quinta-feira, 29 de novembro de 2012

TUNEL DO TEMPO - VASCO EM CAMPINA GRANDE

POR: JOBEDIS MAGNO DE BRITO NEVES


Quando iniciei minhas matérias no Museu do Esporte de Campina Grande, a prioridade era fazer, rever e relembrar aos leitores as histórias do esporte amador, porem não esta havendo muita interação por parte de antigos atletas em remeter fotos e historia. Para não correr o risco de descontinuidade, fui pesquisando e encontrando materiais históricos e fotos marcantes do nosso futebol do passado, que com certeza o jovem de 20 anos nunca visualizou ou só escutou nos relatos dos familiares mais idosos. Recebi algumas fotos do amigo GILVANDRO GUERRA da vinda do Vasco da Gama na década de 60 para jogar uma partida amistosa em nossa cidade contra a equipe do Treze.


A chegada do Vasco da Gama  para jogar contra o Treze na década de 60

Eram muito comuns as excursões de grandes clubes pelos gramados do Brasil e do exterior. E a Paraiba e em especial Campina Grande não ficava fora do mapa. Por aqui passaram grandes times e muitos ídolos, sem a necessidade do torcedor paraibano ficar esperando, uma vez por ano, quem vai ser o adversário que vem jogar pela Copa do Brasil.

O Vasco da Gama jogava pela primeira vez em Campina Grande. No Presidente Vargas, antes da bola rolar, a confraternização foi a ponto dos dois times posarem juntos para a fotografia. O Zagueiro campeão mundial Belini (Foto) que não pode jogar porque estava contundido posou com a réplica da taça Jules Rimet.

Além de Beline, o Vasco trazia outros ídolos do futebol brasileiro, como o Campeão do mundo Orlando, os Ponteiros, Pinga e  Sabara, o centro avante Delém, o ponteiro Pinga entre outros conforme foto abaixo:

            TIME DO VASCO DA GAMA QUE JOGOU CONTRA O TREZE

Após o apito inicial, acabou a cortesia e o time do Treze quase não deu chance para o time vascaíno. O time do Treze, pelo fato de reunir seu grande elenco de grandes jogadores, já era uma grande atração. Pela primeira vez, o Vasco enfrentava um time paraibano e na cidade de Campina. Sem falar que os torcedores paraibanos do Vasco também teriam a oportunidade de ver, juntos, do mesmo lado, seus principais ídolos.

Quando a bola rolou, diante de 10 mil pagantes, o que se viu foi um jogo bem equilibrado no primeiro tempo, quando o Treze tomou conta do jogo e abriu a contagem com o grande jogador Ruivo. O Vasco buscou o empate e conseguiu seu objetivo através de Delém, a apenas 9 minutos do final.

Quem foi a campo assistiu a um espetáculo grandioso, no qual o excelente planejamento dos componentes da diretoria do Treze todos não mediram esforços para executar tarefas e mostraram para todas as pessoas que com união, organização qualquer outro tipo de evento pode ser realizado com grande êxito como foi esse que foi denominado pela imprensa na época como a “Uma grande Festa” em nossa cidade.

OUTROS CRAQUES QUE JOGARAM ESTA PARTIDA:

9 comentários:

Anônimo disse...

Jobão amigo meu, que beleza,
é reviver mesmo que só na lembrança, um momento marcante no futebol e ainda melhor por ter sido em nossa Campina Grande, em especial para quem torce pelos dois times...parabéns.

Jonas didi

Celso Smith (Esteio RS) disse...

Caro Jobedis Magno
É muito legal poder acompanhar seus textos na WEB, pois considero-te como um profissional bem capaz, expondo suas opiniões de forma clara e coerente, contribuindo para a melhora da difusão do esporte desta grande cidade que eu conheci e me apaixonei que é Campina Grande,
Valeu mesmo, primeiro por ser vascaino com eu! Continue com esse trabalho exemplar.

Sergio Dourado disse...

Fala Jobão
Agora vou estar antenado com as novidades do seu blog! Parabéns.
Abs.
Sérgio Dourado Duarte

P.s.- Sigo para a cidade do Porto em Portugal em de férias e rumo ao Doutorado, depois te envio as novidades.

Helton Simões disse...

Cara amigo jobedis

Parabéns pelo seu trabalho e por inovar na crônica campinense implantando algo inédito acho no nordeste no seu blog. Admiro o seu trabalho, e as suas opiniões a respeito do futebol são sensatas.

Anônimo disse...

Adorei seu blog, agora sim poderei entender um pouco mais de futebol.Sou sua fâ, adoro seus comentarios e vc é um exemplo de profissional que respira 24 horas o jornalismo.
Abs!!
Michelen Farias

Ze Neto Silva disse...

Prezado Jobedis
parabéns pelo blog.Admiro seu trabalho e a sua forma de ver o futebol do nosso estado.Sou trezeano e vascaino,mas pouco vou ao estádio,prefiro ver o nosso Vascão pela TV, do que o sempre projeto de time que o Vasco presenta.Acho que o futebol xampinense tem salvação e essa só poder ser o respeito as categorias de base.

Andre Lima Cavalcanti disse...

Jobedis
Não sei do que está falando, pois neste blog não há filtragem ou veto a qualquer opinião. Pelo contrário, tenho visto aqui alguns comentários (poucos, é verdade. Jamais censuraria a opinião do leitor-torcedor-internauta, pode estar certo disso. Por princípio e pela natureza profissional sou visceralmente contra qualquer forma de censura. Sou capaz de brigar pelo direito de alguém expor suas ideias, mesmo que elas se confrontem com as minhas. Sou, acima de tudo, um democrata – e acho que é uma condição natural de quem abraçou ser pesquisador como causa de vida.

Anônimo disse...

Jobedis, eu não sei se tu sabes o que era neste tempo do jogo do Vasco, a palavra: COLAR, eu era da turminha do vamos colar hoje, ou seja, não tinhamos dinheiro para comprar ingresso para assistir ao jogo, então só nos restava COLAR, que era subir a parede do Presidente Vargas ou do Plínio Lemos, por fora, e cair dentro do estádio, além de ter que correr para arquibancada, não ser pego pelos vigias.Josélio.

son. disse...

jobã0;parabéns pela h0menagem ao nosso querido vascão.

Postar um comentário