sexta-feira, 6 de dezembro de 2013

FRAGMENTOS DA MEMÓRIA ESPORTIVA - A MÁQUINA DA DÉCADA DE 70

POR: JOBEDIS MAGNO DE BRITO NEVES




Um dos melhores time da região na década de 70. Assim ficou conhecido o Everton Esporte Clube. Foram vários títulos naquela década, bi campeão suburbano, campeão do tabelão da liberdade, vice campeão do Copa arizona (com mais de 60 times disputando e perdemos nos penaltys) váarias vezes campeão de torneios disputados na cidade, entre outros. uma das partidas memoráveis foi na vitória contra o time do comercio nas semi finais do campeonato suburbanos de 1971 na casa do adversário por 3 x 1.


Um time que orgulhava a sua cidade, enchendo o estádio Municipal de Campina Grande e de muitas cidades da Paraiba. 
Realmente um grande time, infelizmente os moradores do bairro  atuais não deram sequencia a uma história de vitórias e sucesso ao Everton.

Saudades dos jogos que enchiam os estádios, a rivalidade sadia com os times de Serra Branca, Alagoa, Grande, Lagoa Seca, Solânea, Esperança, Remigio, Soledade, Puxinanã, Cajazeiras entre outras localidades e aqui em Campina Grande jogando nos campos adversários de categorias como: Estudantes, Botafogo, Oriente, Olaria do Catolé, Textil, Cenourinha, Humaita, Milionário, Flay Beck, LEÃO DO Monte Santo, Santos da Estação, entre outros grandes times da região. Todos os jogadores, jogavam por amor a camisa. Infelizmente acho que são tempos que não voltam mais. Os jogos mexiam com a cidade, todo mundo se envolvia.

 GRANDES CONQUISTAS

Desde a sua fundação e até quando disputou o primeiro troféu, o Everton era formado com sua tradicional equipe, formada basicamente pelos sócios fundadores. Numa campanha impecável, o Everton conquistou o Torneio Tabelão da Liberdade, em 1970. Após passar invicto pela 1ª fase, as quartas-de-final e a semifinal, Everton venceu a final de com um gol de Jobão e outro de Vadinho. Com um show à parte do time e o primeiro título importante do Everton.

OS GRANDES MOMENTOS DO EVERTON

No futebol Campinense aconteceu em 1971. O clube rubro verde se sagrou campeão suburbano pela primeira vez. Apesar de o campeonato ter sido disputado com mais de 60 times, o Everton ganhou todos os jogos com méritos indiscutíveis. A partida mais emocionante foi na final contra o Botafogo da Liberdade. Os mais antigos ainda lembram. A partida estava empatada em 1x1. (gol de Tonheca) Porém, um chute certeiro do nosso lateral esquerdo Chico Cateta "do meio da rua" cobrando uma falta, entrou no ângulo e conquistamos o Torneio Suburbano. No final nossos torcedores invadiram o gramado e seguiram em passeata a pé até o São José. Uma grande festa foi preparada para recepcionar o time. Que passava a ser conhecido como “Campeão Suburbano da Cidade.

CAMPEÃO DO TORNEIO “JOSÉ LUIZ JUNIOR”

O Everton foi colecionando vários títulos entre eles: Bi Campeão Suburbano de 1973, de campeão do torneio “José Luiz Junior” jogando á noite no Estádio Presidente Vargas em uma preliminar do Treze contra o time do  Renascença ( time do Renascença estava reforçado de vários jogadores profissionais entre eles o Goleiro Pompéia, Messias, Cicita e Chiquinho Alegria do Treze, Paulinho, Edgard, Bidoreco do Campinense e Carlinhos do Palmeiras de S.P), O Everton não se intimidou e ganhamos por 1x0 com gol de Fernando Canguru. O nosso clube atuou com os seguintes jogadores: João Batista, Son, Ademir, Pedro Sandu e Martinho, Jobão e Evandro e o ataque com Tonheca, Vadinho, Fernando e Jonas Didi (foto Abaixo):


O EVERTON CONQUISTA A MÍDIA ESPORTIVA

Na década de 70 o Everton realizou brilhantes temporadas pelos gramados de várias cidades da Paraiba. Uma longa temporada. Jogos que não tinham a mesma divulgação das temporadas do chamados “grandes clubes”. O clube da camisa rubro verde jogou em vários das cidades. Disputou vários jogos jogando com grandes equipes do estado.

No futebol Campinense apenas os chamados “grandes clubes” ganhavam as manchetes dos jornais e espaços no rádio e na televisão. Os chamados “pequenos clubes” ficavam escondidos em suas modestas conquistas e longe dos torcedores e da mídia. O futebol praticado pelo Everton despertou a atenção da mídia esportiva campinense, que chegou a citar e narrar alguns jogos do Everton Esporte Clube do São José, como exemplo a ser seguido, dada excelência do verdadeiro futebol amador. No futebol da Paraiba o Everton fez grandes campanhas em vários torneios e possuía grandes craques em seu plantel. Craques que chegaram disputados por vários clubes do Bras.

  A TORCIDA

Com um time bem estruturado e organizado, a torcida do Everton cresceu assustadoramente e sempre apoiava o time em todas as competições que o mesmo participava. A torcida do Everton revolucionou o futebol Suburbano, com sua vibração e festa feita nos jogos do Time. A torcida do Everton foi à primeira torcida organizada de time de pelada fundada na cidade. A alegria era geral e os Bares de Vamberto e de Seu Feliciano se tornaram pontos oficiais de encontros dos torcedores após as partidas do Everton. A torcida se destacou também no primeiro Campeonato Oficial disputado e conquistado pela equipe em 1971 quando em um evento organizado pela Imprensa local, Prefeitura Municipal e a liga de futebol esta receberam o título de torcida mais vibrante do Estádio do Plínio Lemos. A torcida revolucionou o futebol suburbano, com sua vibração e festa feita nos jogos do time.
 TORCEDORES FAMOSOS
Durante as décadas de setenta e oitenta era bom ver aquela gente toda, barulhenta e alegre, se agitando pelos campos de pelada e pelas arquibancadas de campos de futebol onde o Everton ia jogar. Era uma torcida única e comandada por dois fiéis fanáticos torcedores: Willams Gaguinho e Nezuca (esse era o mais agitado). Estavam sempre gritando, xingando, exigindo e aplaudindo. Citaremos alguns outros torcedores famosos que fizeram parte da nossa grande torcida: Manoel Casado, Antonio 40, Pedro Braga, Careca Garçom, Seu Guedes, Neco Barbeiro, Valdecir Guerra, Cabo Alberto, Dida, Chico Buica, Anacleto, Dedê Passarinho, William Alves (Uila Gaguim), Pedro Camilo, Djalma, Giovani, Seu Iraci, Ferreira, Ivaldo, Albertinho, Vadico Sabino, Zé Balbino, Ricardo Crizanto, Zé Felix, Seu Miranda, Pai Velho, João Enganei Mãe, Dodoia, Catita, João Cadete, Onofre, Assis do Cinema, Miguelzão, Júlio Aprígio, Dragão, Zé de Deda, Cachepinha, Gordo Pantera, Pedro Baiacu, Zé Preá, Ricardo Zome, Otacilio, Ronaldo Soares; Pé de Bola, Pedrinho Feitosa, Joselito Lucena, Edmilson Antonio, Eudes da Verdade, Neto Soares entre outros torcedores
TORCEDORAS 
Algumas torcedoras que fizeram parte da nossa Torcida: Berizomar, Wilma, Maria Figueiredo, Socorro Dantas (Corrinha Dinamite), D. Ivete, Fátima, Anete, Acácia e Batatinha Miranda, Lourdes Galega, D. Urbana, Ebinha, Ivanise (ex-mulher de Sabará), Salete Martins, Graziela e Glaydes Emerenciano, Fatinha Aragão, Guia do Bar Cristal, Deinha, Maristela, Zenilma, Marise, D. Barbara Dantas, D.Estela, D. Ana, Guia, Lucinha Piazza, Fusquinha, Nena, Dr. Sascha entre outras.
RIVALIDADE
 A única coisa que movia o futebol amador de Campina era a rivalidade entre alguns clubes de tradições, resguardadas como manda o figurino. Há quem afirme que a paixão cega os homens e que o futebol, por ser um esporte tipicamente passional, transforma os homens. Existem exemplos reais que confirma tudo isso. No futebol amador campinense, por exemplo, acontecia um dos mais tradicionais duelos do futebol amador campinense entre o Everton e o Estudante, embates e episódios que define muito bem a força irracional das paixões. E tudo já existia na década de 60. Estes dois grandes clubes que antes mesmo de atingiram a maior idade já se digladiavam ferozmente, representados por seus jogadores e dirigentes do antigo São José e depois Portuguesa. A partir de então, as hostilidades aumentaram, tornando-se incontroláveis, sobretudo porque explorada pelas crônicas dos jornais apesar de serem estudantes e homens de prestígios sociais respeitadíssimos, desportistas natos, educadíssimos, conceituadíssimos, mas vitimas da paixão clubística e que travaram grandes duelos no futebol amador da cidade.
GRANDES ARTILHEIROS
Os grandes artilheiros do Everton ostentam histórias. Foi com ela que jogadores como: Sabará, Jobedis, Fernando, Vadinho, Madruga, Lulu, Paluca, Tonheca, Bala, Décio, Casagrande,  entre outros, fizeram a alegria da galera, carimbando o gol dos adversários. Nos arquivos do Everton é difícil encontrar registros de quantos gols cada um dos atacantes citados marcou na história do clube. Por isso, não foi possível levantar os dados com precisão. Até mesmo a memória dos próprios artilheiros é traída. Nenhum deles sabe dizer com exatidão qual a sua marca enquanto vestiu camisa vermelha e verde.

GALERIA DE TROFÉUS

A sua imensa galeria de títulos e troféu o Everton se orgulha de todos (mais de 50), indiferente aos fatores que predominaram seus grandes feitos que destacaremos mais adiante deste Museu.


 Time dos Sonhos...

Por mais de 10 anos dominou os gramados do de nossa cidade... maioria dos atletas prata da casa... atletas de fora jogavam por orgulho de vestir a camisa do Everton, época do verdadeiro Amadorismo, o que vemos hoje é decadência do esporte amador! Pagar para jogar... isso tem que acabar!!!

Tive o prazer de jogar inúmeros jogos nesta grande equipe, realmente, foram jogos memoráveis para os jogadores do Everton  e para a sua torcida. Ainda recordo com muita emoção os grandes momentos vividos em Campina Grande nos jogos fantásticos daquele maravilhoso elenco.


Mas este trabalho não se esgota aqui. A trajetória do Everton no esporte amador em Campina Grande é uma página da história sobre a qual ainda há muito por escrever. A falta de informação não podia permanecer por mais tempo, sob o risco de se perder o que ainda resta da memória da comunidade.
          
O conjunto de informações aqui reunidas deve proporcionar aos leitores da presente postagem, uma ampla visão da importância que teve o Everton no futebol amador como fator de integração social para a comunidade.

Ainda hoje, os membros do clube se reúnem todo o fim de ano para a festa de confraternização, com uma partida de futebol (no seu próprio campo) com almoço e muita cerveja, e aí inclui - se os fundadores com seus filhos, um grupo de ex-jogadores, amigos e jogadores da atualidade.


Criticado por alguns, elogiado por poucos, místico para outros, copiado por tantos e invejado por muitos, este é o Everton, que tem na simplicidade e na sinceridade de propósitos, o segredo de sua profícua e contínua existência como parte integrante da comunidade do São José.

Um abraço a todos.




Participe da Seção Fragmentos do  Passado enviando imagens antigas de seu time e sua descrição no e-mail: jobedismagno@hotmail.com





5 comentários:

Sérvio Túlio disse...

O Everton deixou um grande marca aqui em S.Branca.Em jogo que marcava a reforma do campo, no início da década de 1970.O EVERTON jogou contra o FLAMENGO e revelou -para S.Branca-,o nosso amigo FERNANDO "CANGURÚ".O EVERTON venceu por 1X0, após o capitão e craque PAULO(Flamengo), perde um penalti.GRANDE EVERTON!!!
-Sérvio Túlio

Osvaldo Pereira Vadinho disse...

Um "paladino" à época.Um dos melhores times em que joguei.Tinha jogadores fora de série. Quase imbatível.Ganhamos tudo! E quando vejo os meus amigos de outra hora me dá uma emoção danada! Tempo inesquecível...Valeu!!

Adauto Barros disse...

Aí era uma verdadeira seleção em todos aspectos.

Antonio Ribeiro da Paz disse...

Jogar no Everton, para mim foi a maior glória da minha vida....

haroldo barbosa disse...

era realmente uma seleção qualquer um jogava em Treze ou Campinense, como jogaam Son, fernando e João Batista e Jobão

Postar um comentário