terça-feira, 5 de março de 2013

QUEM ERA CRAQUE - PICOLÉ

POR: JOBEDIS MAGNO DE BRITO NEVES



Hoje o Museu do Esporte de Campina Grande faz uma pequena (e justa) homenagem a um grande atleta que passou pelos gramados campinenses e que deixou a sua história registrada nos anais do nosso futebol. Estamos falando do ponta direita Picolé  que fez fama atuando por alguns clubes de futebol de campo de nossa cidade como Everton Esporte Clube, Boavistense, Atlético da Prata  e pela Atecel nos jogos Operários de Campina Grande. 

A história desse craque não havia sido ainda registrada pelas dificuldades de algumas fotos para registrar sua carreira esportiva em nossa cidade, dai a dificuldade em trazermos aqui ao leitor algumas fotos da passagem pelos citados clubes da sua carreira. Em contato com o seu irmão Ze Nogueira, onde pudemos colher algumas informações e deixar um pouco sobre a vida e carreira do Picolé.

Picolé começou no quadro infantil do Everton conforme fotos abaixo: em 1968: Após um ano vestindo a camisa do time infantil foi chamado para o segundo quadro do time, depois teve uma breve passagem pelo Atlético da Prata antes de transferir-se novamente para o grande Everton e nos anos 70 conseguiu ser titular e ser Campeão do Tabelão da Liberdade e Bi- campeão suburbano da cidade de 1973 ao lado de grandes atletas deste clube conforme fotos abaixo.

Se havia uma coisa em que o jogador Picolé era bom, era em correr. Atleta rápido passava entre os zagueiros adversários com incrível facilidade. Furava as defesas rivais com muita tranqüilidade e penetrava em quase todos os bloqueios defensivos que os técnicos retranqueiros preparavam para pará-lo.

Habilidoso, jogando pela ponta direita ou na meio direita, trabalhando muito mais com a perna direita, tinha também uma grande “virtude”: a de saber conduzir a bola com bola quando ela colava ao seu corpo, sem o mais atento adversário conseguir tirar. Chegou a contribuir para decidir algumas partidas com esse legal recurso.

Assim foi Fuba Vei, que viu nele qualidades para a posição de ponteiro direito e não se enganou o “Picolé”, pois ali estava um jogador taticamente disciplinado e muito eficiente para o conjunto.
Atuou pela equipe com destaque e foi um dos principais personagens de uma parte da história durante o Suburbano de 1973, quando o Everton foi Bi – campeão da cidade e também do Tabelão da Liberdade. 

O ponta direita chegou a atuar ao lado de craques do passado como Nenê, Son, Fernando Canguru, Tonheca, Jonas Didi, Valdinho Carapuça, Amigo da Onça o amigo aqui o Jobedis, e muitos outros que também marcaram época na formação do clube do Bairro do São José e que permanecem guardados até hoje na memória dos torcedores.

Algumas fotos do Picolé para ilustrar as sua homenagem:










Um comentário:

Anônimo disse...

Jobão amigo, que beleza, como é extensa a lista de grandes jogadores do nosso querido Everton.
Pense num ponta direita...mas com ele não dava tempo, achava ele muito inteligente e frio na sua maneira de enfrentar os adversários,frio e calculista em suas jogadas nas quais tive o prazer de usufruir muito dos seus cruzamentos, eram fatais,na sua maioria, que diga meu amigo Fernando cangurú e eu é claro, muitos gols de cabeça que fizemos, só temos que agradecer ao Picolé.
Vc merece e muito esta homenagem, muito tempo que não vejo o amigo, mas nunca o esquecimento!!!

Através das fotos aqui postadas, só ratifica como vc jogou ao lado de muitos craques, e eu de uma forma humilde, tive esse prazer
Que Deus te proteja amigo meu...

Jonas didi

Postar um comentário