quinta-feira, 31 de outubro de 2013

HOMENAGEM AOS DESPORTISTAS QUE JÁ PARTIRAM

POR: JOBEDIS MAGNO DE BRITO NEVES

Neste dia 02, dia dedicado aos mortos - "Dia de Finados", um dia que visa reverenciar muitos dos que ali deram partida ao outro lado da vida. Milhares de pessoas se encontrarão no local, depositando flores,velas e prestando as suas mais diversas homenagens aos entes queridos já falecidos.

Nunca pensei de fazer uma homenagem póstuma a meu irmão (Foto) mais novo no dia de finados e ver que sua etapa aqui na terra chegasse ao fim tão precocemente, encerrando seu ciclo, fechando suas portas e terminando seus capítulos. Não adianta passar o tempo perguntando porque isso aconteceu, as coisas boas que tenho de recordações jamais se apagarão da minha consciência. Infelizmente coisas tristes acontecem em nossas vidas e isso é realmente lamentável.


Nossa dor foi única, profunda, cortante, injusta e cruel. Muitas lagrimas chegaram na nossa família e os nossos corações explodiram em sentimentos contraditórios. A dor, a mágoa,  a revolta e, enfim nossa resignação do ocorrido. A morte tem seu tempo e acontece quando tem de ser. Meu irmão Pedrinho teve seu tempo devido, de alegrias, tristezas, muitas lutas, e sofrimento pelo resgate terreno de seus acertos, erros e  atitudes aqui na terra.



Que Deus te abençoe e que tenha zerado todas as suas contas, contraídas ao longo de sua vida e o recebeu de braços abertos. Esta doença terrível que te levou a um longo período de sofrimento e dor, com certeza, quitou todas as suas dívidas com o Criador.

Esta é postagem também é  uma homenagem póstuma que o MECG presta aos grandes atletas e desportistas já falecidos do Esporte do passado. Grandes jogadores, que brilharam nos campos e quadras esportivas de nossa cidade. Foram a nossa inspiração quando demos nossos primeiros passos no  esporte de nossa "Rainha da Borborema".

A todos estes grandes atletas, que já falecidos, “in memorian”, fica registrado aqui no MECG e,  tenho certeza, em nome de toda a comunidade do Futebol Amador de nossa cidade, o nosso respeito e a nossa admiração.

O outro lado da vida está repleto de pessoas amadas, que ocupam o nosso pensamento e confirmam o pedacinho de tempo que passamos na terra, peregrinos que somos de um mundo mutável, finito. Somos pequenas gotas de orvalho, que vão, aos poucos, se evaporando e se avolumando na eternidade. Somos a contradição entre a debilidade física, que nos faz vulnerável e mortal e a força psíquica, que impulsiona a inteligência e nos leva a vôos espetaculares, vencendo os imensos espaços do universo.

Aos nossos mortos queridos, nossas lembranças doídas. Nosso profundo amor e nossa profunda saudade!

Algumas fotos de desportista falecidos:


CYL, JUJU E ALÔ





JOÃO DA PENHA


MAGAZUL









Absalão Morais

                                                     BELO MADALENA
                                                                    CARECA
                                                                     
                                                                 EDRICIO
                                                        FERNANDO CABRAL
                                                                      CAÊ
FIRMINO

GALEGO FLAVIO






MAGAZUL


 A lista é imensa. Com certeza faltaram muitos nomes  e fotos, o que se deve à memória já desgastada pelos mais de 60 anos de idade deste colunista. E também porque certamente não fiquei sabendo de todos os colegas amigos que já se foram.


NO NOSSO TEMPO O FUTEBOL DE CAMPINA GRANDE ERA MELHOR

POR: JOBEDIS MAGNO DE BRITO NEVES

Há algum tempo, fiz alguns comentários comparando a qualidade técnica e a categoria dos jogadores do futebol amador do passado e de hoje. Sempre disse, sem medo de errar, que o futebol praticado nas décadas de 60 e 70 era superior ao dos nossos dois times profissionais atuais. Era mais clássico, mais alegre, mais técnico, charmoso e o amor à camisa era bem Potente. 

Vou citar alguns jogadores (craques) do passado, como por exemplo: ZÉ Preto, Assis Paraiba, Valdecir, Jorio, Gilvan Pastor, Marquinho Cara de Gato, Zé Pequeno, Salomão, Ribeirinho, Luizinho Bola Cheia, Fernando Canguru, Son, Deca, Valnir, Pedrinho Cangula, Heliomar, Sandoval, Porto, Gil Silva, Ze Pequeno, Lulinha e outros. São poucos aqui citados, mas são inúmeros os que fizeram a história do futebol amador e depois no profissional de nossa cidade. 

Agora, cito também, alguns dos imortais dirigentes do futebol realmente amador, que serviram e servem de exemplo de amor e dedicação: Noba, Zezinho Leite, Fuba Véi, Glauco Kardec, José Nogueira, Manezinho do Renascença, seu Nezinho e outros que não citamos agora, mas também muito fizeram para o nosso futebol amador, que comparando ao de hoje, nos provoca muitas saudades.


Realmente sinto saudade, das tardes alegres e emocionantes, de ver um verdadeiro futebol jogado por esses craques citados acima no comentário de, principalmente entre um dos maiores clássicos do futebol amador de nossa cidade entre meu Everton x Botafogo da Liberdade, era campo lotado.


Era muito bom mesmo as tardes de domingo onde apreciávamos os grandes clássicos da nossa “Rainha da Borborema”, hoje já não existe essa empolgação, Uma pena!

domingo, 27 de outubro de 2013

MEMÓRIAS: Das peladas de bolas de meia ao surgimento do futebol de salão

POR: JOBEDIS MAGNO DE BRITO NEVES


Estamos mais uma vez a dividir lembranças de um passado que nos orgulha e que nos deixa cheio de saudades. Optei, neste domingo, entrar por uma seara que conheço bem e carrego boas e saudáveis recordações: O futebol. Nasci e cresci dentro do bairro do São José Grande (celeiro de craques,  quando este vivia no auge e não no abandono em que se encontra). O banquinho da Praça do Trabalho foi por muito tempo o ‘point’ da juventude e meninada travessa. 

Presenciei e joguei clássicos de futebol de salão, com arquibancadas lotadas, jogando e vendo as jogadas de grandes jogadores: Sebastião, Cyl, Alexandre Miranda, Toinho Buraco, Betinho Mota, Simplício, João Mario, Erção, Hermani, Tonheca, Leucio, Bolinha, Aldanir,Tom, Zacarias, Aloisio, Garrincha, Mozart, Luciano Sodre, Chó, Carlindo, Zacarias Ribeiro, Humberto de Campos (goleiros de primeira), Giotto, Marcilio Soares, Nego Gilson, Valdir Ventinha,  PC e tantos outros.

Entretanto, o melhor dos tempos futebolísticos eram as peladas de rua. Na base do arranca-toco, sem calçamento e depois em cima do paralelepípedo grosso, onde aqui e acolá alguém “arrebentava” a cabeça do dedo e corria pra casa em busca do mercúrio cromo. Jogávamos até com bola de meia. Mas, qual o menino buchudo que não jogou com bola de meia? Só tenho um trauma desta época. O finado professor da FACE (faculdade de Economia) professor Jose Paulino  não gostava das partidas que aconteciam no galpão do Grupo Escolar Clementino Procópio  ao lado do quintal de  sua casa. Quando a  ‘galera’ chegava e começava o racha ele começava a dizer “vamos acabar este jogo senão eu chamo a polícia estou avisando” Pense num cabra que não gostava de futebol. Mas isto é uma outra história.

Deixando as minhas lembranças da infância e juventude e relembrar dos tempos áureos do Futebol de salão, que encheu de orgulho todos os campinenses. Mas, chegando aos finalmentes, vou relembrar de um falecido jogador o Simonal.

Quem se lembra do Simonal? Aquele lateral direito que jogava futebol de salão e de campo? Ainda  está vivo em minha memória até hoje.O time era o Caçadores (não tenho certeza). O Simonal era um bom camarada - mas era um boi no campo ou numa quadra. Quando lançavam a bola para o atacante adversário a galera começava a gritar: “Vai Negão”, e o ‘negão Simonal’ mas parecia um touro enfurecido atrás da bola, Dava uma arrancada só e derrubava quem estava em sua frente. Uma vez ele deu um carrinho em um jogador que os dois cairam dentro do bar da AABB. Seu objetivo era a bola. Quantas saudades daquele tempo. Até hoje, o futebol de salão de Campina Grande não conseguiu montar equipes do nível das equipes das décadas de 60 e 70 por falta de reposição de jogadores. Um PENA


Um bom domingo para todos!


FOTOS DE ALGUNS CRAQUE E TIMES DO PASSADO









sexta-feira, 25 de outubro de 2013

A LONGA VIAGEM DO MUSEU DO ESPORTE PELO TUNEL DO TEMPO

POR: JOBEDIS MAGNO DE BRITO NEVES


“RECORDAR É VIVER” é termo máximo pela qual tenho admiração e consideração especial. Há alguns anos fui convidado a participar de um portal esportivo aqui de Campina Grande de assuntos do futebol amador e a idéia era relembrar jogadores, dirigentes, clubes, momentos e destaques de nosso futebol amador e então lancei o “Memorias do Esporte Amador”. 

Foi este titulo que dei a coluna e passei a recordar de times de futebol, pessoas e fatos que fizeram o nosso futebol amador e a sua história. Foram alguns artigos e homenagens, algumas me renderam referências, agradecimentos pela lembrança, enfim me recompensaram de forma especial. Tive de sair o site,  optei em segui outros caminhos.

Num determinado sábado manhã enquanto esperava a minha esposa fazer algumas compras na Rua Maciel Pinheiro em nossa cidade, fui ao Calçadão da Cardoso Vieira localizado nas imediações do centro de nossa cidade e ali passei a conversar com alguns amigos. Em dado momento entrou na conversa meu amigo João Mario Correia Costa. Em determinado momento da conversa disse ser saudosista como eu. O papo fluiu e inúmeras recordações surgiram inclusive outros freqüentadores se chegaram e a “saudade” correu solta.

Considero-me saudosista e passei dar importância a este detalhe quando a partir de uma idéia do João Mario sobre o museu do esporte amador de Campina Grande, após ouvir seu sonho de fazer um museu do esporte amador e que “proseando” foi contando suas idéias em dado momento eu disse para o João Mario - João, o seu relato sobre o Museu foi perfeito, me segurou o tempo todo, e lhe disse que iria fazer um virtual pela net e acho que seria o caminho para fazer um diferencial na nossa cidade.

Comentei com o companheiro que seria difícil receber fotos de antigos jogadores e trazer fatos das suas memórias, principalmente os mais antigos atletas de outras era. Mas fui pesquisando com alguns antigos jogadores e tudo o que relembro.

Mesmo sem um grande arquivo, sem anotações e o patrimônio de recordações vem da cabeça, tudo improvisado. Mas, tentei e fui levando e já há alguns tempos apresento recordações no esporte neste espaço na internet. Com  isto por onde sempre surgem saudosistas, que vem conversar e relembrar diferentes assuntos de nossa cidade. Sinto que a idéia do Museu Virtual do Esporte de Campina Grande prosperou e em dias que não registro saudades aqui no site sou chamado atenção.

Alguns amigos me ajudam mandando algumas fotos de  times e de alguns jogadores. Outros me estimulando a passar minhas lembranças para uma revista ou um livro e espero começar a trilhar o caminho para tal brevemente.

Nesta foto Vemos antigos atletas e desportista do passado: Sobral, Sabará, Dinaldo Trezinho, este editor (Jobedis) e Jorio, abaixo: martinho Farias, Marquinhos Katita e Son

Seguidamente vivo emoções por onde ando por diferentes pontos da cidade onde encontro amigos de juventude e  pessoas vindas conversar para relembrar detalhes do esporte do passado de nossa cidade e outras recordações em geral. Em alguns locais são lembrados antigos times e jogadores que fizeram sucessos nos campos de futebol e nas quadras de nossa cidade. Às vezes por e-mail mando para antigos jogadores perguntas para tirar dúvidas sobre assuntos o relacionados a poster que relatei. 
  
Finalmente amigos nas minhas viagens pelo tempo tenho abordado personalidades, figuras folclóricas, artistas, causos, times de futebol, enfim o esporte e algumas outras coisas de nossa Campina Grande, de todos os tempos e que mesmo que alguns não auxiliem nesta difícil tarefa em remeter algumas fotos de suas lembranças, as tradições, não me curvo e não me curvarei e vou continuar a escrever no peito e na raça e me sinto fortalecido pelo que faço.

Um abraço a todos que acessam o Museu

Outras fotos de amigos do passado de nossa cidade: 


               Martinho,  Sabara, katita, Dinaldo Tezinho e Son

                               Nogueira, Son, o, Honorio Pedrosa e Fernando Canguru

                       No ultimo Encontro no campestre


                                  Raul, Tom, Sabará, Macola, Zé preto e João Mario



quinta-feira, 24 de outubro de 2013

CANTINHO DA SAUDADE - OBERDAN

POR: JOBEDIS MAGNO DE BRITO NEVES

Falar o nome Oberdan Alves Gomes pouca gente saberá, mas “Galo Creka" ex-zagueiro de alguns times de futebol de pelada do bairro do São José do passado daí  sim todos saberão, pois marcou época,  fez sua história vestindo algumas cores de outros times do Bairro tais como: Cacareco, Portuguesa e o Everton Esporte Clube.

Quem das antigas não se lembra do zagueiro/zagueiro “OBERDAN”. Era daqueles zagueiros que não perdia a viagem, como se costuma dizer no jargão do futebol, entre a bola e o jogador um dos dois passa os dois não.

Foi fundador e diretor do time do Everton Esporte Clube e contribuiu para o engrandecimento da equipe, primeiro como dirigente/jogador  e ajudou esta agremiação com sua experiência mais por problemas particulares se afastou dos gramados, mas deixou uma marca positiva no esporte, os saudosistas relembram o potencial desse que foi uns dos regulares zagueiro do bairro do São José e fez parte de uma  Diretoria de uma  das  melhores equipes da histórias do futebol de pelada  campinense.


Tive o prazer de ser seu companheiro de zaga por alguns tempos no time do Everton (conforme foto). Foi um jogador chamado de zagueiro de espera,  que maltratava um pouco a bola mas tinha uma capacidade de recuperação excelente, sempre esguio de cabeça erguida comandava o setor defensivo.



Foi lutador, trabalhador e  foi uma pessoa que marcou sua vida pela amizade que sempre primou pela família, trabalho e amigos. 
  
Seus colegas ainda guardam na lembrança as suas popas e tiradas inteligentes que alegrava churrascos, festas e reuniões.Por tudo que fez pelo clube teve seu trabalho imortalizado com o seu nome no campo de futebol do clube que se localiza atrás do Hiper Bom Preço de nossa cidade.

O Oberda está longe alguns anos mais está viagem que você fez foi para o  "Reino de Deus " e encontrou a paz.

ALGUMAS FOTOS DO OBERDAN NO SEU TEMPO DE ATLETA