quinta-feira, 25 de abril de 2013

GRANDE DESPORTISTA DE CAMPINA GRANDE

POR: JOBEDIS MAGNO DE BRITO NEVES

Geraldo Nunes Sobrinho – O “Gatinho” – Falar deste amigo é fácil, pois somos amigos de infância da Rua Felipe Camarão no bairro do São José em Campina Grande/PB. Participou de muitos jogos de futebol de campo defendendo cores do aspira do Everton, estava sempre sentindo as emoções desses jogos.

Gatinho foi um zagueiro que tinha muita boa técnica e uma garra de fazer inveja há muitos jogadores da atualidade. Foi também dirigente do Everton na função de tesoureiro, com uma gestão muito proveitosa e honesta. O mais importante é que Gato (como era carinhosamente chamado pelos amigos) nunca se descuidou de seus estudos que estava sempre em primeiro lugar. E foi ultrapassando todas as barreiras que surgiram a sua frente, que conseguiu se formar em engenharia. Graduado em Engenharia Civil pela Universidade Federal da Paraíba. Depois de ensinar por alguns anos na POLI, foi diretor por alguns anos no CCT. Sendo recrutado por Linaldo Cavalcanti para exercer um cargo de direção no CNPq.

Gatinho tem no seu Currículo: Especialização em Indicadores para Política Científica pelo Centro de Política Científica e Tecnológica do CNPq, mestrado em Meteorologia pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais e doutorado em Sociologia pela Universidade de Brasília. Coordenador Geral de Apoio à Pós-Graduação e Diretor Substituto da Diretoria de Avaliação da CAPES.

Atualmente é Diretor da Diretoria de Relações Internacionais, de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES). Coordenador do Grupo de Trabalho de Acompanhamento e Operacionalização do CsF na Capes. 

Tem experiência na área de Sociologia, com ênfase em Sociologia do Conhecimento, atuando principalmente nos seguintes temas: formação de recursos humanos, políticas científicas, grupos de interesse. Profissão que exerce nos dias de hoje, com muito sucesso, em Brasília. 

Gato era um verdadeiro líder nos meios esportivos do bairro. Por isso, era respeitado e reconhecido pelo trabalho que apresentava. Foi dirigente do time e fez uma boa administração e como também figura de destaque no meio educacional da nossa terra depois de formado em Engenharia. 

Pois é amigos o Gatinho foi atrás de novos horizontes indo morar em Brasília. Distante de sua terra, era lembrado com saudade por amigos e familiares. Mas, ficou sendo uma figura lembrada em nossas rodas de bate papo no bairro. Todo fim de ano, Gatinho vem a Campina Grande para rever a família e os amigos. 

Finalizando digo o seguinte ao amigo Gatinho - Um dia a maioria de nós se separamos. Sentimos saudades de todas as conversas jogadas fora, as descobertas que fizemos dos sonhos que tivemos dos tantos risos e momentos, as partidas, viagens para jogar fora de cidade que compartilhamos... Saudades até finais de semana, de finais de ano, enfim... Do companheirismo vivido... Sempre pensei que as amizades continuassem para sempre... Hoje depois de mais de 60 anos não tenho mais tanta certeza disso. Pois cada um vai pra seu lado, seja pelo destino, pelo trabalho, segue a sua vida, talvez continuemos a nos encontrar, quem sabe... 

Depois desta pequena homenagem seus filhos e os meus não dirão mais ou verem algumas antigas fotografias suas e minha e não mais perguntarão: Quem são estas pessoas nas fotos. Diremos que eram nossos amigos. Foram meus amigos de infância, foi com eles que vivi os melhores anos de minha vida!

Um grande abraço do seu amigo/irmão

Jobedis

Algumas fotos do jogador, desportista e professor Geraldo Nunes Sobrinho:

                                     ASPIRA DO EVERTON DE 1969
Gatinho é o quinto jogador em pé depois do goleiro e seu irmão Chó


GATINHO É O QUARTO JOGADOR EM´PÉ



                            Gatinho dando uma palestra na Coreia

  Gatinho numa Audiência Publica participando da mesa de debates







2 comentários:

Anônimo disse...

Jobão, amigo meu irmão, cara que maravilha, Gatinho faz parte de uma amizade que nos faz lembrar só coisas boas...tem melhor? "racha a noite na quadra do Treze", "nas tardes da semana o famoso jogo de baralho lá no pequeno quarto nos fundos da casa dele"...olha amigo Gatinho, nunca poderia esquecer tudo isso...e numa noite lá no racha da quadra do Treze, vc olha pra mim e fala: ei Jonas "DIDI", aí acho ter sido vc junto ao Jobão que colocaram esse carinhoso apelido que até hoje me sindo feliz por ser assim chamado pela galera amiga, olha faz um tempão mesmo que não vejo o amigo Gatinho, mas graças temos aqui vc Jobão, para nos presentear com essa postagem e a gente poder matar as saudades de uma grande figura humana que é esse nosso amigo.

Esteja vc amigo...com muita paz e saúde junto aos seus familiares.

abs, Jonas didi

Anônimo disse...

mas...graças a Deus, temos vc aqui Jobão, quis dizer...

abs, Jonas didi

Postar um comentário