terça-feira, 16 de julho de 2013

CRAQUE DO PASSADO - MIRUCA

POR: JOBEIS MAGNO DE BRITO NEVES


Quem viu o jogar, não tem dúvida que ele está na galeria dos jogadores que passaram em nossa cidade como um atacante fora de série. Os mais velhos comentam: nunca mais aparecerá em Campina Grande, um jogador com tamanha habilidade, rapidez, velocidade e finalização exata dentro da área inimiga. Ele foi o desejo das grandes torcidas, o esperado de cada diretor, pelo futebol de primeira e humildade, acima de tudo. Este atleta exemplar é Waltemiro Fernandes Pessoa, o popularíssimo Miruca.

Nascido em 22 de junho 1942 em João Pessoa (PB), começou no Santos de João Pessoa em 1960. Passou depois por União (João Pessoa), Treze (Campina Grande), onde foi campeão paraibano em 1966, Náutico, onde foi campeão pernambucano em 1966, 1967 e 1968, São Paulo, Noroeste, Santa Cruz, onde foi campeão pernambucano em 1971, e Maguary, do Ceará.

Miruca quando veio para o Treze Futebol Clube, já nos primeiros  treinamentos foi lançado como meia direita, logo agradou o treinador, toque de bola preciso e muita habilidade, demonstrou dentro de campo um domínio de bola fantástica e a audácia de ir ao ataque e finalizar com precisão, fato que logo chamou a atenção do técnico. Com o passar do tempo e dos treinamentos, Miruca foi provido para ser ponteiro direito titular do Galo da Borborema, ídolo do time, conhecido por sua alta habilidade e dono da camisa 7 do time.

No Treze, Miruca disputou Campeonatos Paraibanos entre os anos de 1964 e 1966, quando foi para Recife, contratado pelo Náutico. Suas boas atuações na equipe pernambucana, fizeram com que o São Paulo o levasse para jogar em campos paulistas. Miruca fez grandes partidas, chegando até, a ser cogitado para jogar na seleção brasileira(em 1969 foi pré-convocado da Seleção Brasileira para a copa de 70, no México).

Voltou ao Nordeste para jogar pelo Santa Cruz, então, umas das grandes equipes da época, até finalmente, abandonar o futebol no ano de 1973, quando jogava pelo Maguari de Fortaleza.

Após abandonar o futebol, Miruca tentou a sorte como treinador de futebol, treinando inclusive, o Treze e a Desportiva Borborema, o famoso "Gavião". No Galo da Borborema, foi campeão paraibano de 1975. Times que jogou : União-PB (1962), Treze-PB (1964 a 1966), Náutico (1966 a 1968), São Paulo: 1968 a 1970, Noroeste, Santa Cruz (1971), Maguary-CE (1973).

Atualmente é aposentado do do DETRAN da Paraíba e reside aqui em  Campina Grande. Nos finais de semana joga no "Racha dos Teimosos", onde bate um bolão.

É casado com a senhora Maria Dulce Albuquerque Pessoa e tem dois filhos:  Viviane e Vagner. Infelizmente, dois outros de seus filhos já nos deixaram, Viviene e Valtemiro Junior.

Algumas fotos do Miruca nos times que jogou:

  


 



 


Miruca hoje


Um causo envolvendo Miruca

Ararium era um forte e caceteiro lateral esquerdo defensor do Vila Nova. Batia até no vento, conforme se dizia na época. Jogo amistoso entre o Treze e Vila. Miruca, procurou o lateral direito do Vila Nova, Valdo do Correio, no intervalo: “Valdo, tem um assassino jogando na lateral esquerda do teu time, vou jogar agora na ponta-esquerda pra ver se escapo”.

Vídeo de Miruca


2 comentários:

Hildeman disse...

Lembro-me bem do Miruca, grande jogador de Futebol do passado, era um grande incentivador dos meninos do Trezinho na minha época, principalmente o meu irmão Ribeirinho, êle via no garoto um grande potencial dentro das quatro linhas. Toda vida foi uma pessoa sem frescura, muito popular com todos nós, é por isso que nós o tínhamos como o nosso idolo. Um abraço forte craque de "C"

Mario Vinicius Carneiro disse...

Jóbedis,obrigado. Matéria muito bem escrita. E homenagem mais que merecida.
Abraços.

Mário

Postar um comentário