terça-feira, 6 de novembro de 2012

A MEMÓRIA DO ESPORTE, ONTEM E SEMPRE...

POR: JOBEDIS MAGNO DE BRITO NEVES


Em décadas passadas em Campina Grande o futebol de pelada a tinha muitos times e uma rivalidade muito grande na cidade em torno do futebol. O romantismo imperava. A cidade expandia-se, urbanizava-se. No futebol, iniciava-se a multiplicação dos clubes pelos bairros. Alguns times  resistiram outros foram extintos. A partir deles explica-se a cidade. Sem eles, tudo seria mais difícil.

Os  anos passado tem remexido o baú de recordações dos antigos jogadores dos  clubes e trazido lembrança de um passado às vezes distante, outras bem próximo; e a o Museu Virtual do Esporte de Campina Grande também vai escrevendo a história. Com isso, ganha a Memória.

Clubes coirmãos da nossa  geração, forma um caleidoscópio da saudade que resiste - e que estimulou o surgimento de tantos clubes mais. Um dos nossos projetos mais particulares é reeditar o nosso primeiro livro, o da formação dos bairros do São José que estou revisando para editar e lançar  a partir do registro dos clubes de futebol que preservam, anonimamente, a nossa várzea.

ALGUMAS FOTOS DE ARTISTA E TIMES DO PASSADO:






JOBEDIS, MARIBONDE E BEBÊ (I.M)

ASPIRA DO EVERTON  68

ESTE MARCADO É O GRANDE ZAGUEIRO SON QUE BRILHOU NO TREZE

Um comentário:

Anônimo disse...

Meu querido amigo e irmão Jobão, aqui você sempre nos mostra com uma sensação de saudade um tempo vivido.
Não podemos mais reviver certos momentos, mas o melhor de você é que não existe individualismo, seu tempo é nosso tempo...é exprimir o mesmo sentimento quanto a saudade e boas lembranças desse tempo maravilhoso.
Você desperta a nostalgia com estas imagens aqui postadas de tantos amigos queridos que compartilharam momentos lindos e inesquecíveis, essa foto, a qual eu não tinha conhecimento,Eu Vc. e Som, viajei no tempo e numa inspiração e com profunda emoção..eita meio de campo nota 10, tenho certeza que esse dia ficou marcado, jogamos muito.

Nostalgia pode ser sinônimo de tristeza, aqui a gente se emociona, chora, mas a alegria também bate forte no coração...é viver eternamente o presente.
Abs, seu irmão Jonas didi, amigo de fé, e tantas jornadas.

Postar um comentário