quinta-feira, 25 de julho de 2013

QUEM ERA CRAQUE - WALDEVAN

POR:JOBEDIS MAGNO DE BRITO NEVES


Neste momento no centro pensante de Campina Grande se de repente alguém perguntar por WALDEVAN ALVES DE OLIVEIRA, pouca gente aqui em nossa cidade teria condições de responder acertadamente de quem se trata. A não ser que a indagação seja feita a algum antigo atleta ou  amigos do passado mais chegados que o conhece e sobre ele dá as melhores informações.

Pois é amigos a década de 60  entrou para a história como um dos momentos mais turbulentos da política brasileira. O resto do mundo também vivia uma série de revoluções. Mas para um jovem paraibano, natural de São João do Cariri, a efervescência pela qual o planeta passava estava em segundo plano. Veio morar em Campina Grande e aqui começou sua  história de vida.

Pois é amigos trazer o histórico esportivo de grandes atletas como o homenageado desta semana é trazer um pouco da memória de nossa cidade. É assim que conhecemos um passado que não deve ser esquecido e que felizmente pode ser contemplado através de incríveis fotografias e histórias de que vem à tona em meio descobertas  agradáveis como este  grande ex-atleta do passado de nossa cidade.

O nosso personagem desta semana já fazia muito tempo que eu queria homenageá-lo mas devido a falta de informações e fotografias de seu tempo de atleta só agora com ajuda de seus amigos Macola e João Mario Correia Costa consegui ir em frente.

Queria homenageá-lo por uma série de motivos. Primeiro, pelo extraordinário futebol que jogou, e numa posição altamente delicada de atacante em que conseguiu construir uma carreira ainda que curta, mas de tal brilho que justifica qualquer homenagem que a ele por alguém que por ventura o conheça e viu jogar, possa falar ou comentar. Segundo pelo seu sucesso como advogado e como empreendedor no mundo dos negócios empresariais e de pecuarista  de grande sucesso.

Waldevan desde cedo começou a disputar partidas de futebol nos cPortuguesa. Era “viciado” pelo jogo de bola. Ás vezes, até deixava seus afazeres, para ver jogar uma partida e jogar, mesmo sem o consentimento de seu pai, que não entendia o porque do amor daquele menino pelo futebol. 

Muito  interessado logo tornou-se uma liderança entre os demais garotos do seu time. Participou de várias formações de equipes, quando juvenil, mas seu sonho era jogar num time “bom”, ter prestígio,  ser reconhecido como jogador de futebol. Era seu sonho de infância.

Dentro de campo destacava-se por suas características e teve muita importância para os times que jogou em nossa cidade na década de 50 e 60. Depois do início de sua trajetória como atleta nos gramados foi jogar em um clube chamado Internacional de Zé Coringa no bairro da Prata conforme foto abaixo, onde atuou alguns tempos.


Transferiu-se para jogar e trabalhar na Sanbra após seu promissor início de carreira e ficou na fabrica clube por dois anos. Nos jogos operários de Campina Grande o Waldevam participou e jogou no time da Sanbra futebol de salão e de campo conforme fotos abaixo:


Defendeu o Fracalanza e o Nacional equipes de futebol amador da cidade comandada por Zezé. Depois quase foi jogar no Raposinha a convite de seu amigo Macola que jogava lá.  Era um time afamado e respeitado nos quatro cantos da cidade, e já arrebanhava um bom número de torcedores. Além  dele, jogavam também outros bons jogadores.  Mas não defendeu as cores deste clube, quase assinou contrato de profissional mas desistiu, pois preferiu trabalhar na Sanbra  pois se preparava para encerrar sua carreira como atleta e ir morar e estudar em Brasília.

Waldevan era um atacante que marcava muitos gols,  rapidamente ganhou notoriedade e foi destaque em jogos importantes e nos títulos que seus times conquistaram na década de 1950 e começo de 60. Depois, ao longo de uma passagem pelo futebol, como jogador, em que melhor que muita gente fez prevalecer a qualidade e a maestria, e fazendo absoluta questão de demonstrar que nunca foi preciso se recorrer à truculência para alcançar etapas mais elevadas de qualquer estágio, no tocante ao jogo da bola.


Pouco conhecido nos dias de hoje aqui na nossa cidade, talvez por não tiver conquistado muitos títulos nos anos em que jogou Waldevan nunca deixou de ser citado pelos antigos atletas como um grande jogador principalmente pela refinada técnica e domínio de bola que tinha e, por isso, sempre esteve presente nos debates sobre os bons jogadores do passado de nossa cidade.

Waldevan deu provas incontestáveis de que futebol, seja profissional, amador, ou apenas como mero divertimento, para a própria preservação do seu encanto, tem que ser tratado e praticado como algo que vai além da imaginação de quem o aprecia e adota como esporte. E nesse aspecto ele foi praticamente imbatível. Obedeceu a regras, impôs condições, e onde quer que tenha jogado, nos campos, nas areias, na terra batida, nas quadras ou no time da fabrica, não importava, os métodos eram sempre os mesmos. Dava aos jogos a mesma importância com que encarava os jogos oficiais, e da mesma forma, tratava os companheiros dos “rachas” com o mesmo reconhecimento que dispensava comumente aos jogadores casualmente mais afamados e badalados. Sempre foi assim, autêntico, sincero, decente, correto, em tudo que faz.

Aos 23 anos, Waldevan Oliveira havia decidido sair de Campina Grande para conquistar Brasília (recém construída) no Planalto Central. Dezembro de 1968 entrou para a história como um dos momentos mais turbulentos da política brasileira. O resto do mundo também vivia uma série de revoluções. Mas para um jovem paraibano, a efervescência pela qual o planeta passava estava em segundo plano).

Se há uma coisa que Waldevan não conseguiu construir e jamais construirá na vida, foi inimigo. Não teve e não terá como fazê-lo. Gente da marca dele não se indispõe nunca. Está sempre aberto ao diálogo. Tudo por conta do respeito ao semelhante, indistintamente.

Tentei traduzir em escrito, um pouco, não apenas como bom jogador amador que foi, mas sobretudo como ser humano dotado de incontáveis qualidades, que tem dado ao longo dos tempos contribuições extremamente significativas para o progresso da nossa nação.

O esporte sempre foi um elemento que ajudou os antigos atletas de nossa cidade a ser isso que ela é, e eu tenho muito orgulho de saber que este nosso homenageado participou da vida esportiva de nossa cidade com tanta dedicação e entusiasmo.

Os ares de tranqüilidade desfrutados hoje pelo ex-jogador de futebol de campo e de salão quando atuava com grande destaque em nossa cidade nos anos 50 e começo de 60, remetem às memórias e lembranças de um tempo que ficou imortalizado para o futebol de nossa cidade. A curta carreira como jogador de futebol de Waldevan, foi marcante e é lembrada até hoje pelos ex atletas de seu tempo e pelos amantes do esporte que, naquele tempo, já era considerado o “ópio do povo”.

Aproveito para dizer da minha admiração pelo homem, pelo atleta que foi e pelo pai e profissional maravilhoso (grande advogado e pecuarista) que ele é hoje.

Na capital federal, enfrentou a saudade, o preconceito, as dificuldades e sobreviveu. Mais que isso, fez o tão sonhado curso de Direito, casou-se com D. Rosa Marta, teve três filhos – Leonardo, Eduardo e Ricardo- e conquistou uma carreira profissional admirável.

Como terras desconhecidas nunca foram obstáculos, Waldevan, sem qualquer tradição familiar na pecuária, começou a investir em animais. Em dezembro de 2004, outra espécie de revolução começava a acontecer na Fazenda Asa Branca, a 50 km de Brasília.

Aproveitando o momento, que não era dos melhores para a pecuária bovina, e graças ao interesse do filho Eduardo Henrique, o Dudu, que também é formado em advocacia, e renunciou a profissão para se dedicar exclusivamente a Fazenda, o paraibano passou a criar ovinos e caprinos de forma profissional. Hoje, dispõe de um rebanho aproximado de 500 ovinos Santa Inês, e 120 caprinos da raça Bôer, em sua grande maioria pura de origem, com excelente genética dos principais rebanhos brasileiros – FCV, Coroatá, SIP, JG e Europa.

Apesar do pouco tempo, o rebanho tem conseguido marcar presença em diversas exposições em Brasília, Goiânia, Barra do Garça, fazendo alguns Grandes Campeões, além da Feinco, onde teve excelente participação. Conquistar os mercados do Distrito Federal, Goiás, Minas Gerais, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, parte de São Paulo, Tocantins e Pará estão nos planos da Asa Branca.

Se no esporte “Waldevan” foi um autêntico exemplo de vida, fora dele, no convívio com os vários amigos estrada a fora, foi e ainda é um ser humano de níveis elevadíssimo de qualidades difíceis de serem comparadas às de qualquer outro.

A história de Waldevan representa um aprendizado precioso para toda uma geração, que perdeu por não tê-lo conhecido. Pelo que fez e ainda faz levando o nome de Campina Grande para todo canto do Brasil recebeu o título de CIDADÃO CAMPINENSE, que foi outorgado pela Câmara Municipal de Campina Grande, Casa Felix Araujo, mais que uma homenagem, é um marco extremamente significativo na sua vida. A proposta do Vereador PAULINHO DA CARANGUEJO, acolhida por unanimidade de votos, deu a exata dimensão da generosidade do povo Campinense. (discurso em anexo).

Estou honrado de ter podido fazer essa homenagem a uma das pessoas que depois que conhece sua história admira a vida, e que me enriqueceu com a sua significativa amizade!

Que Deus o conserve assim por muito tempo “Waldevan”!

Fotos do Waldevan com atleta em nossa cidade, como desportista,  advogado e grande pecuarista:             
                                                       

                                     INTERNACIONAL
                                WALDEVAM É O QUINTO JOGADOR EM PÉ
                    WALDEVAN NO INTERNACIONAL É O   QUARTO AGACHADO

                                                  NACIONAL DE ZEZÉ
                                      WALDEVAM É O QUARTO AGACHADO




                                            WALDEVAN NA SUA FAZENDA
 


fotos de Waldevam no encontro de amigos de CampinaGrande


                                  MACOLA, ADJARDES, ? E WALDEVAM
                                                          WALDEVAN E MACOLA
                                               WALDEVAM E AMIGOS
                                Waldevan, Cartcho e Macola


                                 Zeca, Dinaldo Trezinho , Waldevan e Landa
    Dinaldo Trezinho, Alex Lelys, Vadico, Waldevam, Macola e Betinho Mota




                                     SABARA, WALDEVAM E MACOLA

                                          WALDEVAM E BOLA TARGINO


                                            WALDEVAM E MACOLA

Discurso de Waldevan quando recebeu o titulo de cidadão campinense



DISCURSO DO WALDEVAN QUANDO RECEBEU O TÍTULO CIDADÃO CAMPINENSE


Este é, sem dúvida, um dos momentos mais felizes da minha vida. O título de CIDADÃO CAMPINENSE, que  me foi outorgado pela Câmara Municipal de Campina Grande, Casa Felix Araujo, mais que uma homenagem, é um marco extremamente significativo na minha vida.


A proposta do Vereador PAULINHO DA CARANGUEJO, acolhida por unanimidade de votos, deu a exata dimensão da generosidade do povo Campinense. Tenham certeza  Senhor Presidente e demais Vereadores, do tamanho da honraria que me foi conferida, assim como tenham convicção absoluta de minha gratidão por tão eminente homenagem.


Ainda criança, juntamente com três irmãos, procedente de São José dos Cordeiros, trazidos pelos meus pais para esta cidade, aqui chegamos em 1947, seguindo os passos dos tropeiros, seduzidos pelos encantos da Serra da Borborema, vislumbrando melhores oportunidades de trabalho e de estudos para a família.


Iniciava-se naquela oportunidade uma nova vida para os Oliveira. Passagem rápida pelo Bairro de Santo Antonio, fixamos residência no Bairro de José Pinheiro, hoje carinhosamente chamado de VELHO ZEPA.


Despertava para a vida, jogando bola de meia, time de botão e rodando pião, inspirado pelas mensagens sonoras da difusora de Gaúcho, ao mesmo tempo em que cursava o primário no Grupo Escolar Assis Chateaubriand.


Sensibilizado pelas dificuldades enfrentadas pelos meus pais, surgia ali a responsabilidade pelos estudos e o desejo maior de ajudá-los de maneira efetiva. Passei a confeccionar  sacos de papel vendendo-os no mercado central, ao mesmo tempo em que  carregava água e feira para os vizinhos.


Em 1960, meu pai, finalmente, realizou o sonho da casa própria. Graças a financiamento da Caixa Econômica Federal, passamos a residir na Vila dos Motoristas, Bairro Centenário, rua Delmiro Gouveia, nº 77.


Mais uma etapa da minha vida. Havia sido aprovado no exame de Admissão enfrentando banca examinadora presidida pelo saudoso professor Anésio Leão, um dos maiores conhecedores da Língua Portuguesa que se tem notícia. Grande patrimônio moral e Cultural de Campina Grande.


No ano seguinte, 1961, fui admitido como funcionário da SANBRA - Sociedade Algodoeira do Nordeste Brasileiro S/A, onde trabalharia como Office Boy. Todavia, fui levado a prestar serviços como catador de corpos estranhos em pilhas de algodão em rama, somente efetivado na função de origem no final da safra daquele ano.


No Escritório do Parque Industrial da Liberdade, percorri diversas carteiras, chegando a chefe de Maparia da Usina de Algodão. Foi a experiência profissional mais profícua da minha vida.  Aquela saudosa empresa também foi de muita importância para Campina Grande, prestando valorosa contribuição para o desenvolvimento econômico da região, mormente nos anos 60.




Não obstante isso, meu pai, Antonio Alves de Oliveira, (Antonio Pequeno) resolveu tentar melhor sorte em São Paulo, oportunidade em que, assumi a responsabilidade pela família. As dificuldades financeiras eram muitas, todavia, a força e a resignação de minha mãe, Matilde Farias de Oliveira, superavam todos os obstáculos que se nos apresentavam.

Nesse período, continuava trabalhando com muita dedicação e estudava à noite. Por incrível que pareça, começava a despontar no cenário esportivo campinense como jogador de futebol. Acreditem se quiserem. A imprensa, generosa, enchia minha bola, não o suficiente para que abandonasse meu projeto de vida. Sonhava ingressar na Universidade e fazer concursos públicos.

Em 1967, resolvi conhecer Brasília. Encantado com a Capital do Brasil, retornei determinado a partir naquela direção em busca de novos horizontes. Concluindo o curso de Técnico em Contabilidade na então Escola Técnica do Comércio Municipal de Campina Grande, em dezembro de 1968, pedi desligamento da Sanbra, pus a viola no saco, peguei o primeiro pau de arara e parti.

Cheguei a Brasília para ficar. A saudade de Campina Grande, dos familiares e amigos foi o primeiro obstáculo  a ser ultrapassado. A economia em crise reduzira as oportunidades de trabalho. O preconceito contra os nordestinos ainda se fazia presente.  Foi muito difícil, mas sobrevivi.

Brasília reservara-me a oportunidade de fazer o curso de Direito e, mais que isso, de conhecer Rosa Marta, minha esposa, e com ela constituir essa maravilhosa família, com os filhos Leonardo, Eduardo e Rycardo. Surgia a oportunidade de desenvolver uma razoável carreira profissional, a opção pelo Direito Tributário, a indicação para o Conselho de Contribuintes, onde fui Conselheiro, Vice-presidente durante 24 anos, Câmara Superior de Recursos Fiscais e, mais tarde, para ser Juiz Arbitral da AMERICAN ASSOCIATION ARBITRATION no Brasil.


Como profissional, comecei a prestar serviços advocatícios para alguns conterrâneos e atendia com a presteza peculiar aos campinenses.  O sentimento telúrico e as obrigações profissionais reacenderam o desejo de retornar a Campina Grande para conviver mais com os amigos, o que me levou a ser agraciado com o título de Cidadão Campinense.

A cidadania que ora recebo como muita honra e orgulho, tem para mim conotações muito especiais. Nivela-me a uma estirpe diferenciada de homens, cujos exemplos de altivez, coragem, firmeza, sentimento cívico e moral dignificam a história de Campina Grande, da Paraíba e do Brasil.

E foram esses homens, a partir dos Tropeiros da Borborema, que construíram Campina Grande, hoje reconhecido pólo de informática, símbolo de desenvolvimento do comercio e da Industria, referência de qualidade do ensino superior, prestes a ser contemplada com a Universidade Federal de Campina Grande, em processo de criação bem adiantado, graças aos competentes representantes desta cidade no Congresso Nacional.

Cantada em prosa e versos pelas suas tradicionais festas: o maior São João do Mundo, as Vaquejadas, a Micarande, relembram as saudosas quermesses e tradicionais pastoris nas festas da Matriz.   Alegre, criativa, acolhedora e generosa com os seus filhos. Esta é Campina Grande.

Meus amigos,

Para mim, efetivamente, o momento é de grande emoção. Lembra-me a infância, as peladas de rua, os banhos no açude velho, as pescarias na lagoa dos canários, os filmes do Cine Ideal e os seriados dos cinemas Capitólio e Babilônia. Do futebol do Internacional de Zé Coringa, Grêmio da Sanbra e Nacional de Zezé. São lembranças cultivadas como parte muito importante do meu patrimônio e que jamais esquecerei.



Essas lembranças, certamente, não são só minhas. Esses fatos foram edificados juntamente com amigos, aqui presentes ou não, com quem gostaria de dividir esta homenagem. E o faço convocando a todos, na pessoa do Dr. Marcola, compadre e amigo, presente em toda a minha vida, exemplo de companheirismo, síntese de lealdade, profissional competente, profundo conhecedor do Direito, a quem gostaria de manifestar o meu especial agradecimento e, quem sabe, cobrar honorários pelo comercial.

Ao Dr. Ivandro da Cunha Lima, extraordinário político, pai de família exemplar, símbolo de dignidade, o meu muito obrigado pela solidariedade emprestada, quer em Brasília como Senador e Deputado Federal, quer nesta cidade, como anfitrião e amigo. Receba, Dr. Ivandro, o meu abraço fraterno e o carinho de minha família.

Às autoridades aqui presentes o meu agradecimento.
Aos amigos de outras cidades e de outros Estados, que deixaram os seus compromissos para se fazerem presentes a esta solenidade, o meu agradecimento.

Aos Excelentíssimos Senhores Presidente e Vereadores da Câmara Municipal de Campina Grande, legítimos representantes do povo campinense, reitero a minha mais profunda gratidão por tão significativa outorga.

Aos meus pais, esposa e filhos, aqui presentes, a minha gratidão pelo apoio recebido em todas as horas, sem o qual, jamais seria possível tamanha realização.

Que Deus nos ilumine.



Muito obrigado.

Link da  fazenda do Waldevan
Clic ai

6 comentários:

Marcílio Soares disse...

AOS 16 ANOS DE IDADE, FUI JOGAR NO TIME DE BASE (SEGUNDO QUADRO COMO ERA CHAMADO)DO INTERNACIONAL DA INDEPENDÊNCIA (TIME COMANDADO PELOS GENEROSOS IRMÃOS MANOELZÃO E ZÉ CORINGA)- MANOELZÃO ERA O TÉCNICO DA GAROTADA E ZÉ CORINGA ERA O DONO E TAMBÉM TÉCNICO DO TIME TITULAR DO INTERNACIONAL. LEMBRO-ME QUE FUI JOGAR NO INTERNACIONAL A CONVITE DE MEU AMIGO/IRMÃO ANTÔNIO LÍDIO, ONDE MANOELZÃO NÃO FEZ A MENOR QUESTÃO SOBRE A INDICAÇÃO DE MEU AMIGO LÍDIO. ALDANIR TAMBÉM JÁ FAZIA PARTE DO TIME. UMA COISA QUE ERA MUITO COMUM ENTRE NÓS 3, EU, ANTÔNIO LÍDIO E ALDANIR, ERA QUANDO TERMINAVA O JOGO DO 2º QUADRO, A GENTE PERMANECIA PARA ASSISTIR AO JOGO DO TIME TITULAR, MAS EXCLUSIVAMENTE COM OBJETIVO DE VER UM CRAQUE JOGANDO, POIS ELE ERA MUITO ADMIRADO E ENCHIA OS OLHOS EM VÊ-LO FAZENDO OS GOLS, E PORQUE NÃO DIZER QUE ÉRAMOS FÃS INCONDICIONAL DE WALDEVAN. PRA MIM, NESSE PERÍODO DE MINHA VIDA, WALDEVAN MARCOU MUITO, FOI UM MODELO QUE ADOTEI E COPIEI EM MINHAS INSPIRAÇÕES QUANDO JOGAVA FUTEBOL. WALDEVAN ERA O TERROR DOS ADVERSÁRIOS, NÃO SE INTIMIDAVA, ERA SEMPRE UM VENCEDOR. PELO TIMES POR ONDE PASSOU, WALDEVAN DEIXOU UM RASTRO DE UM EXCELENTE GOLEADOR, ERA SUA MARCA REGISTRADA, PORÉM ADMIRADO POR TODOS.
ACHO QUE NO ANO DE 1971 WALDEVAN DEIXOU OS CAMPOS DE PELADAS DE CAMPINA GRANDE, E FOI TENTAR UMA NOVA METODOLOGIA DE VIDA EM BRASÍLIA E LÁ SE DEU MUITO BEM, MUDOU SEU DESTINO DE VIDA, CASOU-SE E FORMOU UMA BELA FAMÍLIA E PROFISSIONALMENTE BEM SUCEDIDO, FAZENDO UMA CARREIRA EXEMPLAR NOS MEIOS DO DIREITO TRIBUTÁRIO.
PASSAMOS MAIS DE 35 ANOS SE NOS FALARMOS, SEM NOS VERMOS, SEM SABER NADA UM DO OUTRO, MAS SABÍAMOS QUE O LAÇO DA AMIZADE AINDA PERMANECIA.
ATRAVÉS DO GRANDE AMIGO JAIRZINHO, FIQUEI SABENDO QUE WALDEVAN PASSAVA SUAS FÉRIAS NO MES DE JANEIRO EM JOÃO PESSOA, E FUI AO SEU ENCONTRO, ONDE FIQUEI IMENSAMENTE EMOCIONADO EM REENCONTRÁ-LO, PORÉM PERCEBI QUE ELE AINDA CONSERVA SEU ESTILO DE HOMEM SIMPLES, HUMILDE, RESPEITOSO E UM SUPER AMIGO.
PARABENIZO NA OCASIÃO A JOBEDIS, PELA HOMENAGEM AQUI ALUSIVA AO NOSSO AMIGO WALDEVAN ALVES DE OLIVEIRA, NA CERTEZA QUE É UMA REFERÊNCIA DE GRANDE RESPEITO.

Hildeman Ribeiro disse...

Quando me formei no Senai, 1958, saí para trabalhar na Sanbra como Torneiro Mecânico. Tinha apenas 16 anos de idade. Fui funcionário por duas vêzes naquela saudosa organização Industrial. Lembro-me bem, do Waldevan, quando trabalhou na Sanbra. Era uma pessoa muita calma e atencioso para com os seus colegas. Não chegamos a ter uma aproximação chegada,talvêz devido aos setores diferentes que trabalhavamos. Entretanto, já conhecia a sua fama de um bom jogador. Epero vê-lo no proximo encontro de amigos,

Rycardo Oliveira disse...

Prezado Sr. Jodebis,

Que vos escreve é Rycardo, filho do Waldevan.

Meu pai saiu em viagem na quinta-feira e só retorna dia 10 de agosto.

Assim, infelizmente, não conseguiu acessar e ter conhecimento de tão honrosa homenagem.

Vou deixar que ele retorne para ler pessoalmente.

Na condição de filho, fico lisonjeado com homenagem de tamanha sensibilidade.

Agradeço ao sr. e a todos que contribuíram para tanto, na certeza que meu pai ficará muito honrado e feliz com essa homenagem, sobretudo por resgatar suas origens humilde e batalhadora, roteado de amigos verdadeiros e sinceros.

Não o conheço pessoalmente, mas certamente ocorrerá, oportunidade que terei o maior prazer em agradece-lo por este resgate na essência do meu pai.

Abraço e Obrigado.

Rycardo.

João Mario disse...

Waldevan bom dia !
Até que enfim a merecida homenagem ao amigo !
Aproveito para parabenizá-lo pelo amigo, empresário e grande advogado que é !
E não podia deixar de parabenizar também a Jóbedis pelo belo trabalho em mostrar ao público um pouco da sua vitoriosa caminhada para o sucesso !


abçs

João Mário

Waldevan disse...

Prezado Jobedis

Não poderia ter recepção melhor que esta. Tamanha homenagem, muito me emocionou pelo que a infância, e, sobretudo Campina Grande representam na minha vida. Receba, pois, forte abraço de agradecimento, subscrevendo a manifestação do Rycardo. Se Deus assim o permitir, nos encontraremos em Dezembro. Obrigado mesmo.

Forte abraço

Waldevan

Dorival Padovan disse...

Quando que me mudei para Brasília, em meados de 2003, tive a honra de conhecer aquele que se tornaria meu grande amigo: Dr. Waldevan Alves Oliveira!

Sempre rodeado de familiares e amigos, em suas conversas não economiza palavras para dizer bem de uma enormidade de pessoas que hoje conhece e de tantas outras que conheceu no passado, especialmente os amigos da época da Sanbra e os amigos dos times do futebol de Campina Grande, além de muitos nomes da Paraíba que faz questão de sempre lembrar.

Homem letrado, fazendeiro pecuarista de sucesso, advogado de renome, com seu jeito autêntico continua a conquistar a admiração e o respeito de todos que desfrutam da sua amizade.

E além de todo o sucesso que conquistou em sua brilhante trajetória de vida, Dr. Waldevan conserva a qualidade de ser prestativo, sempre externando alegria nos ambientes onde se encontra.

Conversar com Dr. Waldevan sempre se aprende muito, pois ele possui uma experiência de vida fantástica e rica de bons ensinamentos, além de um coração extremamente generoso.

Postar um comentário