sábado, 20 de abril de 2013

REMINISCÊNCIAIS DO MEU TEMPO DE ATLETA

POR: JOBEDIS MAGNO DE BRITO NEVES


  Tenho uma frase que soa latente no meu coração e que mentalmente vivo sempre a repetir: enquanto mais conheço outros lugares, mais eu amo a terra onde nasci – o bairro do São José de Campina Grande. Isto é tão forte dentro de mim que eu resolvi escrever coisas da minha reminiscência no referido bairro, da minha infância, da minha pré-adolescência e já adulto, quando eu de lá saí.
Naquela época o bairro São José era cheio de atletas de diversos esportes, e o mais praticado, claro, era o futebol. Futebol de poeira ou de Salão (hoje o futsal), que era jogado na quadra do Treze e depois na quadra do Ginásio da AABB.

Mas, o mais emocionante, o mais apaixonante era o futebol que jogávamos nos campinhos do bairro. Eram muitos os campinhos, mas, aqui destaco a existência de três que eram essenciais no âmbito da preferência das galeras e dos jovens esportistas da época: O campo da perua,  o campo que ficava ao lado do Parque infantil e o que ficava ao lado do hospital do Ipase.
Depois com o esgotamento do Açude Novo rachávamos no chamado campo do Bacião que ficava perto no leito seco do açude.  

Nesses campos as peladas eram inflamadas, a platéia era atenta e os craques mostravam seus potenciais.  Eram muitos,  havia mesmo verdadeiros  craques de bola, que eu poderia concluir este artigo só enumerando-os, mas, para fugir da injustiça que cometeria quando tentamos abarcar um universo tão grande vou deter-me àqueles que no meu entendimento formaram o mais significativo, o mais brilhante time de pelada da minha época.

Com tantos craques, com tantas pessoas apaixonadas pelo futebol, com tantas crianças e jovens cheios de energia, nada melhor que canalizar essa energia para o esporte, melhor falando, para o futebol.


Formaram-se assim os torneios e campeonatos suburbanos de nossa cidade. Cada bairro representados por alguns times.



Nosso time chamava a atenção de todos, pela sua formação: de grandes craques a começar pelos nossos goleiros Amigo da Onça e João Batista) na defesa o amigo que digita este texto o Jobedis, Ademir, Son e Martinho na zaga.Nenem e Chininha e na linha de frente, Picole, Tonheca, Valdinho Carapuça e Fernando Canguru.


Tinha ainda o Pedro Sandu e o Chiquinho , que eram jogadores de qualidade mediana, mas, com uma garra e determinação ímpares, que aliadas ao fato de detestarem a derrota, os tornavam monstros sagrados. Mas, nada, nada mesmo se comparava com os geniais dribles, passes, tabelinhas e gol feitos pelos nossos craques citados na nossa linha de frente. Estes eram craques de altíssima categoria, para classificá-los poderíamos criar uma categoria extra, que os diferenciasse dos demais.


Realmente a equipe do Everton Tri campeã da cidade constitui na história de futebol de pelada de nossa cidade, um capítulo à parte, uma vez que se tratava de uma equipe pra lá de genial. Eram realmente craques da bola, eram mestres em todos os fundamentos – passe, drible, chute com bola parada (faltas e escanteios), cabeceios e tudo mais.


Donos de dribles inusitados, passes sensacionais e fenomenais gols de placa. Alvos da perseguição implacável dos adversários sempre propensos a anulá-los por meio de pancadas, não raras vezes desleais.


Por isso, alguns dos nossos craques foram, enquanto atletas,  craques de pernas sempre mapeadas com as feridas das pancadas, contusões e outras escoriações correlatas.  Mas, o tempo é mestre em dissolver as alegrias da nossa adolescência, embora nos deixe as reminiscências. Deste time, em Campina Grande  ainda residem em nossa cidade:; o Jobedis, Son. Ademir, João Batista, Nenê, Picolé, Pedro Sandu, Tonheca e Valdinho Carapuça os demais se mudaram para outras cidades deste Brasil para exercerem suas profissões.


Quero neste singelo e humilde texto, prestar a minha homenagem àqueles que foram irmãos para mim: Son, Nego Gilson, Fernando Canguru, Pedro Sandu, Ademir, Valdir Ventinha, Nenê, Cho, Jonas Didi, Tonheca, Valdinho Carapuça, Ze Menonca, Tadeu Bundinha,  China entre outros. 

Quero deixar uma pequena homenagem para o ídolo maior o nosso nosso treinador Fuba Véi (que  já merecia ser nome de rua na nossa terra). Um amigo, um irmão, pessoa com a qual tive a oportunidade de compartilhar grandes momentos, de aprendizado inclusive, e não é à-toa que neste momento enquanto concluo este texto meus olhos umedecem. Meu querido Fubão, você que já está na saudade entre nós, deixou uma lacuna irreparável no futebol de pelada de nossa cidade, porque além de não poder mostrar e contar para as futuras gerações os seus feitos, não nos resta qualquer arquivo além da falha reminiscência que neste momento usamos para expor este curto relato da tua passagem pela terra.


Por tudo, formalizamos a Deus o pedido para que Ele, o Altíssimo, sempre te ilumine onde quer que estejas na certeza de que iluminarás todos os lugareas por onde passares, inclusive o céu, tal como o fizeste nos campinhos de Pelada de nossa Campina Grande e demais lugares em que tu marcaste a tua vivência entre nós.


Obrigado aos amigos e ex-jogadores do nosso grande Everton por comentarem.

FOTOS DE GRANDES AMIGOS NO ESPORTE:

















Glauco, Sabara, Marcos Katta e  Jobão

3 comentários:

Anônimo disse...

Faço de suas palavras as minhas. Já andei por outros lugares e não encontrei nada parecido com Campina Grande. Principalmente ao bairro do São José. Hoje já sexagenário tenho 6.3 e vou completar 6.4 no próximo mês de julho no dia 22. Moro no Cruzeiro ao lado do QDoca Bar e Restaurante e todos os dias da semana passo no São José quando me dirijo ao trabalho (Pirelli), não tem como esquecer do banco da praça, do bar Cristal, da lanchonete do Sr. Feliciano, do Ginásio da AABB, do Bacião, do Cine São José (gerente pavio curto, Assis), da casa onde morei e que já não mais existe, em seu lagar está sendo construído um condomínio. E dos inúmeros amigos que fiz ao longo de minha existência. A vocês todos os meus sinceros agradecimentos. Principalmente àqueles que jogaram comigo.
Abraços

Vadinho

Anônimo disse...

Jóbedis um dos mais ecléticos atletas de Campina Grande!
Marinaldo

Anônimo disse...

Jobão amigo meu irmão...de fé camarada e de tantas jornadas.
Olha, nunca nos separamos...apenas trilhamos caminhos diferentes.
O que dói e a saudade, mas como vc mesmo já citou, as vezes faz bem ao coração, o meu tem o bastante para ser feliz, "ser teu amigo" e sendo seu amigo,minha amizade é extensiva a todos que fizeram parte desta "galera".
Amizade que transcende no tempo!!!

Jonas didi, abs

Postar um comentário