quinta-feira, 15 de setembro de 2011

A História do Futebol de Salão em Campina Grande (1ª Parte)

POR:  JOBEDIS MAGNO DE BRITO NEVES



Embora já sabendo da grande receptividade desta matéria quando escrevi para o site RHCG, cujo objetivo foi resgatar, não somente para aqueles que integraram as grandes equipes do futebol de salão de Campina Grande, mas também e principalmente, para a juventude de hoje, que muito provavelmente nada sabe acerca dos bons tempos daqueles extraordinários jogadores, retorno, agora aqui no museu virtual do esporte Amador para ficar perpetuado e apegado ao saudosismo, agora para contar um pouco de minha juventude, vivida ao lado das coisas, acontecimentos e amigos daqueles bons momentos vividos aqui nesta querida Campina Grande, cuja história e passado são ricas como poucas cidades em nossa região e, por isso, precisam ser resgatadas para a atualidade por todos aqueles que, como eu, ainda podem contar um pouquinho daquilo que foi na “Rainha da Borborema” aqueles fabulosos idos tempos do nosso futebol de salão.


Histórico do Futebol de Salão na Cidade

O material abaixo foi enviado por João Mario (grande jogador) complementado com comentários nossos. Segundo João Mario Renato Ribeiro, ex-atleta de futsal do Campinense, o futebol de salão começou a ser jogados em 1955 por intermédio de Adauto Brasileiro (a versão mais aceita para o começo do Futebol de Salão em Campina Grande é a de que ele começou a ser praticado no final da década de 50 por jovens freqüentadores de clubes sociais da cidade. A rapaziada enfrentava dificuldades para encontrar campos de futebol perto de suas casas para seus divertimentos em suas horas de lazer e improvisavam "peladas" nas quadras de basquete e vôlei dos Clubes).

Por não se ter campos de peladas disponíveis, os pioneiros de Campina adaptaram quadras de outros esportes para o futsal. Sua prática acontecia nas quadras de cimento do Campinense e do Gresse, pois ainda não havia ginásio coberto. Após as partidas de vôlei, o grupo de praticantes começou a jogar futebol, com a mesma bola de vôlei, apenas para encerrar o dia. Não havia regras, era só um racha entre amigos e as marcações na quadra eram feitas com os tênis dos próprios praticantes ou com pedras.

No início, as "equipes" variavam em número, tendo cinco, seis e até sete jogadores, sendo pouco a pouco fixado o limite de cinco. No inicio as bolas eram muito pesadas e cheias de crinas de cavalos e foram  sofrendo sucessivas modificações, inclusive com o uso de cortiça granulada dentro delas. Como as bolas de ar utilizadas saltavam muito e saíam freqüentemente da quadra, posteriormente tiveram seu tamanho diminuído e o peso aumentado. Daí o fato de o Futebol de Salão, hoje um dos esportes mais praticados no país, ser chamado de "esporte da bola pesada".

Após a implantação do esporte, os praticantes passaram a gostar do novo divertimento e a jogar nos finais de semana. Alguns membros dos times buscaram implantar as regras do futebol de salão que já existiam e passaram a realizar a partir de 1960 alguns jogos amistosos. Com o passar do tempo, o esporte foi se popularizando e vários times foram criados, estavam divididos por bairros, clubes de pelada, funcionários de banco, funcionários públicos, do comercio, da indústria entre outros. Muitos jovens se interessaram pela bola pesada e houve a fundação de alguns times tais como: Estudantes, Campinense e o Batalhão do Exército. A partir daí as equipe foram aos poucos perdendo forças em razão dos seus fundadores e principais jogadores terem saído para sua formação profissional. Até hoje o futebol de salão de Campina Grande é lembrado pela qualidade dos seus jogadores que marcaram época. Foi uma história realmente muito importante para todos nós que fizemos parte dela. Campina Grande logo criou sua Liga, organizou um campeonato popular e o salonismo não parou mais de crescer. 

Segundo João Mario o time do Estudantes foi fundado em Abril de 1957, junto com o Futebol. Os atletas daquele tempo: Humberto de Campos - Goleiro, João Mario - Ala direita, Sebastião - Atacante Pivô, Nanza – Atacante e Marquinho – Atacante.

CAMPINENSE da época era formado por: Neiva – Goleiro, Eudes do Ó – Ala, Gil Suassuna – Central e Miro Chapeado e Renato Ribeiro- Atacante 

BATALHÃO DO EXERCITO era formado por: Mozart, Abel, China, Cirne e Aluizio Pretinho. Isso entre o final década de 50 e o inicio dos anos 60.

Na década de 60 surgiram vários times, que disputaram o Campeonato promovido pela Liga Campinense de Futsal, entre eles:

CAÇADORES, onde brilhava o atacante Aluizio do Banco Nacional do Norte (não confundir com Aluizio Pretinho), Cinebaldo Mota, Walter Ferro Véi, Luciano Lima (irmão de João Mario, que depois consagrou-se como um dos melhores juízes de futsal da cidade, e talvez da Paraíba) e Zito. 

O BARCELONA onde despontaram, Renan, que depois foi goleiro do Estudante, Bolinha ( que jogou depois no Bologna e no Treze é hoje o médico Dr. Granville), Zé Maria, entre outros.

O Colégio Alfredo Dantas, que tinha no seu elenco, Cil (que depois jogou no Campinense e AABB), Ivanildo, Elias Trojão, Silvestre Almeida. 

O bom time do GM, com Tom, Edson, Benivaldo, Paulinho, Charles.

O Batalhão do Exercito, que tinha em seu elenco um dos maiores goleiros de futsal da PB, o elástico Mozart, e que fez escola na técnica de reposição de bola, deixando os atacantes cara a cara com o goleiro adversário e Aluizio Pretinho, outro grande jogador da época, Abel, China e Cirne.

O ESTUDANTES, nesse período em que foram tricampeões, contou com os seguintes: atletas:

Goleiros : Humberto de Campos – Garrincha -Tom – Renan – Saulo Leal 

Defesa : João Mario – Erção - Baianinho – Hugo Bala – Orlando Guedes – Marcus Vinicius 

Atacantes : Sebastião - Pibo – Nanza – Marquinhos – Roberto Jarjor (Meio Quilo) – Silvio ( que jogava no Cabo Branco e que jogou algumas partidas) e Aluizio do BNN.

Obs: Logo após a saída de Humberto de Campos, Garrincha assumiu a posição de goleiro e praticamente foi titular durante quase todo o período 62/64. O Estudantes foi tricampeão 62/63/64 em memoráveis decisões com o Campinense.

Fundação do AABB - Nesta época o gerente do Banco do Brasil construiu a sede social dos funcionários no bairro do São José a AABB, criando um departamento para gerenciar o Ginásio de Esportes recém inaugurado e fomentar assim, atividades esportivas, incentivando o futebol de salão. Foi criada a Liga Campinense de futebol de Salão e ocorreu a primeira participação da cidade em um Campeonato Municipal. A população começou a prestigiar os jogos, e na época a quadra estava sempre lotada. No Ginásio da AABB onde ocorria os jogos, muitas vezes coincidia com a da realização de festa no clube. Estes bailes eram muito tradicionais na época e muitos dos jogadores eram pares das disputadas moças para dançarem e “pinarem” as musicas da época da “jovem Guarda”. A partir de 1964 foram fundados outros clubes e times como: CAD, Belenense, Ceará, Esporte, Mocar, Caçadores, AABB, Treze, GM, Santos, Bologna, Mackenzie, Gresse entre outros, que participaram do campeonato da cidade patrocinado pela liga campinense de futebol de salão. Os colégios também começaram a participar, sendo que o esporte foi difundido entre as escolas, formando-se competições escolares, fortalecendo ainda mais o futebol de salão em Campina Grande.


                                 Time do Estudante Tri-Campeão da cidade

Em pé: Saulo (Ex-Prefeito de Queimadas falecido recentimente), Lúcio Pato, Elcio (Erção), Marcus Vinícius, Hugo e Garrincha. Agachados: João Mário, Guerra, Sebastião Vieira, Pibo e Patricinho (Leal).




Obs:  

Se você viveu esta época  ou teve parente e tem acesso a materiais, fotos e jornais, sobre os times que fizeram parte do futebol amador da cidade, e gostaria de colaborar com o Museu  entre em contato conosco, através do e-mail: jobedismagno@hotmail.com.
 Espero contar com a colaboração de antigos dirigentes e ex-jogadores no envio de fotos e documentos, além de alguns  "causos" para publicação.



7 comentários:

Anônimo disse...

Achei muito legal rever os momentos passados no tempo da nossa juventude…Saudades dessa época!
É uma grande e bonita recordação que poderei mostrar para meus netos.
Abraços à todos meus amigos que aqui estão.
Paulo Alves (Paulinho)

Antonio Carlos Meira disse...

Parabéns ao Jobedis por me proporcionar momentos de muita alegria ao rever a historia do futebol de salão da minha Campina Grande do passado. A a fotos do timaço do estudante com o grande Sebastião Vieira são inesquecíveis que com certeza marcaram a história de Campina.O site é fantásticos e como já estou a 36 anos morando fora e a saudade é grande sempre visitarei agora que sei o endereço pela rede.Obrigado e um abraço a todos amigos de Campina.

Antonio Carlos Meira

Antonio José (Carlinhos) disse...

Eu sai de Campina Grande na decada de 60 quando me formei, amo de paixão e tenho muita saudade deste tempo de juventude me lembro pouco de ver o Sebastião e o Pibo jogando pelo Estudante. O Sebastião Vieira era um cracaço e o Pibo eu conheço bem sua historia um atacante rompedor, tenho muita saudade dos amigos dai, gostaria que se alguem pudesse transmitir o recado para os dois e os outros seus companheiros respeitando os que ja foram, hoje ando um pouco adoentado, chorei muito quando vejo noticias dai, passem o recado peçam para que entrem em contato aqui pelo Museu com seus endereços para eu me coresponder com eles.

Ana Julia Dantas Villar disse...

Por isso q sempre digo.
Recordar é viver.
Parabéns ao jobedis , pela inciativa de trazer de volta os bons momentos do esporte de Campina Grande.
Ao ler essa materia e outras deste museu, e ver essas fotos, foi voltar ao passado,e lembrar um pouco daquele nosso tempo q era tão bom, e que ficou guardado para sempre fundo do coração de cada um de nós, e q hoje ficou na saudade.

JOSÉ LEONCIO DE SAUSA disse...

PARABENS JOBEDIS,TENHO 50 ANOS E ACOMPANHO SUA CARREIRA,QUANDO JOGAVA PELADA E FUTEBOL DE SALÃO ERA BELO DE SE VER JA FUI APELIDADO DE MARADONA E FIQUEI MUITO ORGULHOSO , ESTOU ESPERANDO OUTRAS BELAS POSTAGEM PARA RETORNAR AO PASSADO. PARABENS DEUS TE ABENÇOE

Carla Vidal disse...

Parabéns Pai...
Vejo seu trabalho e empenho sendo reconhecido, fico muito orgulhosa!

Te amo.

Carlinha

André disse...

Jobão,

Você resgata todo encantamento do futebol paraibano, relembrando todas essas facetas!
Adoro e sou leitor absoluto de suas postagens...

Valeuuuuuuu

Postar um comentário