sexta-feira, 21 de outubro de 2011

CONTE SUA HISTÓRIA - BOLA DE OURO: UM RACHA ÍCONE DO FUTEBOL AMADOR CAMPINENSE

Por: JOBEDIS MAGNO DE BRITO NEVES





A postagem de hoje foge um pouco aos padrões do museu virtual do esporte amador de Campina Grande. Mas quais padrões? Nunca houve nenhum. E, além disto, é bastante extensa. Mas explico:

Habitualmente procuramos não “copiar material”. Entendemos que é preferível que o leitor busque suas fontes de informações fidedignas. No entanto, a matéria que copiamos na íntegra, mas damos os devidos créditos e links, tem completa relação com outras já postadas em nosso museu. Trata-se de matéria publicada na Coluna do Internauta no portal esportivo agora esporte e feita por um antigo peladeiro o agora professor Bráulio Maia Junior. O texto do Bráulio nos traz notícias atualizadas sobre um racha ícone do futebol campinense - o Bola de Ouro que tem mais de 44 anos de fundação.

Então postamos em primeiro plano o trabalho do Bráulio e logo em seguida faço pequenos excertos com imagens e pequenos textos  e outros personagens são citados.

Portanto, peço paciência aos leitores que acompanhem os textos e seus detalhes até o fim. Pode ter certeza que vale à pena, mais este resgate da história de uma figura mitológica do imaginário coletivo da nossa “Rainha da Borborema”.

Veja o texto do Bráulio

Coluna do Internauta publicado no site www.agoraesportes.com.br
por Bola de Ouro, quinta, 17 de Março de 2011 às 18:32
COLUNA DO INTERNAUTA


24/05
Bola de Ouro - 40 anos 
Por Braulio Maia Junior

Transcorria o ano de 1967 em Campina Grande e um grupo de amigos se dividia em duas peladas aos sábados no período vespertino. Uma era realizada no Estadual da Prata e outra no bairro de José Pinheiro. Pela afinidade existente entre os membros dessas duas peladas, resolveram pela junção das mesmas, sendo escolhido como local para a prática do esporte bretão um campo existente à época dentro do Hospital João Ribeiro. Dos fundadores do racha que hoje continua fazendo parte da pelada e tentando jogar existe o Secretário de Estado Fkanklin Araújo Neto, o nosso popular Neto.
 No início da década de 70 o racha mudou de endereço, pois existiam atletas correndo o risco de serem internados naquele manicômio, isso pela maneira como tratavam sua senhoria, a BOLA, passando a ser realizado no Clube Campestre. São atletas desse período e que continuam fazendo parte da pelada, insistindo em jogar: Neto, Nelinho, Keka I (Carlos Alberto Clemente) e Edison Roberto. Participavam ainda da pelada, dentre outros os atletas: Aguinaldo Mota, Amauri Pinto, Bico Fedorento, Juju, Lourinho, Lula Mota, Marchante, Marcílio Soares, Raimundo Lira, Roberto Cabral, Silvestre do Banco do Nordeste, Simplício, Tonheca, Wado Agra, Zalderon e Zildo.
 Já no inicio do ano de 1977, alguns atletas insatisfeitos com a metodologia reinante na pelada, resolveram sair do Clube Campestre e procurar um novo local para a prática do esporte com uma nova dinâmica. Assim é que, em Março daquele ano, numa reunião na Faculdade de Administração da FURNE (hoje UEPB), foi criada oficialmente a Associação Atlética Bola de Ouro. Esse nome sugerido pelo atleta Marcílio Soares, se inspirou na revista Placar que premiava os jogadores profissionais com o troféu Bola de Ouro e/ou Bola de Prata.
 Partindo de uma iniciativa dos atletas Marcílio Soares, Tonheca e Lula Mota, que procuraram o Frei Anésio no Convento Ipuarana em Lagoa Seca, foi conseguido o Campo do Ipuarana como novo local para a prática do esporte.
 Registramos aqui que foram doados por empresários locais, dois padrões de camisa, cada um com 10 (dez) sendo um na cor branca e outro na cor vermelha. Note-se que, como sempre, a posição de goleiro é discriminada, foi necessária uma cota para comprar as camisas dos “pegadores de bola”. O período em Lagoa Seca foi bastante prolongado. Eu diria que foi a consolidação da Associação.

No Convento Ipuarana, criou-se o estigma da camisa 15: Havia um atleta de nome BICO que transpirava um odor insuportável. Então os colegas separaram a camisa de número 15 para ser de exclusividade daquele atleta. Acontece que, mesmo quando da inauguração de novo material, quem vestisse a camisa de número 15 sentia o odor. Isto perdurou durante muito tempo, mesmo depois do atleta ter saído do racha, indo morar noutra cidade. São associados hoje e iniciaram sua trajetória futebolística no Bola de Ouro, em Lagoa Seca, os seguintes atletas: Adilson, Bigode, Dara, Dércio, Jouberson, Keka II (Renato Lago), Leo, Nanau, Nenêm, Paulo César, Roberto Guarabira, Romildo, Sandoval, Valmir, Wallace e Zé Carlos.
 São também ex-atletas que atuaram em Lagoa Seca: Ademir, Ademilson, Afonso, Aguiar, Aguinaldo Mota, Amaro, Bolinha, Benício, Bico FEDORENTO, Carlinho da Campinense, Carlinho Macaco, Chico -irmão de Macola, Chico “Meu Irmão”, Ciço ( PAINHO ), Clélio Soares, Curura, Erasmo Ribeiro, Ermano, Fernando Cabral, Geraldo Goleiro, Hélio Baiano, Isnaldo, Joadir (falecido), João Rodolfo (falecido), Juju (falecido), Leônidas, Lourinho, Lucélio, Lúcio, Luis Malibu, Lula Mota, Machante, Marcelo, Marcílio, Macola, Miltão, Mimi, Múcio, Nilsão Cadé, Passarinho, Pedro Vepel, Pinheiro, Pombo, Quinha, Ramos, Renato, Roberto Cabral, Roberto Loureiro, Rocha, Ronaldo, Rui, Simplício, Tadeu Bundinha, Tavares, Toinho Buraco, Tonheca, Valdir Ventinha, Wado Agra,Wagner Braga (PT), Wagner Guiné, Walcir, Zalderon, Zé Buraco, Zildo e tantos outros nomes ilustres que agora não me vêm à memória.
 No ano de 1993 os associados resolveram alçar novos vôos e firmaram uma parceria com o Clube dos Engenheiros. Na assinatura desse convênio foi decisiva a participação dos engenheiros: Ademilson Montes, Keka I e Geraldo Magela. Neste episódio não poderíamos deixar de registrar a participação decisiva de Keka II que teve uma atuação, digamos, hercúlea na construção do Campo de Futebol, hoje reduto da Associação Atlética Bola de Ouro. Como forma de reconhecimento pela dedicação constante de Keka II, o Campo foi Batizado com o Nome de João Arruda - Seu Pai -, espaço conhecido popularmente como Arrudão.
 Hoje essa Associação congrega 47 sócios das mais variadas classes: Empresários, Engenheiros, ex- Jogadores Profissionais, Médicos, Funcionários Públicos, Professores, Profissionais Liberais, Representantes Comerciais dentre outros. Plagiando as escolas de samba do Rio de Janeiro, classificaremos os associados como:
 Velha Guarda
Adilson, Bigode, Dara, Dércio, Edison Roberto, Joubérson,Keka I  Carlos (Alberto Clemente ), Keka II ( Renato Lago ), Nanau, Nelinho, Nenêm, Neto, Paulo César, Roberto Guarabira, Romildo, Sandoval, Valmir, Wallace e Zé Carlos.
 Geração Clube dos Engenheiros
Abraão, Adailton, Almeida, Aluízio Calado, Amauri, Anailton, Arqueleau, Cézar, Chiquinho, Claudionor, Dão, Dino, Eliésio, Gari, Genildo, Heliomar, Hugo, João Miguel, Juarez, Juzênio, Leo, Marco Aurélio, Paulinho, Pedrinho, Son, Tito, Thiago, Toinho da Real.
 Registramos aqui um fato insólito que caracteriza a grandeza desse racha. O atleta Chico “Meu Irmão” viajava de Recife para Campina todos os sábados para participar à tarde da pelada. Houve um ano em que ele recebeu o prêmio de assiduidade, que existe para o atleta que não tenha faltado durante o ano.
 O que caracteriza essa Associação são os laços de amizade. Alguns já atingiram a difícil marca de 50 anos. Vale registrar que essa amizade que une todos os atletas, estende-se aos seus familiares. O Bola de Ouro deixou de ser Associação e passou a ser FAMILIA BOLA DE OURO. Para finalizar gostaríamos de parabenizar a todos os associados e desejar que daqui há 40 anos estejamos reunidos comemorando os 80 anos da Família Bola de Ouro.
EMBAIXO ALGUMAS FOTOS:





4 comentários:

Jonas Didi disse...

Jobão, que maravilha de postagem, prá gente que mora distante rever tantos amigos assim é muito bom, saudades faz bem ao coração, como vc mesmo citou em suas páginas, cara tem amigo ai, que faz muito tempo que não vejo pessoalmente, abraços a todos, Jonas didi

João Mario disse...

Muito bom Jóbedis, e acho que seria bom abrir também para os Rachas, pois são eventos que existem em grande quantidades em Campina e são constituidos dos peladeiros que tiveram a sua participação na historia dos clubes amadores.
Foi bom esa ideia de Braulio em ter enviada a historia de um dos mais tradicionais rachas da cidade !

Anônimo disse...

Jobedis, Amigo/Irmão. Parabéns por homenagear os atletas e a Associação Bola de Ouro. Muitos são os meus amigos deste prestimoso racha. Colegas da Furne, da UFPB, do PROCURT, do Futebol Profissional e Amador. Tive a honra de ser convidado a participar deste racha nos finais de ano em que me encontro em Campina Grande e senpre sou convidado para as congratulações nas suas festas de finais de ano, onde tenho a satisfação de revê-los. "Feliz é o homem que mantem suas amizades, mas, ainda mais feliz é aquele que as desfruta". Rezo a Deus todo dia em agradecimento aos amigos que possuo e conservo e, olhando a matéria, deleito-me com o que observo. Parabéns "Bola de Ouro", pois, mesmo distante, estou de olho em voces. Abraços a todos. Fernando Cangurú.

Anônimo disse...

Jobedis, Amigo/Irmão. Parabéns por homenagear os atletas e a Associação Bola de Ouro. Muitos são os meus amigos deste prestimoso racha. Colegas da Furne, da UFPB, do PROCURT, do Futebol Profissional e Amador. Tive a honra de ser convidado a participar deste racha nos finais de ano em que me encontro em Campina Grande e sempre sou convidado para as congratulações nas suas festas de finais de ano, onde tenho a satisfação de revê-los. "Feliz é o homem que mantem suas amizades, mas, ainda mais feliz é aquele que as desfruta". Rezo a Deus todo dia em agradecimento aos amigos que possuo e conservo e, olhando a matéria, deleito-me com o que observo. Parabéns "Bola de Ouro", pois, mesmo distante, estou de olho em voces. Abraços a todos. Fernando

Postar um comentário