sexta-feira, 14 de setembro de 2012

QUEM ERA CRAQUE - SIMPLICIO

POR: JOBEDIS MAGNO DE BRITO NEVES


Passados 46 anos e o futebol paraibano ainda não conseguiu revelar um jogador com o potencial do campinense Simplício Clemente de Souza Filho, carinhosamente chamado de "Simplício". Seus chutes que lhe credenciavam na época, atingiam uma velocidade média de 160 a 170 km por hora (conforme reportagem abaixo desta homenagem).

Tudo começou nos campos de pelada de nossa cidade. Ali no Campo do Santos da Estação Velha de Campina Grande que Simplício deu os primeiros passes e dribles de sua careira no futebol. Aos 14 anos de idade já chamava atenção de todos. Nas peladas era o primeiro a ser escolhido e, aos 16 anos de idade já jogava entre os adultos. Depois jogou no time amador do Banco Industrial de Campina Grande nos jogos bancários de nossa cidade conforme foto Abaixo:

A carreira do jovem jogador foi despertando interesse de todos, mas foi o Campinense de futebol de salão e no Raposinha (foto Abaixo) que o levou para a sua equipe, se juntando a outros garotos. Na época existia a forte equipe do Nacional de Zezé e o Trezinho, formada por bons jogadores.


No Campinense começou a aperfeiçoar a pontaria

Simplício foi promovido aos profissionais ainda jovem. Tinha como principal característica o posicionamento, o bom passe e garra. Seu potentíssimo chute de direita decidiu muitas partidas (canhão no pé). Rapidamente se tornou uma estrela.

Simplício no raposinha começou a apergeiçoar seu chute segundo ele -  "Foi onde aperfeiçoei minha pontaria, dedicando a velocidade do chute", relembra. Aos 18 anos (1965) foi promivido aos profissionais do clabe. Ajudou o time a conquistar o hexacampeonato, título este que somente o clube possui na Paraíba Conforme foto abaixo):

Um dos principais jogadores do Campinense na conquista do hexa campeonato. Fez história como um dos mais aguerridos volantes do futebol paraibano na época.

Tornou-se ídolo da torcida num período de glórias para o clube: a década de 60. "Foram tempos bons naquela época. Até hoje aquele título é lembrado", afirma, fazendo ressalva ao time hexacampeão: Dudinha, Janca, Zé Lima, Ticarlos, Galvani, Simplício, Tonho Zeca, Zezinho Ibiapino, Paulinho, Zé Ireno e Debinha. (Abaixo um dos times do Campinense que se sagrou hexa campeão):


Muitos dos gols do Campinense no Estadual daquele ano foram anotados por Simplício, em cobranças de faltas. Foi aí que passaram a lhe apelidar de Rivelino do Nordeste.

Aos 20 anos, Simplício foi jogar no Botafogo-PB. Fez parte de um dos maiores elencos na história do time, sagrando-se bicampeão estadual com Fernando, Lúcio Mauro, Jorio, Lelê, Lando, Valdo, Zezito, Nininho, Santana, Dissor, Chico Matemático e Rico (conforme foto abaixo):
Oportunidades

O jogador foi jogar neste clube. Pela estrutura oferecida aos atletas, o Simplício foi um dos contratados. Em uma de suas apresentações na nova equipe o jovem jogador abafou e foi ídolo e Campeão do Estado.


O bom futebol de Simplício despertou a atenção de vários clubes de outros estados, um deles o Ferroviário do Ceará. Aos 22 anos se transferiu para o Ferroviário-CE. Pela estrutura oferecida aos atletas, o Simplício foi um dos contratados. Em uma de suas apresentações na nova equipe o jovem jogador abafou e foi ídolo e Campeão do Estado.

"Minha única lamentação foi em eu ter me transferido para o futebol cearense três dias antes de o Botafogo jogar com o Santos-SP, Na ocasião  Pelé estava perto de marcar seu milésimo gol. Dias depois joguei contra ele no Ceará", alegou.

Em Fortaleza, Simplício voltou a ganhar outros apelidos devido à força do seu chute. Foi coroado como o "Canhão da Barra" numa alusão à localidade onde está situada a sede do Ferroviário. Foi contratado para acabar com o jejum de 15 anos sem título do time. "Naquele ano (1970), o Ferroviário se sagrou campeão cearense, sempre marcando gols de faltas e nas cobranças de pênaltis. Abaixo foto do Simplício no Ferroviário do Ceará:

Quando Simplício era escalado para cobrar um pênalti, os jogadores adversários pediam para o goleiro sair da trave, afirmou o ex-atleta, 

Apelidado à época de: "Rivelino do Nordeste", "Canhão da Barra", "Bigode da Moral" e "Trem Bala", Simplício Clemente teve uma passagem muita rápida pelo futebol profissional da Paraíba e do Brasil, deixando para trás um exemplo de competência, dedicação e amor ao esporte. Abandonou a carreira aos 27 anos, em 1974, depois de nove anos na profissão, após levantar vários títulos estaduais na Paraíba e no Ceará.

Frustrado, deixa o futebol no auge de sua carreira

Sempre jogando no meio de campo, Simplício não relembra a quantidade exata de gols marcados na sua carreira. "Quando sai do Botafogo, sei apenas que eu era o artilheiro do Brasil, na então Copa Nordeste, com nove gols. No Ferroviário, em um único ano, marquei 18 gols. No Campinense, perdi as contas. Em resumo, não sei o número exato", disse.

O "Rivelino do Nordeste" abandonou o futebol no ano de 1974, aos 27 anos, decepcionado com os cartolas e com a situação humilhante que era ser jogador de futebol na época. "Muitos empresários mentirosos. Às vezes sequer recebíamos nossos salários. Resolvi abandonar a carreira mesmo estando no auge da profissão. Naquela época, recusei propostas da Bélgica, França e México. Fiquei frustrado", justifica.

Aproveitou a desistência do futebol para concluir seus estudos. Formou-se em Processamento de Dados pela UFPB, Campus II, Campina Grande. "Dentro e fora de campo devo muito a Lamir Mota, ex-presidente do Campinense e ao seu irmão, Amauri Pinto. Foram eles que fizeram eu ser funcionário da Universidade", relembra Simplício.

Hoje com 65 anos de idade, residindo em João Pessoa, casado com Maria Elizabete Ribeiro Clemente e pai de quatro filhos (Vagner, Micheline, Fred e Tatiana). 

Simplício hoje pesa 120 kg, mede 1,78m e tem o privilégio de ser aposentado pela UFPB, mas continua na ativa como dirigente da CREDUNI (Cooperativa de Crédito das Instituições de Ensino Superior da Paraíba, da UFPB, em João Pessoa), onde é o administrador.

Algumas fotos do atleta e desportista Simplicio:

ALGUMAS FOTOS DO DESPORTISTA:

                                          RECORTE JORNAL


TIME DE FUTEBOL DE SALÃO A BOLA

SIMPLICIO NO ENCONTRO DOS AMIGOS










9 comentários:

Marcílio Soares disse...

Começar o dia com essa surpresa ao amigo Simplício, me deixou muito alegre e feliz. Voltando ao passado, relembro que Simplício conquistou num só ano 3 titulos pelo Campinense, no Futsal, pelo Raposinha e Campeão Estadual no Campinense profissional. O que mais impressionava nesse elegante jogador, era a potência de seu chute, mas também era habilidoso, sabia jogar muito bem.
Sempre um excelente amigo, Pai exemplar, filhos maravilhosos, esposa super dedicada, esse é o Simplício que conhecemos, dentro e fora dos campos, uma pessoa carismática. A homenagem prestada aqui, é justificada por tudo que Simplício representou nos esportes de nossa cidade/Estado. Receba um grande abraço do amigo!!!

Anônimo disse...

Antes de mais nada...bem merecida esta homenagem ao Simplício, que mostra como são as coisas na vida...enquanto muitos jogadores tentam chegar ao auge para ter sucesso maior na vida, vc amigo abandonou a carreira justamente nesse "auge".
E logo em 1974, ano em que cheguei aqui em Fortaleza, uma pena...timaço esse aí do Ferrim, destaque para os jogadores, Louro (maior lateral que ví jogar aqui, já pelo Fortaleza e Facó..e o destaque MAIOR, para vc amigo,que hoje aqui temos a oportunidade de rever suas, histórias numa "patata atômica inigualável" sua, mais aqui postada por outro que tb não chutava tão fraquinho assim...Jobão, parabéns.

Jonas didi

Honorio Pedrosa disse...

Espetacular e justíssima homenagem ao grande amigo-irmão-camarada Simplicio Clemente.
Parabéns Jobão pela lembrança e principalmente ao Simplicio por tudo que ele representa para o esporte e lógico, para seus amigos e admiradores.
É como papai diria: " FORMIDÁVEL Homenagem".
Noro Pedrosa

Anônimo disse...

BELA HOMENAGEM JOBÃO, GRANDE SIMPLICIO TANTO NO CHUTE COMO NA AMIZADE QUE ATÉ HOJE CONSERVAMOS, TIVE O PRAZER DE JOGAR COM SIMPLICIO E O DESPRAZER DE TREINAR TODOS OS DIAS NA AABB AS 5 DA MATINA CONTRA ELE COM ESSE CHUTINHO DE CAFOFA, EU QUE O DIGA ERA TODO DIA UM SUICIDIO TREINAR CONTRA ELE PELO TIME DO CAMPINENSE E SE A BOLA PEGA NA CARA JA VIU NÉ, CAIXÃO E VELA PRETA, KKK SÓ PARA DESCONTRAIR MAIS ERA PESO PESADO NO CHUTE E AGORA ESTA PESO PESADO MESMO, UM ABRAÇO DO AMIGO ESPEDITO VILAR.

Anônimo disse...

Que legal saber a história do senhor Simplicio. Homem de fibra e caráter todos nos sabemos, mas confesso que não sabia que era o Rivelino do NE! Orgulho!!!! Waleska Gallindo

JOÃO MARIO disse...

Simplicio faz parte dos grandes amigos que qualquer um quer ou queria ter.Humilde, prestativo, amigo de toda hora.
Como atleta tudo já foi dito sobre o grande crack Simplicio e corroboro com todos !
Jogamos juntos futebol e como adversario eu no Estudantes e ele no Campinense.
De fato o chute dele era um míssil.Na barreira eu sempre pulava prá frente para pois a velocidade era menor,mas sempre tinha confusão! kkkkk!
Dizem que Simplicio fez um goal contra batendo um penalti a seu favor..!!!

Anônimo disse...

No futebol de salão esse homem era uma fera. Formou em um dos maiores times que já tivemos, com Mozar, ele,Cyl, Toinho e Alexandre.
Nesta época, jogando pelo valente GM, eu sofria ao enfrentá-los.Fora as que passavam assoviando rente à trave eu ainda saia com a mão parecendo duas brasas de tanta porrada e quando ia ver já tinham passado umas cinco. Não era brincadeira, além de Alexandre e Toinho, tinha os canhonaços de Simplício, de qualquer lugar da quadra. Valeu, grande Simplício! Ter lhe enfrentado algumas vezes é um dos meus motivos de orgulho, apesar das que não consegui defender.
Um grande abraço,
Tom.

Anônimo disse...

Jobedis,
obrigado por lembrar de meu pai. Além de ótimo jogador, ele é uma pessoa maravilhosa. Ótima homenagem!!!
abraço,
Fred

Anônimo disse...

Nunca me esqueci do Simplício! Ele jogava no Ferroviário, aqui de Fortaleza e eu torcia pelo Fortaleza. Quando os dois se encontravam, eu me desesperava quando ele pegava na bola e os jogadores do Fortaleza se afastavam, deixando uma brecha para ele chutar! Lembro-me uma vêz,eu estava por trás do gol do Fortaleza e o goleiro era o Cícero. Quando olhei, lá vem aquele projétil em direção ao gol. Lá da arquibancada, baixei-me por dois motivos: se aquela bola fosse direto p´ro gol, levava o Cícero junto e furava a rede; furando a rede, lá vinham a bola e o goleiro p´ra cima de mim! Felizmente, a bola foi p´ra fora e deve ter aberto um buraco no muro! Grande Simplício! Valia a pena vê-lo jogar, mesmo que no time adversário!

Postar um comentário