terça-feira, 13 de dezembro de 2011

QUEM ERA CRAQUE - NEGO GILSON

POR: JOBEDIS MAGNO DE BRITO NEVES



Gilson Fernando Leal de Farias, mais conhecido como NEGO GILSON foi, em minha opinião, entre todos aqueles que vi jogar, um dos melhores jogadores de futebol de salão de todos os tempos de Campina Grande.

Tudo começou nos campos de pelada do bairro do São José. Ali Nego Gilson deu os primeiros passes e dribles de sua careira no futebol. Aos 12 anos de idade já chamava atenção de todos. Nas peladas era o primeiro a ser escolhido e, aos 15 anos de idade já jogava entre os adultos. A carreira do jovem jogador foi despertando interesse de todos, mas foi o treinador Pai Vei, que o levou para a sua equipe de futebol de salão do Treze, se juntando a outros garotos. Na época existia a forte equipe do AABB. A equipe do Trezinho como era conhecida, deu muitas alegrias aos torcedores da cidade. Foram muitos os pedidos para que o jovem jogador se transferisse para outros times, mas todos em vão. Mas foi para o Campinense Clube com, pois uma nova equipe foi formada para representar a cidade em competições regionais.

Tive o privilégio de acompanhá-lo desde criança na sua brilhante caminhada, desde o campinho da Perua no bairro do São José ou no meio da rua ao lado de sua casa até os gramados e quadras esportivas de nossa cidade do passado.




Poucas pessoas na vida foram dotadas da capacidade de driblar como Nego Gilson, , tinha habilidade fora de série, driblar dois ou três era coisa normal, as vezes driblava tanto que só faltava driblar a si mesmo. Tive o privilégio de jogar com ele muitas vezes pelo Treze, Campinense, Everton e Seleção paraibana de futebol de salão nos Jogos Universitários Brasileiro e fomos campeões por alguns destes times, inclusive campeão Paraibano pelo time da FURNe nos jogos Universitarios em João Pessoa. Ttive o privilégio e isto ninguém tira de mim, joguei muito mais nos rachas de fim de tarde e de noite na quadra do Treze, e foi lá que vi como o cara era demais, ele jogando já veterano driblava jogadores que tinham a idade de ser filho  dele, e jogadores bons, jogadores que não dava mole na marcação de jeito nenhum, e sabemos que tinha uma turma que não perdia viagem nunca, mas quando iam pra tomar a bola de Nego Gilson o que tomavam era um drible desconcertante ou uma  canetaça. 

Ele foi um dos que levaram o Trezinho de futebol de salão a seu primeiro título municipal no final da década de 60, ele junto com um atacante jovem e promissor chamado Chiquinho Alegria e seu irmão Geraldo  José, fizeram enormes estragos nas defesas adversárias, Nego Gilson armando e  mandando pras redes não teve outra, o Trezinho foi campeão invicto. 

Este time era tão bom que era chamado para jogar em diversas cidades da Paraiba inclusive de Pernambuco (na cidade de Surubim contra a seleção local)., O time era a grande atração nestas cidads e  que viam naquele time um espetáculo. Com gols de Nego Gilson e Geraldo a equipe de Campina Grande conseguiu a virada, e uma vitória marcante por 2 x 1. 

Poucas pessoas tiveram o privilégio de jogar bem e em nível elevado, Nego Gilson era uma dessas. 

Teve seu futebol sondado, por equipes profissionais como o Esporte de Recife (inclusive treinaou la e não ficou porque não quis) ; Não se tornou profissional por que queria se formar e naquela época o jogador de futebol não tinha boa fama e não ganhavam bem como agora.. 

Mas sobretudo ele foi grande homem, se o futebol dele era grande o exemplo de homem, marido e pai, foi maior ainda.

Nego Gilson sempre foi um prodígio com a bola nos pés. E como todo craque que se preza, nunca fazia firulas desnecessárias, sempre eficiente na sua incrível habilidade e facilidade em driblar e marcar gols, enlouquecendo as defesas adversárias. Foi um virtuoso, um malabarista da bola. Seus dribles eram precisos e cheios de graça, pois ele era um grande zombador. Como muitos outros colegas se destacaram também em clubes do futebol de pelada. Jogou pelo Everton do Bairro do São José.

Fui um privilegiado ao ter a oportunidade de atuar ao seu lado por um longo período na equipe do Treze, no Campinense e na seleção paraibana que disputava os Jogos Universitários Brasileiros, quando pude assistir "in loco" a sua incrível capacidade técnica de marcar gols de todas as maneiras possíveis, com uma seriedade, competência e determinação que só merecia  aplausos. Jogando pelo Campinense, (o mais vitorioso time da cidade da época (década de 70), Nascia um grande time formado por uma seleção de bons jogadores e comandado por Miro Herculano o Miro Chapeado e depois do Alberto de Queiroz. Foi aí que Nego Gilson e os demais craques da época se juntaram numa mesma equipe. O sucesso foi inevitável. Uma grande massa de torcedores foi conquistada e os jogadores idolatrados por todos. O bom futebol de Nego Gilson despertou a atenção de vários clubes de outros estados, um deles o Esporte de Recife. Mas preferiu o esporte amador e se formar.

NEGO GILSON marcou muitos gols e conquistou muitos títulos, sendo campeão da cidade em quase todas as competições disputadas pelo seu time e time do colégio que ele disputava. Nego Gilson conseguia se destacar em todas as modalidades de esporte que ele praticava. Não importa se é no, no futsal, no futebol de campo e ate no basquete. Ele sempre se destacava. E era  um belo exemplo de amor ao esporte para todos os jovens campinense . Depois que se formou se transferiu para João Pessoa. Vem sempre rever os amigos.


(Abaixo algumas fotos de Nego Gilson como atleta e como desportista nos tempos atuais com o cabelo brancos (prefere não pintá-los) para não ficar com medo da chuva e desbotá-lo) como alguns que estavam no encontro.














7 comentários:

Anônimo disse...

jobão: parabens pelas homenagens q vc esta fazendo aos q se destacaram no nosso esporte amador.
o nego gilson foi o melhor jogador de futebol de salão, hoje futsal, que já vi jogar. era um terror p os adversários tanto pelo futebol tanto pela coragem q tinha de encará-los visto o seu fisico franzino. o futsal de hoje deveria ter inveja de não ter hoje um jogador com as suas caracteristicas.ainda bem q só joguei ao seu lado.

abração, wagner

JOÃO MARIO disse...

Jóbedis felizmente já tinha parado de jogar quando Nego Gilson estava iniciando.!!rsrsrsr!
Digo felizmente porque me livrei de talvez tentar maracar um dos mais versatéis jogadores de FUTSAL da nossa historia.De fato desequilibrava qualquer defesa e fazia o queria com a bola nos pés.
Justissima a homenagem ao grande atleta e amigo Nego Gilson !
Um recado a Givani (Pai de Gilson): Se ele ( Nego Gilson) tivesse jogado naquele tempo, ele não dava um chute contra o meu time.....!


Pois agente ia jogar a favor.....!!!!! rsrssrsr

Jobedis Magno disse...

jOÃOE wAGNER COMO EU BEM DISSE NO TEXTO Fui um privilegiado ao ter a oportunidade de atuar ao seu lado por um longo período na equipe do Treze, no Campinense e na seleção paraibana que disputava os Jogos Universitários Brasileiros, quando pude assistir "in loco" a sua incrível capacidade técnica de marcar gols de todas as maneiras possíveis, com uma seriedade, competência e determinação que só merecia aplauso.

Anônimo disse...

Eu tive esse grande privilégio de jogar ao lado de Gilson, isso pra mim marcou muito. Gilson sabia tudo e mais um pouco. Tanto no ataque quanto na defensiva, nos dribles e nas armações de jogadas, Gilson sabia facilmente entrar no esquema tático da equipe. Ele não tomava conhecimento dos adversários, era visado pois tinha uma habilidade de jogadas incríveis e pela "greias" que dizia, isso era o que irritava os adversário. Mas também encontrei em Gilson um grande amigos, que até hoje mantemos uma boa relação de amizade. Gente muito boa. Pra mim, Gilson está entre os melhores jogadores de Futsal da Paraíba.

Marcílio Soares

Jobedis Magno disse...

NEGO GILSON – Foi um dos jogadores mais irreverentes da história do futebol do São José. Dono de uma habilidade incomum provocava os adversários com seus dribles. Franzino e de estatura mediana, Nego Gilson nunca se intimidava com seus robustos marcadores. O jeito era pará-lo na marra, na violência, no pontapé. O que mais irritava seus marcadores eram as provocações, os deboches, as molecagens de Gilson. Apesar de tudo, a torcida adorava seu jogador. Os adversários gostariam de tê-lo no seu time. Como era também jogador de futebol de salão. Certa vez, no início de sua carreira, numa partida pelo Campeonato da cidade, chegou a ser ameaçado por Cyl (jogador do Campinense de futsal, Gilson não se intimidou) de ter a perna quebrada caso insistisse em jogadas de aparente menosprezo ao adversário. Depois jogaram juntos por algum tempo no Campinense

Anônimo disse...

Fico orgulhoso de ser irmão de um dos
maiores jogador de futebol de salão de
todos os tempos.Pelo seu temperamento
Moleque não conseguia jogar do seu lado,
pois ficava o jogo todo reclamando.Alguns
diziam que eu tinha inveja,por esse comportamento .
mas eram cuidados do irmão mais velho.
Admirador e irmão
Geraldo leal

Anônimo disse...

Amigo Nego Gilson, sou sempre um dos primeiros a comentar o que aqui Jobão faz de homenagem , cara sem querer aqui navegando me vejo diante de uma homenagem a um dos melhores jogadores que nossa terrinha teve, irmão tú jogava demais...que prazer imenso rever vc aqui, orgulho de jogar ao teu lado, e tb fazer raiva, kkkkkkkkkkk num esqueço nunca aquele jogo do Estadual de Futsal, que vc passava por todo mundo, e me deixava de cara e eu perdia o gol, depois de quase um ano de faço minha humilde homenagem a vc, parabéns pelo que vc representou para no nosso esporte, vc era a elegria e eu a gréia, kkkkk abs
meu querido amigo....Jonas didi

Postar um comentário