segunda-feira, 20 de agosto de 2012

GRANDE FOTOGRAFO DO PASSADO - SOTER DE FARIAS CARVALHO

POR: JOBEDIS MAGNO DE BRITO NEVES


Quando iniciei minhas matérias no Museu do Esporte de Campina Grande, a  prioridade fazer rever e relembrar aos leitores as histórias do esporte de nossa cidade, mas fui me encontrando com materiais históricos e fotos marcantes do nosso passado, que com certeza o jovem de 20 anos nunca visualizou ou só escutou nos relatos dos familiares mais idosos. Agora contarei fatos e mostrarei algumas fotos antigas que aconteceram no passado do município que nem eu sabia, e pesquisando encontrei estes relatos.

Tempos atrás o Shopping Boulevard  daqui de Campina Grande fez uma exposição de fotografias antigas de nossa cidade que me chamou a atenção. Ela mostrava através da fotografia a histórica urbanística da cidade. São diversas fotos desde a década de 30 até a década de 50. A multidão que olhava admirada as fotos não imaginava as histórias que se escondiam por trás de cada flash. O autor da obra, Sóter Farias de Carvalho, se dedicou a fotografar a cidade no início ainda por hobby e depois se descobriu um amante da revelação.

Soter Farias de Carvalho foi cronista, repórter, vereador, mas apenas na fotografia encontrou sua vocação. Ele  buscou sua identificação e mesmo com os trabalhos que exercia não abandonava sua paixão pela fotografia.

Durante muitas décadas, Campina Grande teve seu lado romântico e social registrados pelas lentes de grandes nomes da fotografia: Cacho, Cadete, Machado Bitancurt, Soter Carvalho nosso homenageado de hoje.  Cenas hoje imortalizadas ficaram na lembrança dos contemporâneos desses gênios e são fonte de revisitação de um passado saudoso.

Por oportuno, acho justo lembrar os nomes de outros dois fotógrafos que deixaram um grande acêrvo fotográfico sobre a nossa querida Campina Grande clássica. Trata-se do irmão do Soter o Aderson Farias de Carvalho e José Cacho ambos contemporâneos do grande Soter e que deixaram para a posteridade o registro de grandes momentos históricos acontecidos na Rainha da Borborema.

Soter Carvalho é lembrado por ter retratado Campina Grandemais romântica,  na década de 30 para trabalhar em nossa cidade. Mas era apaixonado pela fotografia e imortalizou uma Campina Grande tranquila. A maior parte do trabalho de Soter Carvalho estava voltada para o registro dos locais que passariam por reformas, assim como o seu processo de transformação.

Era comum também que ele registrasse as inaugurações e cerimônias públicas. A cada clique, o fotógrafo acompanhava a transfiguração da cidade, fazendo seus instantâneos que permitia o fechamento dos diafragmas e rápidas velocidades de obturador. A velocidade do obturador era importante porque permitia que a imagem fosse congelada, mesmo que houvesse movimento.

A documentação produzida por Soter Carvalho com riqueza de detalhes das fotografias permitia a avaliação dos imóveis e locais públicos de Campina Grande. Consciente da importância do fotograma como documento, costumava anotar na foto o nome do logradouro, a data e marcar a sua assinatura.

 Soter Carvalho apoiava as mudanças no cenário promovidas pelo poder público e compreendia a fotografia como uma técnica, um instrumento objetivo, capaz de registrar fielmente os temas captados por sua lente.

Pouco se sabe a respeito das suas idéias políticas, entretanto, não parece haver dúvidas quanto à filiação e ao compromisso do fotógrafo com o futuro prefeito de Campina grande Ronaldo Cunha Lima conforme santinho abaixo:

Soter  era profissional cônscio das suas atribuições como fotógrafo da cidade que se modernizava. Seu intento era fazer de suas fotografias fiéis amostras das cenas da cidade, e para isso intervinha através de elementos técnicos como a escolha dos planos, da angulação e do enquadramento ao fotografar a cidade.

Soter costumava escolher os planos que expressam bem sua intenção de neutralidade diante da fotografia. No carnaval, o fotógrafo suspendia o princípio da distância e se aproximava da gente nas ruas através dos seus primeiro plano e closes.

Sóter era contratado, amiúde, pelos exportadores, orgulhosos de sua produção, para fotografar os grandes carregamentos de algodão. Às vezes, os fardos ocupavam ruas inteiras, chegando a dificultar o trânsito nas redondezas onde eram embarcados nos trens da British Railway para o exterior. Paralelamente a esse trabalho, fotografava a elite campinense em seu estúdio. 

obre suas fotografias e a memória da cidade, Machado Bitencourt fez três documentários, entre 1978-1979, 16mm: Memórias do velho Sóter, e os curtas O eldoradoA morte de Félix Araújo, e Visões da cidade amada, utilizando as imagens fotográficas de Sóter para relembrar locais e fatos marcantes na história de Campina Grande, narrados pelo fotógrafo. Posaram também para as suas lentes, as prostitutas do Eldorado, cabaré de luxo aberto em Campina com o incentivo, financeiro, dos coronéis do algodão.

Soter não apenas se dedicou aos registros, mas à sua organização, arquivamento e catalogação, de modo a constituir um acervo fotográfico, ou melhor, um álbum da memória da cidade.

Somos, portanto, profundamente gratos aos stúdios fotográficos de Sóter e Aderson que funcionaram conjuntamente durante décadas na Rua Maciel Pinheiro, no 1º andar do edifício onde então funcionava a histórica e tradicional sapataria "A Solar".

Algumas fotos de Soter para ilustrar esta pequeno biografia:














Como o acervo é muito grande,  depois postaremos mais fotografias do mestre Soter de Farias Carvalho

Fonte da Pesquisa:
Acervo da família de Soter Carvalho
Anuário de Campina Grande
Dicionário das Artes Visuais da Paraiba
 Blog Celeiro do Sam

8 comentários:

Anônimo disse...

O nosso "museu" beirando os 100.000 acessos também é cultura.A reportagem acima trás um resgate primoroso dos tempos bucólicos de nossa rainha da Borborema-Campina Grande-Excelente as fotos do renomado fotografo Sóter.Citação dos brilhantes profissionais da arte da fotografia da cidade.Muito bem lembrado pelo editor.
Valeu pela aula do engrandecimento de quem já nasceu grande.
Vadinho

Glêdes Emerenciano de Melo disse...


Justa e merecida homenagem.

Maria Augusta Vilar disse...

Lindas fotos Jobedis Magno. Vou ficar esperando mais. Parabéns.

João Carlos Tejo Di Pace disse...

Beleza Jobedis.

Adriano disse...

Jobedis, nos consiga o contato telefonico ou email dela, pois gostariamos de gravar um video com ela, para contar a importante história do pai dela. Se conseguir manda para nosso email retalhoscg@hotmail.com . Obrigado.

Anônimo disse...

Que "fotografia" linda esta sua homenagem amigo Jobão.
Fotografia antes de tudo é um testemunho, registra aquilo que o fotógrafo vê e muitas vezes serve de poesia...uma realidade que fica eternizada, em cada imagem um sentimento, por exemplo: a foto da Igreja da Guia em nosso querido bairro São José, saudade que renova meus pensamento.

Elogiável amigo e bem merecida esta homenagem ao
grande fotógrafo Soter Carvalho.

Jonas didi

Anônimo disse...

Olá Jobedis, vc teria alguma foto feita por Sóter que tenha a assinatura dele? queria comparar se as que tenho é dele...Agradeço.

Jobedis Magno disse...

Tenho assinatura dele apenas nas costas de algumas fotos dele

Postar um comentário