sexta-feira, 29 de novembro de 2013

HOMENAGEM ESPECIAL AOS GRANDES LOCUTORES E CRONISTAS ESPORTIVOS DO PASSADO

POR: JOBEDIS MAGNO DE BRITO NEVES

Hoje estamos postando uma homenagem especial e um pouco longa. Isto se deve a nossa iniciativa de homenagear os grandes locutores e cronistas esportivos de nossa cidade do passado. O nosso propósito é única e exclusivamente prestar uma justa homenagem aos cronistas esportistas e radialistas que, de uma maneira ou de outra, contribuíram com o seu esforço e trabalho, para o engrandecimento do esporte de nossa cidade. Queremos aqui, fazer uma ligeira exposição do critério adotado para a escolha e, ao mesmo tempo, justificar os nomes citados.

O rádio campinense tem histórias incríveis de grandes profissionais que por aqui passaram, alguns ainda vivos, outros já nos deixaram.



NOMES DE CRONISTAS ESPORTIVOS QUE NUNCA SERÃO APAGADOS DA HISTÓRIA....

Pois é amigos antes da chegada da televisão aqui em Campina Grande, o rádio predominava nas transmissões esportivas. E mesmo após a chegada da TV (Borborema), muitos desportistas ainda preferiam assistir aos jogos televisionados ouvindo a voz de seus locutores preferidos do rádio. Eu, desde criança, ouvi muitos jogos de futebol pelo rádio. Alguns dos locutores e comentaristas esportivos daquela época já não estão mais entre nós. É apenas uma homenagem a estes cronistas da época que fizeram milhares de ouvintes felizes e sonharem através da magia inapagável do rádio.

Tivemos na rádio Borborema e Caturité grandes locutores e comentaristas esportivos. Na Radio Borborema tinha nos anos 60 uma dupla da pesada formada por Ariosto Sales, na narração, e Josusmar Viana, nos comentários. Eram honestos, competentes, mas não alisavam ninguém. Josusmar era imparcial em seus comentários.

Ariosto Sales - Os amigos da minha geração o conheceram e a geração de hoje só ouviu falar.  Mas marcou uma geração como um dos mais notáveis locutores esportivos das décadas de 60. Muitos ainda se lembram de Ariosto Sales, pela sua voz marcante, inteligência, eloquência, dinamismo e sua capacidade de trabalho. Descrevia com enorme maestria, lance por lance, os jogos de futebol da época. Comandava uma equipe imbatível. Fora das cabines de transmissão trabalhava para o complemento do seu salario (trabalhou na Cagepa e por muitos anos na Caranguejo). Infelizmente o Ariosto padece de uma enfermidade (doença de Alzheimer).

Não podemos deixar de citar os outros grandes locutores comentaristas, que eram o recheio do bolo, os que destacaram na década de 60 e 70, época de ouro do Futebol de Campina Grande, onde rádio tinha a importância que tem hoje a televisão, e naquela época, as vozes dos locutores e comentaristas soavam como uma explanação de um professor de futebol, entre os que ficaram em nossas lembranças pode citar os cronistas esportivos que mais marcaram: Joselito Lucena, Alberto de Queiroz, Francisco de Assis (Olé), Humberto de Campos, Edmilson Juvenal (depois Edmilson Antônio), Eudes Antônio (Da Verdade), Luismar Rezende,  Ari Ribeiro, Paulo Roberto, Germano Ramalho, Gilson souto Maior, Edvaldo Gouveia, Rostan Lucena, JCC entre outros cobras.

Minha primeira homenagem é para o grande comentarista, grande goleiro de futebol de campo e de salão, companheiro e amigo, uma das “feras” da Rádio campinense, em um tempo no qual você ouvia autênticos narradores e comentaristas esportivos e se sentia dentro do estádio.

O rádio esportivo de Campina Grande viveu anos de ouro, assim como o futebol de outrora. Narradores, repórteres, comentaristas e plantonistas comandavam a audiência com microfone criando ídolos e seguidores. Alguns destes personagens você encontrara a partir desta homenagem. Comentarista com humor contagiante, com as suas tiradas inteligentíssimas, coube a ele segurar a bandeira das celebridades da radiofonia campinense, era é um profissional da mais alta estirpe da radiofonia, era o professor da faculdade e do futebol da cidade.

Estou falando de Humberto de Campos o “Moça Velha”, como os amigos o chamavam, era leitura obrigatória para todos aqueles que acompanhavam o futebol paraibano. Sua coluna no Diário da Borborema, intitulada “Jogo Duro”, marcou toda uma geração de “boleiros”, tendo até, uma versão sonora na Rádio Borborema.
Sua definição para o Campeonato Paraibano era chamá-lo de “O Extra”, seguido do ano da edição do torneio, sempre lembrando que o campeonato era “nivelado por baixo”, em suas próprias e ferinas palavras. Com referência a Campina Grande, uma frase sua ficou famosa. Ele se referia a “Rainha da Borborema”, debochadamente como “Centro de Irradiação do Universo”.

Humberto também se envolveu em polêmicas com alguns dirigentes esportivos e era de conhecimento que sua preferência local era o Campinense Clube. Esse fato, talvez, explique a desconfiança de boa parte da torcida do Treze com relação as suas colunas. Em 1983, por exemplo, após o Treze comemorar uma vitória que daria o título estadual, a FPF voltou atrás em sua decisão e marcou uma melhor de três contra o Campinense. Humberto disse então, que o Treze teria de fazer uma passeata de ré, já que o clube ainda não era o campeão. Ao final da melhor de três, ao obter finalmente o título estadual, boa parte da torcida do Treze saiu do Estádio Amigão de costas, gozando o cronista e a torcida do Campinense.

O “Mais Discutido”, também trabalhou na CELB e seu último emprego foi no jornal “A União”.

TITULO DE CIDADÃO CAMPINENSE

Humberto pelos relevantes serviços prestados recebeu merecidamente o titulo de cidadão campinense foto ao lado.

Os desportistas campinenses do passado guardam na lembrança a história de grandes profissionais do rádio que fizeram parte do tempo áureo do esporte, em especial do FUTEBOL.

Estes são alguns fatos que narram à história de vida do jornalista Humberto de Campos e marcam o reconhecimento de sua trajetória dedicada ao esporte e ao! Jornalismo esportivo demonstra que a cada ano, a cada trabalho desempenhado pelo ex-goleiro, cronista esportivo, sua vida se funde à história da atividade de jornalística esportiva do citado cronista de Campina Grande em especial a do Rádio e jornalismo esportivo, que completou mais de 70 anos de existência na cidade.

Humberto de Campos para mim foi um dos melhores cronistas ou quem sabe o melhor de todos os tempos, diferenciado pela irreverencia, ele é sem dúvida nenhuma único. Era é show de bola! Saudades, e continue narrando e divertindo aonde quer que você esteja. Por isso compartilho aqui abaixo algumas fotos dele como atleta e desportista como a homenagem que posso fazer a um mestre que vai fazer muita falta. Talvez nem tenhamos a medida, ainda. Que ele fique em paz, mesmo com nossa saudade.
TIME DOS DIÁRIOS ASSOCIADOS
                                   

                                             TIME DE FUTEBOL DE SALÃO DO ESTUDANTES


FONTE:
Diário da Borboerema
Site:
RHCG

Um comentário:

Wdilson Campos disse...

Bela homenagem. Saudades da Radio Borborema das antigas, dos programas O Esporte em Marcha, Tiro de Canto, Jogo Duro, e outros. A família agradece esta homenagem. Obrigado.

Postar um comentário