sexta-feira, 31 de janeiro de 2014

QUEM ERA CRAQUE - CHIQUINHO

POR: JOBEDIS MAGNO DE BRITO NEVES

Hoje o Museu do Esporte de Campina Grande faz uma pequena (e justa) homenagem a um ex-atleta que passou upelos gramados e quadras campinenses e que que deixou a sua história registrada nos anais do nosso futebol. Estamos falando do ponta direita Chiquinho que fez fama atuando por alguns clubes de futebol de campo e de salão de nossa cidade.

A história desse craque não havia sido ainda registrada pelas dificuldades de algumas fotos para registrar sua carreira esportiva em nossa cidade, dai a dificuldade em trazermos aqui ao leitor algumas fotos da passagem no esporte do passado na "Rainha da Borborema".


Em contato com sua esposa,  recebi via email umo pequeno texto  e fotos de sua vida esportiva que transcrevo abaixo, onde pudemos colher algumas informações e deixar um pouco sobre a vida e carreira do homenageado de hoje.

Francisco de Assis Ribeiro – CHIQUINHO, natural de Catolé do Rocha – PB, criou-se em Campina Grande à Av. Getúlio Vargas, No. 666 Centro, no Hotel Familiar do seu pai, o senhor José Joca Ribeiro.

Trabalhou desde cedo ajudando a família nas obrigações do Hotel, mas a paixão dele era mesmo a BOLA, o esporte. Jogava sempre que podia e jogava muito! Ainda criança, aos 13 anos, foi campeão pelo time do América em sua cidade natal, Catolé do Rocha.

Em Campina Grande, estudou no Colégio Estadual da Prata onde participou ativamente de várias atividades esportivas: Handebol, atletismo, futebol de salão, futebol de campo, etc. Foi campeão com a equipe de Futebol de Salão contra o Colégio XI de Outubro. Participou sempre das Olimpíadas Escolares e depois Universitárias.

                           Chiquinho é o quarto jogador agachado

Destacou-se jogando futebol, despertando a atenção do professor de matemática Arnóbio (Noba?!) que o levou para participar da equipe de futebol do ESTUDANTE. Jogou também em outras equipes a saber: a) no time TIC-TAC, futebol de salão, juntamente com Valdir Tomé (Ventinha) onde ganharam o Torneio Início, invicto. 

Chiquinho tmbem jogou no  Real Campina, juntamente com Eraldo, Chicó, Danda, Gilson e no time da Juventude N.S de Fátima no bairro da Palmeira, futebol de salão com Eraldo, Alex, Fernando, etc. 

Foi jogar várias vezes em Paulo Afonso , participou da inauguração do estádio, juntamente com Jobedis, Marcílio, Robertão, Franklin, Nego Gilson, conforme foto abaixo:

Chegando a ser convidado pelo Sr. Lamir Mota e o técnico do profissional a jogar no Campinense, onde participou ainda de alguns treinos e viagens. Mas optou, nesse momento, pelos estudos. 

Formou-se em Engenharia Elétrica pela UFPB, em 1977. Casando-se em seguida com a também Engenheira Eletricista, Magna Coeli, e indo trabalhar na Bahia, juntamente com a esposa, primeiro na CEMAN- Central de Manutençao do Polo Petroquímico de Camaçari e depois na COELBA- Companhia de Eletricidade do Estado da Bahia, onde se aposentou.

Teve dois filhos, a Camila e o Gabriel. E hoje dedica-se ao estudo da Doutrina Espírita e trabalha, voluntariamente, na FEIS – Fraternidade Espírita Irmã Sheila.

Outras fotos do atleta e cidadão Chiquinho:




         CHIQUINHO COM FAMILIARES





cHIQUINHO E SUA ESPOSA MAGNA




COMO NESTE 01/02 DE 2014 É SEU ANIVERSARIO QUERO LHE DESEJAR


CHIQUINHO - Que Deus lhe proteja, dando-lhe paz, amor, saúde e felicidade. Que os anos que se somam à sua vida não sejam um peso, mas sim que façam parte de uma infinita conta de novas experiências que te fazem crescer e aprender a viver cada vez melhor.
Do seu amigo
Jobão


14 comentários:

Osvaldo Pereira Vadinho disse...

Nada melhor do que celebrar as verdadeiras e grandes amizades. Nada melhor do que compartilhar momentos bons. Esse é o grande ponta direita Chiquinho.

Anônimo disse...

Grande amigo Chiquinho um craque um excelente ponta direita qto tempo amigo.... um grande e forte abraço................... Paulinho do Real Campina onde jogamos juntos por vários anos.

Anônimo disse...

Chiquinho e Magna Coeli, amigos de longas datas, mais precisamente do tempo do Colégio Estadual da Prata, onde concluímos o curso Científico. Depois, aprovados no vestibular da Escola Politécnica, iniciamos o curso de Engenharia Elétrica em 1973 e concluímos em 1977. Foram quatro anos e meio de muito estudo e boa convivência.
Joguei algumas vezes ao lado de Chiquinho. Gostava da forma elegante como ele tratava a bola.
Depois que ele e Magna foram morar em Salvador, poucas vezes voltamos a nos encontrar, mas nesses reencontros sempre soubemos celebrar a nossa amizade. Pois, as verdadeiras amizades são assim, a distância não consegue desfazer os laços afetivos.
Valeu, Jobão!
Aos amigos Chiquinhos e Magna o meu abraço fraternal.
Benedito Antonio Luciano (Bené)

Anônimo disse...

Um cidadão exemplar em todos os aspectos.i Merece ser muito feliz junto com sua família.
Votos de Zezito e Zilda

Anônimo disse...

Jobão amigo meu irmão...o aniversário é do nosso querido amigo Chiquinho, mas que presente vc nos dar...rever esse amigo depois de tanto tempo é uma emoção sim...a foto da viagem a Paulo Afonso é marcante.
Chiquinho que bom ver vc firme e forte junto a linda família...que Deus te dê o poder de nunca desanimar e que a vida seja linda e sempre junto a quem vc mais ama.
A vida começa todos os dias...felicidades amigo, e um Feliz Aniversário.

Jonas didi

José Joaquim De Oliveira disse...

Chiquinho está de parabéns. Pela família que construiu, pelos filhos que educou e pelos amigos que cultivou. Mas os parabéns de hoje são diferentes; são pelo aniversário dele. Parabéns, Chiquinho.

Maria José Fernandes Machado disse...

Parabéns Chiquinho, que Deus te abençoe sempre, pelo dom de tua vida, junto a esta familia linda bjs

Bruno Barret disse...

o Parabéns Chiquinho! Vamos comer essa famosa Buxada de Bode em Recife!

Anônimo disse...

Amigo Chianca!!!
Enquanto algumas pessoas fazem de tudo para tornarem-se marcantes,outras agem
naturalmente e tornam-se inesquecíveis...Assim amigo,foi você!
Parabéns pela bela homenagem mais que merecida.
Eneida Donato.

Magna Ribeiro disse...

Caro amigo Jobedis,
Sou muito grato pela homenagem recebida hoje. Fiquei muito feliz, emocionado até com os contatos que a sua publicação me proporcionou no dia de hoje. Muitas demonstrações carinhosas de pessoas amigas que há muito tempo não via! Que Deus abençoe você e toda a sua família. Na vida nada eh por acaso...voce foi uma benção de Deus no meu aniversario hoje. Um grande abraço do seu amigo de sempre. Chiquinho

Paulo Ribeiro disse...

Tive a oportunidade de jogar com meu tio uma única vez, futsal em Salvador, no condomínio onde ele morava , já estava naquela fase de jogar um dia e descansar cinco ! Jogador muito técnico , técnico demais Kkkkkk falava pra caramba! Momento inesquecivel que ficou na memória pelo respeito que tenho como referência que és para mim!

Solange Costa disse...

Linda homenagem!!! Parabéns tio vc merece todo reconhecimento de um homem guerreiro batalhador e q formou uma familia linda

Anônimo disse...

Jogador rápido e bom de bola! Um excelente caráter.
Marinaldo

Anônimo disse...

Amigo Chiquinho,
Parabéns!
(Obs: leia as duas primeiras palavras do próximo parágrafo devagar, com cuidado, pois sei que você conviveu na Coelba por bastante tempo com o nosso amigo Ademário – “Boi Tungão”).
Por tabela, cumprimento a nossa colega Magna, seus filhos, o mestre Jóbedis e demais amigos que já se manifestaram nesta justa homenagem. Aproveito também para solicitar que transmita nossos cumprimentos aos colegas “soteropolitanos”.
Esse árduo e profícuo trabalho de Jóbedis, tem nos proporcionado “reencontros emocionais” com um passado nem tão recente porém bastante feliz. Passa na memória alguns “filmes”, a exemplo de: 1) quando estudávamos (você, Gilson Fubinha, Luciano Lamarque e eu) na sua residência, na rua Siqueira Campos, vizinha ao Posto de Gasolina de Seu Jaime; 2) a viagem (acho que foi em 1976) que fizemos para jogar (vôlei, futebol de salão e futebol de campo) em sua terra natal, Catolé do Rocha, onde lembro de passagens como do nosso amigo Chicó imitando um padre no restaurante e dizendo “Irmãos, agora vou ler uma parte da Bíblia, constante em Coríntians 4 Palmeiras 3!”, bem como de quando no jogo de futebol de campo no domingo, um dos nossos atacantes acertou o travessão e nós que estávamos assistindo à partida ouvimos alguém gritar “Se ganharem o jogo não saem vivos daqui!”, ao nos virarmos para identificar quem tinha dito vimos que se tratava de uma mulher de baixa estatura (por volta de 1,5 metros) mas braba que “só um siri dentro de uma lata”, que eu me lembro esse jogo saiu empate.
Bons tempos!
Só para manter informações atualizadas, também nos aposentamos e vivemos em Recife (eu, Gioto, Luciano Lamarque, Gulherme Vilar, dentre outros).
Um grande abraço a todos,
Nereu Neto

Postar um comentário