segunda-feira, 16 de dezembro de 2013

CANTINHO DA SAUDADE - NILSON CAMILO

POR: JOBEDIS MAGNO DE BRITO NEVES

Dizem que nunca é tarde para homenagearmos as pessoas das quais temos amizade e gostamos. Mesmo atrasado, hoje cumprimos nosso dever em relatar um pouco uma pequena homenagem do nosso saudoso Edmilson Camilo, o Nilson Camilo, ex-jogador de diversos times de pelada de nossa cidade entre eles: Nautico, Juventus e o Everton, e de alguns profissionais como: Paulistano de nossa cidade, Limoeiro de Pernambuco, Nautico de Recife de alguns times de Manaus no Amazonas.

Pois é amigos, era um domingo qualquer . No final do dia, recebí um telefonema de de um amigo que me perguntou: “Você soube do Nilson Camilo? (era assim que o chamávamos). Morreu esta tarde”. “Mas morreu como? E porque”? “De acidente de carro”, respondeu.

Muitas perguntas surgiram em minha cabeça. Perder alguém de uma forma dessas já é muito triste, alguém que se conhece, admira, respeita e gosta é muito pior. Difícil imaginar que tragédias acontecem com pessoas sérias, amigas  e comprometidas com o seu trabalho, como era o caso do Nilson Camilo . Mas aconteceu. Nilson era bom amigo, um tipo de ser humano raro e complexo como tudo o que é bom!

Mas a minha admiração por ele vai continuar! Que seus familiares e amigos mais próximos encontrem forças para superar a dor da perda e trabalhem isso da melhor maneira possível.

E não vamos esquecer: a vida está aí sempre à frente e tudo pode acontecer. Muitas vezes estamos tranquilos e uma onda gigantesca invade a nossa geografia e transforma tudo, destroçando o que encontrar pelo caminho. Tudo o que parece sólido, na verdade, é uma grande ilusão, imprevisível.

Que tenhamos todos muita luz para que as surpresas da vida não nos destruam e sim, nos fortaleçam. Porque tem que ser assim! Há várias explicações, mas ninguém da família e amigos  se conforma, principalmente, quando a pessoas que gostamos está aqui hoje, junto de nós, conversando, contando piadas, sorrindo... Amanhã, já não é a mesma coisa. Uma forte batida de um carro e nosso amigo se foi. 

Estamos prestando uma singela homenagem ao nosso grande amigo, que faleceu tempos atrás na cidade de Manaus no Amazonas. A notícia se espalhou e a tristeza tomou conta de todos os familiares e amigos, que admirava o Nilson Camilo.

Nosso amigo  foi criado em uma família modesta e humilde, mas cheia de vida e dignidade. Seu Pai Pedro Camilo era alfaiate no bairro do São José, sua mãe, dona de casa. Seu pai e irmão Chicão (ambos falecidos) , traziam o suspiro da arte da costura na alma.

Neste ambiente nasceu Nilson Camilo, mas de início o que mais lhe chamava atenção era mesmo o futebol, descia a Praça do trabalho e já se acampava no campinho e lá com outros moleques já mostrava a segurança e responsabilidade na zaga do seu time.

Logo ele estava vestindo a camisa da do Bangu e depois do Juventus time do bairro.  Por ser um bom zagueiro Nilson  estava sempre entre os titulares, foi quando o time do Paulistano o chamou para jogar no seu time e participar de campeonato na cidade.  Já com o nome bastante famoso na imprensa, transferiu-se para time de Limoeiro em Pernambuco.

Sua carreira como jogador de futebol, não foi muito abrangente, mas o suficiente para sempre estar em equipes da cidade como um zagueiro de qualidade e muita responsabilidade. Foi convidado a defender oNautico e depois foi embora par jogar no futebol do Amazonas onde teve a oportunidade de jogar com jogadores que fizeram muito sucesso no nosso futebol do amazonas.

Estreiou em um jogo de casa cheia Rio Negro 0 x 0 Nacional

Com  recorde de público no campo do Parque Amazonense, o estádio “Ismael Benigno”, na Colina, também registrava outro recorde de pagantes, no jogo pela Taça Amazonas dia 27 de abril de 1969, entre Rio Negro e Nacional, resultado de 0 a 0 que ensejou ao Nacional disputar o título com o Fast Clube, três dias depois.

Conforme sumula do jogo abaixo:

Local: Estádio “Ismael Benigno”.

Juiz: Emílio Marques Mesquita (SP).

Auxiliares: Manuel Luís Bastos e Rosquilde  Serra, locais.
RIO NEGRO: Clovis, Edmilson Paraíba, Maravilha, Valter e Chicute; Xerém e Ademir (Jorge Luís); Rubens, Carlos Alberto (Nando), Santos e Anizio.

Como percebemos, Nilson Camilo foi de fato um grande atleta na nossa cidade e serviu com raça  os clubes por onde passou. 


Depois que deixou o futebol Nilson  conseguiu emprego como preparador físico do time do Rio Negro de Manaus e depois foi ser o treinador  e ficou um longo período lá e onde era um funcionário de destaque, seus patrões o tinham como um dos melhores empregado da firma e todo apoio ele tinha.

Que Deus o tenha.

Algumas fotos do Nilson Camilo aqui em nossa cidade:


                                               

 




4 comentários:

Hildeman disse...

Conheci o Edmilson Camilo de Oliveira (Nilson Camilo) através do casamento entre minha mãe e Pedro Camilo de Oliviera, Pedro Camilo era viuvo com 06 filhos e, minha mãe era viúva com 03 filhos, eu e meus dois irmãos continuamos morando com a nossa vó, numa casa defronte com a porta lateral da Igreja da Guia, enquanto mãe foi viver a vida dela com Pedro Camilo e famila, dêsse casamento, nasceu a Hildaires, hoje casada com Valter Miranda (Vavá) residindo no bairro da prata. Dos filhos de Pedro Camilo, o Nilson foi quem mais apoiou o casamento, era um garoto de grande espirito religioso e, que amava muito o Pai. era uma pessoa de grande caráter em suas desições. Lembro-me bem lá em Manaus, o time dêle foi campeão do Estado e, êle havia feito uma promessa com o seu santo devoto. Caso fosse campeão do Estado, êle iria fazer uma prece no alto de uma serra muito elevada aonde tinha uma cruz. A sua diretoria não o aconselhou para êle ir, mesmo assim, êle foi, acompanhado por ambulância e grande comitiva que não o deixou só. A notícia de sua morte para o meu padastrao e minha mãe deixou ambos muito abalados. Pedro Camilo, um grande anjo que eu tive o prazer de conviver tanto tempo, nunca mais foi o mesmo, desde a morte de seu filho.

Osvaldo Pereira Vadinhov disse...

Um dia nossos filhos verão aquelas fotografias e perguntarão: Quem são aquelas pessoas? Diremos que eram nossos amigos. E... isso vai doer tanto!!! Foram meus amigos, foi com eles que vivi os melhores anos de minha vida!

Anônimo disse...

Não me lembro do Nilson Camilo. Conheci o Valderi Camilo, e o Claudio Camilo que eram filhos de uma alfaiate na ladeira do babilônia. O Vadinho foi meu colega de primário no grupo Clementino Procópio, com a professora Lêda. Estou com 65 anos/Zezito

Jobedis Magno disse...

devem ser primos o Nilson ra filho do alfaiate Pedro Camilo, sua alfaiataria ficava Vizinho ao cine São José

Postar um comentário