quinta-feira, 6 de outubro de 2011

A HISTÓRIA DO EVERTON ESPORTE CLUBE (Primeira Parte)

POR:: JÓBEDIS MAGNO DE BRITO NEVES


Não e fácil conta quase meio século de  história de um clube de futebol amador de uma cidade. Ainda mais quando essa história é de lutas, superações, raça, conquistas e amor. Porém, encaramos o desafio. Aí está. O presente ao clube e à toda torcida rubro-verde  nesses mais  47 anos do Everton Esporte Clube, é nestas paginas do Museu Virtual do Esporte amador de Campina Grande, que pretendemos perpetuar a  historia e da trajetória do grande rubro-verde do bairro do São José.

Desde a fundação, em 18 de junho  de 1966 até os dias atuais. Um pouquinho está aqui. Sua fundação, seus primeiros jogos, suas conquistas, fotos inesquecíveis, títulos, historias, ídolos e muito mais. Navegue pelas páginas e relembre, com alegria, dos momentos inesquecíveis do  Everton. Passeie por esta pequena história e descubra fatos e fotos que lhe eram desconhecidos, mas que nos  enchem de orgulho a nossa história. Praticamente a totalidade dos textos e fatos  foram elaborados e editorado pela minha pessoa e com a ajuda de alguns  colaboradores. Esta Reminiscências do Everton E.C.  foi feito para vocês ex-jogadores, dirigentes e torcedores.

47 anos se foram, e com eles levaram inúmeras emoções vividas no cenário do futebol amador campinense: Vitórias suadas, dignas derrotas, merecidos empates. Um show realizado, muitas vezes, em palco de terra batida, estendendo apenas para as mais importantes decisões do time nos campos do Treze ou Campinense com seus tapetes verde de grama bem cuidada, honra para poucos.

O Everton Esporte Clube completou 47 mais quem ganha o presente são vocês. Informativo, ilustrativo,  Divertido e agradável, ele será  também uma importante fonte de referência para o leitor que queira estudar e saber a história de um dos melhores times de futebol de pelada  surgida em Campina Grande ao longo de sua existência, enriquecido com a peculiaridade da linguagem popular e com as curiosidades que só pode contar e entender quem viveu  o dia-a-dia no bairro.

É preciso lembrar os muitos colegas que, infelizmente, não sobreviveram para contar  ou recordar suas suas histórias e a  todos aqueles que anonimamente lutaram com idealismo para a formação do alicerce, sobre o qual se ergueu o clube no progressista bairro do  São José o nosso tributo sincero de admiração, estima e respeitosa “saudade”.

O  SURGIMENTO DO EVERTON


Como foram os dias que antecederam o surgimento do Everton? O que pensavam as pessoas que tiveram a idéia de unir os atletas do bairro do São José para formar uma nova equipe? Essas perguntas certamente já passaram pela cabeça de todo torcedor do time, do mais antigo ao mais recente.Os livros de ata históricos e os registros oficiais ocupam-se apenas dos fatos e das decisões tomadas. Poucos se preocuparam em contar como foram os bastidores da fundação do Everton, nos idos de 1966. Pensando nisso, resolvemos brincar com a nossa imaginação. Em lugar de adivinhações futurólogas, imaginamos como foi o nosso passado. Assim, apresentamos do Diário da Fundação, uma coletânea de relatos dos principais primeiros dias do rubro-verde. Ressaltamos que não se trata de uma obra fictícia e sim  baseada em fatos reais. O autor do texto não uma a personagem, mas alguém que existiu, fui um dos fundadores e jogador do time e estava  presente nos locais certos, nos momentos certos. Todas as pessoas citadas no neste  informativo viveram a época da fundação do Everton e os fatos mais relevantes ligados ao clube são verídicos. Os detalhes, não são obra de nossa imaginação, e sim inspirada na bela história do clube.


Foi assim que tudo começou – Quando o ultimo time do bairro foi extinto – a Portuguesa (não sabemos o motivo, só o presidente da época (Antonio Gomes - o Mestre) saberia nos dar a resposta, mas não o localizamos para entrevista-lo). Desta maneira havia poucas opções lazer no bairro do São José e essas opções eram dirigidas ao cinema e as os Parques de Diversões que chegava às épocas de Festas tradicionais no bairro, que eram incentivados pela comunidade. A outra diversão eram rachas disputados todo final de semana em um campinho de pelada do bairro. O campo era muito simples. Dividia-se os espaços com os bois e cavalos da região. Após retirá-los, dava-se início aos jogos. Havia jogos todos os sábados à tarde e domingo pela manhã. Esse belo período durou até mais ou menos 1965, quando este terreno que era de uma senhora da comunidade foi vendido. A partir daí não havia mais locais para a prática do futebol. Foi montando então alguns times de  futebol de salão, onde de vez em quando eram combinados "peladas" na quadra do Treze.



Rivalidade - Esse fato era motivo de discussões homéricas diante da tradicional rivalidade dessas equipes. Para por fim a essas discussões que traziam constrangimentos, eles resolveram se juntar e surgiu idéia de se montar um time de futebol. A intenção era convidar para a nova equipe, os jogadores das principais equipes do futebol de salão do bairro, dessa forma, eliminando as discussões apaixonadas e a rivalidade que existia entre eles. Nenhum deles sonhara ou imaginara que milhares de torcedores aclamariam seu pequeno clube quase meio século mais tarde. Esse é o resumo da história do Everton Esporte Clube do Bairro do São José.

Sua Fundação - A idéia de fundar um time que representasse o bairro foi tomando forma. Inicialmente as primeiras dúvidas já tinham surgido. Qual o nome do time? Quais as cores? Qual o mascote? Como arranjar o dinheiro para a compra das camisas? E principalmente quem iria ser o presidente? Promoveu-se então um bingo e uma pesquisa junto aos moradores do Bairro. Entre outros dados, a pesquisa mostrou a felicidade de todos em se criar uma equipe de futebol que os representasse na cidade. Promoveu-se então uma reunião na casa de Lula Cadê, contando com a presença de vários amigos. E em 18 de Junho de 1966 fundaram esta tão sonhada agremiação. 


Escolha da Diretoria  - Na casa de residência Lula Cadê, servindo de sala de sessão, com a presença de alguns  sócios, reuniu a primeira Assembléia Geral definitiva do Everton Esporte Clube. Formalidades de praxe, escolheram o presidente e o secretário da mesa, que foram, respectivamente, os srs. Genival Praxedes  e Francisco Mendes (Sassá). Tomando a palavra, o recém-eleito presidente da sessão, com ares solenes, deu ao conhecimento dos presentes o motivo daquela reunião, ou seja, a fundação de uma entidade esportiva para o bairro, e disse: "Sinto-me bastante envaidecido ao verificar que todos apoiaram essa tão sonhada idéia". Antonio Gomes (Mestre) ficou como vice-Presidente e incumbido de providenciar o aluguel de uma casa nas imediações, para ser fixada a sede social. Oberdan Alves  ficou responsável por marcar a primeira partida e montar o time e José Iacoíno foi eleito tesoureiro.  O mesmo solicitou aos presentes que propagassem o nome da equipe e trouxessem novos  associados e jogadores.

O Nome Everton Esporte Clube - Aprovada o nome do clube e a composição da diretoria. Em seguida, os homens reunidos no sobrado redigiram a ata de fundação, e todos a assinaram. Este documento foi posteriormente perdido. Deste período de início de atividades ficou apenas a documentação que se seguiu, justamente a inscrição dos primeiros sócios fundadores. Nesta noite estavam presentes as mesmas pessoas presentes à primeira reunião e mais outras, perfazendo o total de 35 pessoas.

Os Fundadores -  Sabará, Tom, Lula Cadê, Genival Praxedes, Zé Iacoíno, Jobedis, Zeca, Mestre, Chicão, Chico Cateta, Chininha, Flávio Escorel, Oberdan, Wallace, Roosevelt, Jório, Zé Soares, Raul, Nego, Bonga, Naninho, Zé Menonca, Paulo Buchudo, Calango, Raul, Nogueira, Maribondo, Paulo Aprígio, Aldemir, Amigo, Euclides, Naldo, Sassá, Bebê, Vicente entre outros, que se reuniram e fundaram o time.

Sede - O novo clube começou a funcionar numa sala improvisada na casa do nosso presidente Genival Praxedes, que cedia uma sala de sua propriedade para os jogadores se reunirem. No mais, tudo se decidia em conversas na rua ou durante os jogos, sempre disputadas em campos dos adversários. Pouca gente poderia imaginar que aquela antiga sede fosse tornar-se sede do maior time de pelada de Campina Grande. As reuniões aconteciam toda semana e eram realizadas sempre aos sábados a noite. 

O Estatuto do Everton e a Proibição - Desde os seus primórdios, o Everton  teve entre seus sócios e freqüentadores representantes das famílias mais tradicionais do bairro do São José. O time  nasceu como sendo um time de estudantes, ou seja, da elite do  bairro. O que diferenciava o Everton Esporte Clube dos outros clubes é o fato de que, desde os primeiros tempos, os seus quadros não estavam abertos a qualquer pessoa. No clube refletiam a hierarquia social e só aceitavam como sócios ou jogadores os membros do bairro. O estatuto do Everton só aceitava estudantes ou pessoas de posse, sendo um clube altamente elitista. Havia pouca chance de entrar sem que não morasse no São José.


Como curiosidade - O Atleta Simonal (cunhado de Sabará) só  foi aceito para jogar no time do Everton depois que provar que a comunidades das Embiras onde morava fazia parte do bairro do São José. Depois de alguns anos foi aberto para os forasteiros. 


O Escudo e Simbolo – Nos precisávamos de símbolo pra caracterizar a equipe e reforçar nossa marca. Decidiu-se que as camisas teriam a marca do Zé  Carioca (Personagem malandro, criado por Walt Disney para estrelar um filme Brasileiro). O jogador Sabará pintou nas camisas do clube o símbolo fazendo as letras mais cheias. 



Todo clube tem um símbolo, e ele faz parte do carinho que o torcedor sente pelo clube de coração. Até hoje, o Everton teve apenas simbolo que ficou marcado em sua história, o Zé Carioca.  A fama de malandro, bon vivant e bons jogadores de bola aos poucos foram se espalhando. E como num passe de mágica os moradores do bairro e adjacentes começarem a se aproximar para assistir os jogos do novo time.

O Primeiro Uniforme -  Foi comprado com o dinheiro que os jogadores e futuros dirigentes diretores conseguiram através de rifas, mas só o dinheiro das rifas não foi o suficiente, foi preciso eles também colocarem dinheiro do próprio bolso, como a quantia arrecadada não foi muito alta, só deu para comprar um jogo de camisa (todo branco) meiões e a bola. Ficava faltando o outro padrão de camisas. Foi aí que o vice – Presidente Mestre lembrou que tinha um jogo de camisas em casa da antiga Portuguesa,o time extinto do bairro que estava guardado na sua casa, mas que ainda poderia ter o uniforme, e foi através desta padrão que se conseguiu o uniforme completo para poder jogar as primeiras partidas.


Festa para o jogo  inaugural – Foi marcada por uma grande festa ocorrida em 20 de junho de 1966, um domingo, onde com a presença de seus jogadores/fundadores, membros da diretoria. O “campo dos doidos” como ora chamado o campo do Comercio recebeu grande número de era o primeiro jogo do grupo, era natural que tivéssemos alguns problemas. O uniforme eram camisas e calções brancos com frizos vermelhos O Everton era um bom time, com alguns excelentes jogadores, tínhamos quase certeza que íamos vencer, acho que eles não tinha um time melhor do que o nosso,  era só preciso manter a calma. Ficamos felizes com nossa atuação. Era nosso planos dar a eles muita posse de bola e jogar no contra-ataque  e funcionou". Os festejos da inauguração se iniciaram às 13 horas, com uma série de fotos. 






Primeira Partida Oficial – Foi em clima de muita festa e confraternização, onde ainda não podíamos imaginar, que tudo aquilo que estava acontecendo, era a mais pura essência da realidade. Em uma partida histórica, recheada de emoções e belos lances, os nossos times (titulares e suplentes) em partidas memorável e irretocável e ainda jogando muita bola, contra o Comercio da Liberdade  o time aspirante ganhou por 3 x 1 e nos titulares houve um empate de 1 x 1. Com Gol de Naninho. 


O  jogo foi muito equilibrado no primeiro tempo, apesar do placar(1x0  para o Everton com gol de Jóbedis) . No segundo tempo, o Everton melhorou. Nossa defesa foi eficiente, e tentamos cometer o mínimo possível de erros. O jogo foi espetacular, marcamos nos momentos certos. Tinhamos medo de que nos impressionássemos com a ocasião, mas os jogadores estiveram à altura do desafio. Vimos que éramos capazes de nos segurar diante de qualquer um na  cidade".o aspirante ganhou pelo placar de 3 x 0.  0s outros gols foram assinalados por Roosevelt e   Bebê  


 Estas fotos abaixo tem historia e  mais de 45 anos. Ela marca a festa do primeiro jogo do Everton (do dia 20 de junho de 1966)  carrega o romantismo dos anos 60. Em tempo: O jogo foi contra o Comercio da Liberdade e foram estes jogadores que  deram o ponta-pé inicial da partida e participaram das solenidades. Olhe as fotos e os personagens da mesma e que já viraram  porta-retratos.   



TITULAR


Agumas fotos historicas dos atletas antes do primeiro jogo
 dos titulares



Sabará, Jorio e Galego Flavio

Ném por sonho, estes jogadores  poderiam imaginar que seu clube traçaria uma jornada tão longa, tão gloriosa e tão histórica, marcada por 45 anos de lutas e glórias, alegrias e tristezas, vitórias e derrotas, contentamentos e sacrifícios, transformando-se numa das mais respeitadas e reconhecidas equipes amadoras de Campina Grande de todos os tempos.



CONHEÇA DEPOIS A SEGUNDA PARTE  

9 comentários:

Jonas didi disse...

Este meu comentário é muito especial, isto porque se trata da história de um time que fez parte da minha vida e ainda hoje faz diante das lembranças e muita saudade.Você amigo Jobão, olha para trás, reproduz e expõe nossa história rechedada de tantas coisas bonitas, escreve com sensibilidade, divertindo-se e acima de tudo com amor, nos dando prazer em rever tantos amigos, que variando através do tempo vai perpetuar toda essa história. Sua interpretação moderna em cada texto nos leva a um enorme sorriso...ter muitos amigos e merecer ser feliz na vida, tudo isso que escrevo vem de dentro do coração, exalto aquilo que me emociona com o coração..parabéns amigo, forte abraço!
Jonas Didi

Jobedis Magno disse...

Obrigado amigo/ irmão Jonas Didi pelas belas palavras.
Abração grande

Antonio Miná disse...

Jobão

Parabéns pelo Museu
Uma bela e importante iniciativa, para nos aproximar da história, de fatos que marcaram nosso querido bairro do São José e também colaborar para ações no presente e projeções para o futuro.
Eu me incluo entre os campinenses que sentavam à beira dos campos para ssistir o grande Everton jogar e feliz da vida porque era dia de jogo do time. Ganhar era fundamental, mas estar entre amigos, torcer, vibrar, debater o jogo, coisas que não tinham preço.

Gleriston disse...

Jobedis
Parabéns por tudo que você fez pelo esporte de Campina Grande e que ainda está fazendo, mesmo com todas as dificuldades que você passa por falta de fotos e uma maior interação entre os homenageados, familiares e amigos, você não abaixou a cabeça e seguiu em frente, você é um exemplo para todos nós, esta do Amigão do Estadual Guarabira é de arrepiar.
Agradeço a Deus por ter te conhecido, aprendi muito e continuo aprendendo com você, muito obrigado camarada, que Deus continue te abençoando e te iluminando!!!

Magno Suely Medeiros disse...

Olá Meu amigo Jobedis, vc sempre reconhecendo os amigos e fazendo homenagem, parabéns pela iniciativa e ao Roberto Guarabira

Anônimo disse...

Isso aí Jobão.. imagino e vi seu comentário como seu amigo Guarabira ficou orgulhoso com essa homenagem... e com certeza foi feita do fundo do coração!

Parabéns !

Bjs Jacke

Roberto Guarabira disse...

Rapaz...ver aquele time do Bracelona jogando, dá gosto. É realmente um espetáculo. Agora só que está ficando sem graça..... porque só quem ganha é ele. Aquele meio de campo, como dizemos na gíria, é brin-ca-dei-ra!!!!
Me lembrei muito do meu tempo de peladeiro quando íamos enfrentar a equipe do Everton do São José com Som, Fernando Canguru, Jóbedis, Tadeu Bundinha, Nego Gilson, Geraldo, Tonheca, Ribeirinho, Nenem e outros feras. Era um toque de bola mais ou menos naquele estilo, lógico que guardando as devidas proporções.
O time do Éverton sempre primou pelo toque de bola em todas as equipes que formou.
Era bonito ver o Éverton jogar e muito ruim enfrentá-los.

marcos melo disse...

parabens mais uma vez, meu nome é marcos,madei algumas fotos da equipe do sâo paulo da 24 de maio, uma equipe de muita tradiçao, fundada em 1980, e continuamos ate hoje,participamos de campionatos da liberdade tambor catole,jogamos com equipes de tradiçao camo estudantes real campina e tambem o everto etc,divulgo este museu virtual para todos os amigos, que deus te abeçoe.

cristina heraldo Costa disse...

gostaria de ver fotos do sao braz moro em ctba. pr na epoca joguei com todos voces no campo e na quadra / olaria do catole uniau sao braz e gresb tenho saudades de todos e parabens e bom ver todos com saude queria ver fotos mihas na quadra do trabalhador quem deve ter e ze antonio ou paulo cesar obrigado

Postar um comentário