sexta-feira, 7 de setembro de 2012

ANIVERSÁRIO DE 87 ANOS DO TREZE FUTEBOL CLUBE

POR: JOBEDIS MAGNO DE BRITO NEVES


Nesta homenagem o Museu do Esporte de Campina Grande pede licença aos leitores e internautas em geral, para parabenizar um clube que é um símbolo da nossa cidade - O TREZE FUTEBOL CLUBE, que comemora nesta sexta feira dia 7 de setembro de 2012, 87 anos de sua fundação. Ao longo dos quase nove décadas, o ”Galo da Borborema” se consolidou como um dos mais importantes times do futebol do Nordeste.
O Treze Futebol Clube surgiu do carinho e da paixão pelo futebol de treze desportistas.  Alberto Santos, Osmindo Lima, Olívio Barreto, Zacarias Ribeiro, José Casado, Plácido Veras, José de Castro, José Eloy, José Rodolpho, José Sodré, Amélio Leite, Luiz Gomes e Antônio Bióca reuniram-se naquele dia, na residência do último, com o propósito de fundar uma sociedade esportiva. 
O nome foi uma proposição de José Casado, fundamentada no número de sócios que haviam assinado a primeira ata. Já as cores foram propostas por Plácido Veras. 
A história do Treze é grandiosa, não podendo ser resumida em poucas palavras. De modo detalhado, Contudo, neste espaço, para que o internauta tenha apenas uma idéia da importância do "Galo da Borborema"  no cenário esportivo do Estado, faremos uma pequeno relato, capaz de transmitir a magnitude da sua história: 
Quem poderia imaginar esta equipe (Foto abaixo):
modesta, idealizada por Antonio Fernandes Bioca e 12 amigos iria sobreviver todos esses anos? Ao longo de sua história, enfrentando todas as adversidades, o Treze Futebol Clube marcou seu nome, alternou períodos, viveu e venceu.
Desde sua fundação mostrou ser um clube voltado a massa popular, com uma torcida fanática e apaixonada. Um clube que acompanhou a transformação da cidade e do mundo no mais avançado século de todos os tempos, vendo o crescimento do homem através da tecnologia. Um clube que conquistou grandes vitórias e grandes títulos, tendo jogadores formados em seus quadros ou que vestiram a sua camisa, brilhando pelos campos espalhados pelo Brasil. O tempo foi passando e o Treze foi se superando, muitas vezes com dificuldade ele sobreviveu.
Treze Futebol Clube tem uma história que orgulha os seus torcedores e a cidade de Campina Grande.  Neste espaço pretendo recordar personagens da história do famoso “Galo da Borborema”, como grandes jogadores que passaram pelo Galo e grandes dirigentes que ficaram marcantes na vida do Clube. Esta homenagem  visa em primeira linha despertar recordações, mas também desta forma contribuir para a preservação da memória do grande time.
O primeiro time de vôlei do Treze e o titulo
A diretoria do Treze na época na pessoa de Dr. Guedes, que batalhou e conseguiu construir uma quadra de  Voleibol  e com iluminação do Treze Futebol Clube, na parte que ficava  para a rua  D. Pedro I, na entrada Principal da época (CONFORME FOTO)/
 A inauguração da Quadra foi festejada com um torneio intermunicipal patrocinado pelo Treze, entre o Coqueiral, Treze,  Campinense, de Campina Grande  e  um time de João Pessoa, o Cabanado veterano Bel que nunca tinha perdido para um time de Campina.  O Foi  Campeão o  Treze,   que na primeira partida venceu o Coqueiral por 2 a 0 e disputado a final com o Campinense, vencendo  por 2 a 1 (foto Abaixo):
O campinense havia vencido o Cabana também por 2 a 1.   O torneio foi realizado no sábado a noite, e no domingo pela manhã,   um combinado formado por Treze e  Campinense,  venceu o Cabana.
Como é bom pra alma de desportistas ver essa imagem acima, a antiga entrada do campo do Treze e sua  quadra de esporte. Mais para que isso fosse realidade muita luta teve que ser travada. Diariamente os responsáveis pela obra, eram dezenas de trabalhadores que dia a dia fazendo chuva ou sol estavam todos entregues para a conclusão da obra. 
Acompanhei os melhoramentos do campo, pois desde a década de 50, pois nasci no bairro do São José e na adolescência jogava bola diariamente na quadra onde hoje tem uma funerária e uma pizzaria. 
Nossa turma de jovens do bairro fez amizade com seu Biu funcionário do clube e tivemos a felicidade de sermos uns dos primeiros a jogar uma partida de futebol de salão na referida quadra de esporte do clube.
Primeira Grande excursão pelos gramados do Brasil
Em abril e maio de 1962, o Treze realizou a mais longa excursão de sua história, jogando em 5 Estados (Amazonas, Pará, Maranhão, Piauí e Ceará) e 1 Território (Amapá). Disputou 22 partidas contras as principais equipes da região, obtendo 14 vitórias, 1 empate e 7 derrotas. Marcou 54 gols e sofreu 29; seu artilheiro foi Santos, com 10 tentos.  
Simplesmente o Treze deu show e encantou a todos os alagoanos, baianos, amazonenses, sergipanos entre outros, que não acreditavam que existia futebol de 1ª categoria em um time do interior da Paraiba.
Nestes 87 anos de vida, o Treze ganhou uma nova geração de torcedores, muito deles movidos pela grande paixão dos pais, outros por simples questão de opção.  Cada qual carrega consigo uma marca e uma força muito grande, uma vontade de vencer invejável, um sonho e, acima de qualquer coisa, o grande orgulho de ser um “trezeano”. Nas fraquezas e nas conquistas, nas derrotas e nas vitórias, saem às ruas, envoltos em bandeiras e vestindo a camisa do seu time do coração, estampando no rosto a alegria de ser um torcedor do Galo da Borborema. Mesmo ganhando, mesmo perdendo, trezeano de coração!
Com muito respeito e reconhecimento, a todos aqueles que trabalharam e que ainda trabalham pelo clube, aos diretores do passado e aos atuais dirigentes, aos funcionários aposentados e os da ativa, aos ídolos antigos e a todos os jogadores que pelo Treze  passaram, aos treinadores, auxiliares, massagistas, médicos, roupeiros, aos gandulas, as lavadeiras, cozinheiras, faxineiras, aos vigias do campo,  aos porteiros e aos maqueiros, aos cronistas esportivos dos jornais, rádio e televisão, destacando sempre o Treze Futebol Clube. Aos inúmeros torcedores que desse mundo já partiram, aos dirigentes e políticos que entenderam que o Treze é um patrimônio da cidade, e finalmente a todos que de alguma forma apoiaram,  apóiam, respeitam e admiram o glorioso Galo da Borborema. Um clube de expressão,  que superou o tempo com tradição, com garra e com determinação. Um clube vitorioso e que sobreviveu algumas derrota e que enfrentou fortes adversidades.
Hoje nos seus 87 anos, pouca coisa se compara ao futebol de alguns anos atrás. Vivemos uma realidade diferente, tempos em que o investimento e supervalorização passaram a ser fatores marcantes no futebol.  Hoje o Treze não tem mais um simples time de  futebol, mas um patrimônio da cidade. Tem um campo próprio moderno e aconchegante, um dos maiores motivos de orgulho dos torcedores que o ajudaram a construir (CONFORME FOTO):
Os dirigentes e jogadores não precisam mais correr atrás de campo e descobrir onde será o treino. O Treze tem um centro de treinamentos “modelo” dentro da cidade, também um dos seus grandes orgulhos. Lá se foi o tempo em que tinha uma torcida eufórica e barulhenta, hoje tem muito mais que isso, tem uma grande nação, responsável também por grandes feitos e grandes realizações do  clube, aliás, vale destacar que a torcida é fantástica!
Grandes jogadores, dirigentes e treinadores
Ao longo de 87 anos, grandes times foram formados no Treze FC e extraordinários jogadores defenderam a camisa preta e branca. O clube sempre foi um celeiro de craques, revelando para o futebol Brasileiro uma gama de jogadores de excelente nível técnico. O time do Treze teve gerações fantásticas. Na década de 50 (Quem é desse tempo não esquece) o clube criou mitos entre os quais o goleiro Harry Carrey (foto)  e o zagueiro Uray.  O pouco que sei do antigo Treze Futebol Clube é o que me foi contado episódicas vezes por irmãos e amigos mais velhos. Sobre o goleiro Harry Carrey todos que o viram jogar afirma que foi o maior de todo um verdadeiro fenômeno, ágil, elegante e agarrava tudo. São poucos os da nova geração que têm conhecimento de quem tenha sido esta figura que marcou época no futebol campinense. O máximo que sabem é que foi o maior goleiro do Treze. Outro mito é o zagueiro Uray, que até hoje é lembrado como símbolo da garra e da virilidade do futebol paraibano, conquistou vários títulos profissionais pelo time.
O Treze tinha também na sua zaga com Arrupiado e Zé Pequeno, um meio-campo formado por João Luiz e Ruivo. Este abastecia o ataque e tornava os atacantes artilheiros nas vezes que jogassem. Um grande ataque com o ponteiro Marinho  com seu futebol alegre e eficiente, partindo com a bola dominada, rápido, pra frente, era vigoroso, decidido, incomparável nessa característica. Tinha tambem o "genial goleador" Mario Buchudo e os lendários Araújo e Ruivo e Josias . Esse era o ataque dos sonhos que fez história na década de 50. Desequilibravam qualquer zaga; Teve também o habilidoso Nego Bé (jogou no Santos com Pelé), o ponteiro esquerdo Hercílio de chute forte, drible simples e vistoso, a criação repentina.
Outros craques
Quem esquece craques como: O grande ponteiro Gilvan, a  dupla Bola Sete e Pedro Neguinho; o rápido Rui; os  artilheiros Saquinho,  Delgado  e Santos que jogava simples e objetivo na direção do gol. O Galo teve artilheiros de campeonatos brasileiros e paraibanos, grandes goleiros, zagueiros lendários e inclusive, jogadores que chegaram a atuar pela Seleção Brasileira de Futebol - o  Rinaldo, que saiu do PV para fazer fama no Palmeiras e logo em seguida na Seleção Brasileira, grande jogador. Tinha o  Germano, que foi um dos volantes mais técnicos que passaram pelo futebol paraibano. Desarmava como poucos e jogava de cabeça erguida.  RAUL BETANCOURT meia esquerda dos bons. Quem  o viu jogar vestindo a camisa do Galo atesta que o uruguaio Raul Betancourt, foi um dos grandes jogadores de fora que  atuou no futebol paraibano. Armador cerebral, Betancourt dava o tom do jogo, dosava o ritmo do time e, além disso, liderava a equipe, pela seriedade e serenidade. Atuou pelo Treze nos anos 60. O grande Soares meia esquerda dos bons. Miruca grande ponteiro que depois brilhou no São Paulo, o Assis Paraíba jogador de elegância e precisão, um leve toque por baixo da bola, que caia dentro do gol. Os goleadores João Paulo ( Raçudo, catimbeiro e muito habilidoso, João Paulo chegou no PV na decada de 70 e logo se tornou artilheiro e  ídolo da torcida) e  Adelino - o Leão do Galo, os grandalhões Fernando Canguru e Joãozinho Paulista, que fizeram belos gols de cabeça. Os bons laterais Son e Heliomar, entre outros. Da era contemporânea o principal sem dúvida nenhuma foi o artilheiro Rocha, que ajudou o Treze a conquistar o título em 1989, e firmou-se como o principal artilheiro de estaduais deste mesmo ano. Bem depois, vieram outros bons jogadores, como os goleiros Azul e Erico, Beto, Wagner Diniz, Alison.
Bom também em outros esportes
Sem esquecer tambem das brilhantes participações nos esporte amadores, Voley, Basquete e Futebol de Salão, deste ultimo sou oriundo, e lembro de títulos e colegas. Os trezeanos recordam a fase áurea do Futebol de Salão quando o Treze armou uma das  mais fortes equipes de Campina Grande, que conquistou campeonatos e torneios dos mais diversos, durante a década de 60 e 70. Atletas talentosos como o arqueiro Humberto de Campos, Lêucio, Bolinha, Pedrinho, Aluísio, Petinho Mota, Hérmani, Jobedis, Cho, PC, Mario, Braulio Maia, Valdir Ventinha,  Chico Cateta, Toinho,  Natal, Mago Luciano, Nego Gilson, Geraldo Leal  e vários outros, deram, em suas atuações nas quadras de Campina Grande, inúmeros momentos de vibração à torcida trezeana.
Retratos da Saudade do futebol de salão

                                           Treze de 1967
Silvestre, Humberto, Elias Trojão e Chico Cateta. Tonheca, Betinho Mota e Aloisio


Estes grandes atletas do passado foram personagens de momentos únicos que andavam quase esquecidos, principalmente nestes tempos onde se fala tanto em atacantes e esquemas de ataque mais ofensivo nos clubes. Verdadeiros heróis no ato de jogar bola  ou impedir a bola de entrar no gol,  surgiram ao longo da história do Galo da Borborema. Do time atual ainda em formação não posso tecer nenhum comentários apenas o os atuais jogadores honrem esta valiosa camisa.
 Grandes Treinadores
Dos treinadores, eu era muito miúdo, mas lembro-me muito bem do  Alvaro Barbosa, uma simpatia para a criançada. Mas no aspecto desportivo, o melhor. Tenho lido e ouvido na rádio muitas histórias contadas a seu respeito. Não vou aqui reproduzir nenhuma, vou só dizer ele era o treinador principal, treinador de goleiro, preparador físico, psicólogo, olheiro, e ainda transportava o saco das bolas nos treinamentos. Mas também passaram outros grandes treinadores como: Eurivaldo Guerra (Vavá), Janos Tratray, Manoel Veiga (Mané),  Astrogildo Nery (Astrô), Pedrinho Rodrigues e Audírio Nogueira.  No seculo atual quem realmente mostrou trabalho foram o Mauricio Simões e Marcelo Vilar e no futebol de salão o Pai Vei.  Houve também aqueles treinadores que tiveram seus 90 minutos de fama, para, depois, serem esquecidos pela história.
Grandes dirigentes:
Hermínio Soares de Carvalho, Otacílio Timóteo de Souza,  Raimundo de Melo Luz, João Lyra Braga, Genésio Soares de Carvalho, Dr. Sebastião Pedrosa,  Dr. Raiff Ramalho, José de Almeida Torreão, Dr. Edvaldo de Souza do Ó, Dr. José Cavalcanti de Figueiredo, Almiro Cavalcante, Cristóvão Victor dos Santos, Mariano Torreão Vilarim, Dr. José de Araújo Agra, Evandro Sabino, Evaldo Sabino, Flávio Almeida, Olavo Rodrigues, Petrônio Gadelha, Marcelo Nóbrega e o atual Fabio Azevedo,  entre  outros.
Retratos da Saudade do  futebol

Adicionar legenda





                                                                         Treze de 1967


Finalmente gostaria que esta data gloriosa para todos os torcedores e dirigentes trezeanos, servisse principalmente de reflexão para perceberem, que as conquistas do passado servem apenas de referência para realizar no presente alguma coisa de melhor do que realizamos no passado. As organizações, assim como as pessoas, nascem, desenvolvem-se e desaparecem. Entretanto as organizações dirigidas e gerenciadas com competência se perpetuam.
Seleção do Treze de Todos os tempos
Finalmente peço aos responsáveis pelo site RHCG para abrir  um espaço para uma discussão, a seleção do Galo da Borborema de todos os tempos. Mas, antes, vai o time que gostaria de ter visto jogar um dia, a seleção do Galo, meu time dos sonhos. Observação: O critério é pessoal, são apenas os jogadores que vi entrar em campo. Eis a MINHA  seleção do Treze  de todos os tempos!
Waldemar, Son, Paulo Ricardo, Fraga e Eliomar, Germano, Soares, Assis Paraiba e Rinaldo, Adelino e Rocha. Dos que eu vi jogar é isso ai, mensões honrosas para, Helio Show, Delgado, Ibiapino, Zé Luiz, Chicletes, Mané entre outros.
Haverá espaço para as sugestões e comentários dos leitores. Afinal de contas, as opiniões dos leitores formarão o time dos sonhos e os maiores destaques do clube neste aniversário. Participe mandando sua seleção.

20 comentários:

JARBAS FERREIRA (EX JUIZ DE FUTEBOL disse...

A MINHA SELEÇÃO JOBÃO
KARRY CAREY, HELIO MARRECA E NELSON. GERMANO ARRUPIADO E ZE PEQUENO. LIMA, MARIO ARAUJO JOSIAS E RUIVO

JOSE COSME (SABARA) disse...

HARRY CAREY, HELIO MARRECA, URAY, HENRIQUE, PAULO RICARDO E NENZINHO. MIRUCA, JOSIAS ARAUJO ASSIS PARAIBA E ERCILIO

NILSON DE BRITO FEITOZA disse...

HARRY CAREY, FELIZ E URAY, JOÃO LUIS, ARRUPIADO E ZE PEQUENI. MARINHO MARIO, ARAUJO, RUIVO E HERCILIO

FRANCISO MENDES ( SASSA) disse...

HARRY CAREY, HELIO MARRECA E NELSON,GERMANO, GONZAGA E NENZINHO. ZEZINHO IBIAPINO, DE, ADELINO, RINALDO E JOSIAS

Anônimo disse...

Amigo/irmão Jobão, que beleza de homenagem, hoje digo apenas umas pequenas palavras que como sendo 7 de setembro, desfila em meu coração:
O Treze tem uma participação muito grande em nossas vidas, Eu, minha família, amigos e amigos de amigos meus, todos que torcem pelo Treze sabem o que é:
"PAIXÃO PELO GALO DA BORBOREMA" um sentimento de amor eterno!!!
Parabéns meu querido Galo.
Jonas didi

Jobedis Magno disse...

faltou sua seleção didi

Anônimo disse...

Amigo Jobão...faltou mesmo foi conseguir fazê-la diante de tantos talentos que passaram pelo nosso querido Treze, parabéns a todos vcs que postaram aqui as suas seleções... sinceramente falando, em cada posição vejo um, dois ou até mais jogadores inesquecíveis, sei que tenho e temos capacidade de fazê-la, mas....aqui vai:

BATISTA..E MAIS 10= que ficam eternizados por tudo que cada um mostrou seu verdadeiro talento num futebol em que a gente respirava melhor ao vê-los jogar, feliz por ter tido a oportunidade de ver tanta gente boa jogando..saudades, e muita!
Jonas didi

Anônimo disse...

E hoje, o meus parabéns não vai para uma pessoa, e sim para uma nação de torcedores e para o nosso time que represente a altura nossa Paraíba. Parabéns Treze Futebol Clube pelo seus 87 anos, de muitas vitorias e conquistas, onde sou muito orgulhosa de ter feito parte dessa historia, ter representado esse time que amo tanto, e que sempre vou carregar em meu coração esse momento magico, que é representar o time que você ama, e que escolheu torcer desde pequenininha....
E que venha muitos e muitos anos pela frente de muitooo sucesso.. e conquistas, porque nosso Treze mereçe!!!!!!!!!!! PARABÉNS FELICIDADES! #TrezeFC87anos

GLUCO KARDEC disse...

jobao a minha seleção do glo dos jogadores que vi atuarem:
WALDEMAR, SON E PAULO RICARDO. FRAGA E HELIOMAR. GERMANO SOARES E ASSIS PARAIBA. ADELINO, JOÃO
PAULO E FERNANDO CANGURU

Anônimo disse...

De Fernando Cangurú, Franca/SP.
Lembro-me pequeno, creio que aos 10 anos de idade, residia ao lado da igreja da Guia, no São José e, aos domingos, o Iran fotográfo me levava para assistir aos jogos do Treze, no Presidente Vargas. Daí nasceu a minha paixão pelo Galo. Jamais imaginei, em minha vida, que viria a fazer parte da história desta gloriosa equipe. Quiz o destino que eu me tornasse artilheiro do Treze Futebol Clube. Fui predestinado a fazer dois goals no Campinense e me tornar artilheiro e campeão do Torneio Início de 1974, inclusive quebrando um "tabú" de mais de dois anos que o Treze não ganhava do Campinense. Ocorre que, o destino ainda guardou outro momento inesquecível para mim: fazer o primeiro goal do Treze no Estádio Amigão e logo em cima do Campinense. Tempo em que eu era apenas um garoto de 19 anos, porém apaixonado pelo Treze Futebol Clube. Foram momentos maravilhosos em que qualquer torcedor de time de futebol desejaria ter passado em sua vida. Hoje o Treze faz 87 anos de existência e de glórias, é paixão em toda a Paraíba e sinônimo de garra em todo o Brasil. Possui uma torcida vibrante e abnegada, que nunca abandonou a equipe. Sinto orgulho de fazer parte de sua história e, cada vez que vou a Campina Grande, tenho a satisfação de encontrar-me com os amigos que fiz durante minha curta carreira de jogador profissional, bem como atender aos torcedores que me procuram. Parabéns ao Galo da Borborema e a sua maravilhosa torcida por mais um aniversário é o que deseja este singelo torcedor nato. Fernando Cangurú.

Anônimo disse...

Wldemar, Waldecy, Zé Preto, Fraga e Edilson
Leduar, Asssis Paraíba e Soares
Lima, João Paulo e Rinaldo

Marinaldo

JOÃO MARIO disse...

Valeu Jóbedis, por homenagem ao maior cube de futebol da Paraiba !
Não tenho como fazer a seleção dos melhores do TREZE até esta data, pois foram tantos craques que vi jogar pelo TREZE que não tenho como escolher só 11, pois outros jogadores que se não foram craques, deixaram a sua marca jogando com muita raça e amor vestindo o manto sagrado alvi negro !
Mas iniciava com aquele time que Nilson elegeu como o melhor !

LUIZINHO BOLA CHEIA disse...

MINHA SELEÇÃO
WALDEMAR, NELSON DO CORREIO, PAULO RICARDO, FRAGA E HELIOMAR. GERMANO, ZECA BAIANO E ASSIS.
LINA, MARCOS DO BOI E RINALDO

Anônimo disse...

Amigos...voltei, agora vou postar a minha seleção, não gosto de ficar em branco, meu espiritualismo aqui também vai somar, pois farei de uma maneira que me veio em mente ontem a noite, pensei: vou citar assim...um ídolo e dez amigos que tiveram suas passagens pelo meu querido galo, sei que outros amigos tb tiveram sua participação, só 11 posso selecionar:

WALDEMAR (meu ídolo)
SOM - ISRAEL - JÓRIO E HELIOMAR
SANDOVAL - LUIZINHO BOLA CHEIA E ASSIS PARAÍBA
JOSA - ADELINO E FERNANDO CANGURÚ,

Jonas didi,





Anônimo disse...

De Fernando Cangurú. Franca/SP.
Jobão, esqueci de enviar a minha seleção do Treze, aqui vai:
Eu, Tu, Ele, Nós Vós e Eles.
Aonde estiverem os jogadores que passaram pelo Treze e se enquadrarem nesta Seleção, estarão convocados por mim.
Abraços e sucesso, a você e ao nosso "GALO". Fernando Cangurú.

Lourdes Vasconcelos disse...

gostaria de saber o telefone e o endereço de GERMANO ele é meu unico primo que eu o estimo muito porem nunca mais tive noticia dele.Agradeço de coração se alguem localiza-lo para mim.Lourdes vasconcelos.Fone 96278603

lourdes vasconcelos disse...

esqueci o meu DDD 081 que é de recife ele deve morar tb aqui. o meu email é mariluvas@hotmail.com Agradeço muito se alguem me responder. lourdes vasconcelos

Lourdes Vasconcelos disse...

Esqueci de dizer o meu DDD. É 81. Do Recife-PE. Meu e-mail é mariluvas@hotmail.com . Moro em Recife. Agradeço muito.

Jobedis Magno disse...

o que sei é que seu primo Germano mora em joão Pessoa se conseguir seu telefone lhe dou um toque

Lourdes Vasconcelos disse...

Jobedis agradeço muito o seu interesse,espero que consiga. Aceite um abraço.

Postar um comentário