salão, tanto que fez parte de um grupo escolhido a dedo pelo próprio Alberto onde se tornou campeão, na categoria infantil, pelo AABB. Destacavam-se dentre eles, Giotto, Tiquinho, Buel entre outros conforme foto abaixo:

   Tadeu Bundinha tinha como característica a velocidade e a habilidade na conduta da bola, além de não ter “medo de cara feia”. Sempre provou que tamanho e um pouco de peso não era documento. Com apenas 12 anos de idade começou a jogar pelo AABB, com o apelido de “Tadeu Bundinha”. Como se destacou, alguns clubes queriam a todo custo o seu passe, caso dos Treze, Campinense e Caçadores. Por sua vontade própria foi para os Caçadores, onde se sagrou vice campeão.

  Tadeu depois jogou no Campinense considerado o "Dream Time" da época, que foi tri campeão da cidade, jogando ao lado do amigo aqui o Jobedis, Cho, Nego Gilson, Gioto, Marcilio Soares, Geraldo Leal entre outros.


  Tadeu Bundinha jogou ainda na seleção universitária da Poli, pelo Everton e foi Campeão do torneio interna de futebol de salão pela equipe da Pro- reitoria ao lado de Jobedis, Sebastião Vieira, Nenê e Lila (infelizmente não tem mais a foto para ilustrar).

  Atualmente é engenheiro civil da UFCG, mas pode orgulhar- se de possuir um histórico esportivo dos mais invejados, tendo em vista ter sido convidado para jogar em todos os clubes relacionados.


   Algumas fotos do pequeno /grande Tadeu Bundinha para ilustrar no seu tempo de atleta e desportista:


SELEÇÃO DA POLI

TADEU E ESPOSA

TADEU COM SUA AMIGA E ESPOSA DE OUTRO CRAQUE O GIOTTO 


















quinta-feira, 23 de agosto de 2012

QUEM ERA CRAQUE - TOINHO BURACO

POR: JOBEDIS MAGNO DE BRITO NEVES


Quem vê hoje em dia um senhor de cabelos “pretos”  batendo papo com alguns atletas e amigos do passado de Campina Grande no Calçadão da Cardoso Vieira  não sabe que ele foi um grande jogador de Futebol de salão dos mais completos da cidade e do Estado da Paraíba. Começou no futebol de pelada e era um verdadeiro maestro no meio campo ou como centro médio, depois foi brilhar no futebol de salão. 

Ele junto com seus amigos da rua e adjacentes fundaram uma equipe de futebol de salão na cidade com o pomposo nome do Santos da Desembargador Trindade. Este time fez história, sendo Tri-campeão infantil da cidade (conforme foto Abaixo):

Por suas boas atuações acabou despertando o interesse do Campinense Clube nos anos 60.

Formou com Alexandre Miranda   uma das maiores duplas de futebol de salão de toda história do esporte na nossa cidade e da Paraíba. Elegante ao jogar e de cabeça erguida e jogava sorrindo como se a bola fosse brinquedo, jogava um futebol clássico, de fintas rápidas e passes precisos e que se adaptava em qualquer posição e jogava principalmente na ala direita ou armando as jogadas (jogou no Estudantes e em alguns rachas da cidade). 

Jogou depois na e AABB e na seleção da Paraíba nos jogos universitário do norte e Nordeste onde foram campeões. Jogou também algumas partidas pelo Cabo Branco de João Pessoa.

Quando se formou foi embora de Campina Grande para morar em Pulo Afonso na Bahia e lá juntamente seu colega Alexandre e com outros atletas fundaram um clube dos engenheiros para jogarem de futebol de salão e fizeram a historia. Toinho em Paulo Afonso também jogou no time de futebol de campo da cidade com muito brilho.

Deu duro para sobreviver batalhou e venceu como. Casou, criou o seu lar e depois de arquivar as chuteiras e tênis. Ainda teve tempo de participar de algumas peladas nos finais de semana.

Algumas informações já foram repassadas em postagens anteriores e que agora receberam acréscimos de mais depoimentos colhidos junto às pessoas e ex desportistas  que são depositários da memória do antigo futebol de salão de Campina Grande.

Valeu Toinho Buraco o esporte de Campina Grande agradece.

Algumas fotos do atleta como desportista e no ultimo encontro:

TIME DA AABB
Toinho, Cyl e Tom . abaixo: Alexandre e Marcilio



TOINHO RECEBENDO INSTRUÇÕES DO TREINADOR ALBERTO QUEIROZ

Toinho é o terceiro agachado

MOMENTOS DO TOINHO NO ENCONTRO DOS AMIGOS DE CAMPINA GRANDE

 O DE CABELO PRETINHO É O TOINHO

Alexandre Miranda, Toinho, Aldanir, Tom, Simplicio e Raimundo Pedrosa


Toinho e seu copo de  cerveja






NO RACHA DOS TARGINO TOINHO É O ULTIMO  EM PÉ