segunda-feira, 26 de março de 2012

QUEM FOI CRAQUE - VADINHO CARAPUÇA

POR: JOBEDIS MAGNO DE BRITO NEVES


Falar o nome Osvaldo Pereira pouca gente saberá, mas VADINHO CARAPUÇA atacante que jogou no Everton do Bairro do São José daí sim todos saberão, pois marcou época.  

VADINHO CARAPUÇA iniciou no esporte no bairro do São José. Desde guri na Rua Felipe Camarão, já se revelando um grande talento nos seus primeiros rachas  no meio da rua e no “Galpão do Grupo” Escolar Clementino Procópio, já se destacava entre os melhores. 

O bairrismo tem lá seus aspectos saudáveis, é inegável porque nos estimulava a sonhar com feitos maiores. Valdinho sempre foi um atacante que não “maltratava” a pelota, tinha uma capacidade técnica excelente, seu posicionamento e recuperação era impressionante,  sempre esguio de cabeça erguida comandava o setor ofensivo.

Atuou também pela equipe do Trezinho, Real Campina e Atlético da Prata, Estudantes e Grêmio e jogou ntambem futebol de salão pelas equipes do Disparada e na seleção do Colégio Estadual da Prata,  nos Jogos Escolares de nossa cidade. (CONFORME FOTO )

NESTA FOTO VEMOS: LEUCIO (TRINADOR)  BETO, JOBEDIS, ERIMAR. AGACHADOS:                            LOURINHO, VALDINHO, PAULINHO E ADEMIR  

Mas foi no Everton que ele se destacou e jogou no melhor time no campeonato Suburbano de 1971 de nossa cidade. Quando pouca gente acreditava que os novatos e jovem time do Everton formado por novos valores do bairro pudessem alcançar um destaque tão grande, ai surge um ataque infernal com Tonheca, Jobão, VADINHO, Chininha e Fernando Canguru. Esses grandes craques de bola do passado foram indiscutivelmente um dos os melhores da história do futebol do time na parte ofensiva, que defenderam o glorioso Everton.

O nosso time do Everton na dedada de 70 tinha alguns jogadores “fora de serie” alguns tinham uns estilos próprios criavam algo que rompia com suas regras, e isto era tinha de mais bonito no esporte, como o homem se fascina com rompimentos de regras e limites. Se o trabalho metódico e constante leva a perfeição, com certeza esses atletas fabulosos que presenteou aos torcedores com duas medalhas de ouro nos Campeonatos Suburbanos de 71 e 73 e ficaram sempre imortalizadas em nossos troféus e esse feito ficará marcado nas nossas mentes e corações.

Fazer gols era com Valdinho mesmo. Tinha uma qualidade rara de ser goleador. Não era perfeito, mas era simples e ágil. Bola sobrando na área do adversário tomava sempre o rumo das redes impulsionado pelo artilheiro do Everton. Podia ser de “cabeça”, de pé, de canela ou de qualquer maneira. O que interessava mesmo era ver a bola na rede. Era um artilheiro eficiente.

Nosso homenageado mora atualmente em Campina e Trabalha como gerente comercial de vendas de Pneus em nossa cidade,  distante de seus saudosos fãs, mas os fanáticos torcedores da época áurea do anos 70 não esquecem deste atacante que deixou sua marca de um grande goleador.

Algumas fotos do Atleta Vadinho Carapuça:



EVERTON







                                                           VALDINHO HOJE

15 comentários:

JOÃO MARIO disse...

Ainda joguei com Vadinho no Racha do Papagaio, e como Jóbedis afirmou, era um grande atacante/goleador. Tenho o prazer de tê-lo como amigo até hoje e estou lhe devendo uma visita para relembrar os velhos tempos.
Parabens Valdir você merece !

Wdilson disse...

Wdilson

Feliz homenagem ao nosso grande VADINHO, grande jogador, grande goleador e grande amigo. Semana passada nos encontramos (nas noitadas da sexta-feira) e conversamos sobre um assunto veiculado sobre Campina Grande. Parabens pela lembrança Jobedis, Vadinho é figura de bem.

Anônimo disse...

Falar de Valdir é relembrar grandes vitórias no futebol. Lembrar de Valdir é rememorar um velho amigo, companheiro de equipe e seguidor das boas farras. Olhar a foto postada em que atuamos no Tabelão da Liberdade com este ataque: Ribeirinho, Tonheca, Valdir e Fernando Cangurú é curtir a nostalgia de uma equipe quase invencível, pois podia tomar 3 gols que o ataque resolvia a parada. Joguei com Valdir bastante tempo no Everton, jogamos, também, no Flamengo de Serra Branca e no Boavistense. Nos entendiamos perfeitamente em campo, parece que sempre sabíamos onde estava o outro. Éramos terríveis como atacantes. Saudades deste grande craque e amigo. Sinto-me feliz cada vez que vou a Campina Grande e o reencontro. Sou grato por fazer parte do seu rol de amizade. Parabéns Valdir, agora voce faz parte dos grandes atletas do museu virtual de Campina Grande. Me aguarde para grandes papos. Seu amigo, Fernando Cangurú.

Jonas Didi disse...

Falar de vc amigo meu, é viajar num tempo maravilhoso, tudo isso aí postado
eu ratifico por que além de ver vc jogar, tive o prazer e "raiva tb" rsrsrsrsrs, não
esqueço nunca as vezes que eu lhe "atanazava" lhe pedindo a bola, sabes e me conhece
que pode ser em qualquer tempo, nunca deixo este meu alto astral, tenho que contar:

Jogo no campo do Comércio, pedí a bola, nem precisa dizer se gritei, dá Vadim (era assim)
que o chamava, ele vira o jogo para Picolé, depois de tanto insistir, ele resolve me lançar, mas
só que o lateral estava muito perto das minhas costas, ou frei... aí não aguentei..."covarde", uma
raiva na hora, mas depois naquela cervejinha no Rui, tudo se tornava gréia, hoje aqui relembrada
e eternizada.

Vadim, tenho vc como um grande amigo, naquele racha às 5 da manhã, no campo da Polícia me
dá muitas saudades e foi vc que me levou...aí era que vc fazia gols, eu alí na ponta heim!!!

Esse é o Jonas didi de sempre, que ainda digo...aquele ataque do Everton com:

Ribeirinho, Tonheca, Vadinho e Fernando cangurú, fazia gosto a gente ver vcs jogarem,
mas adonde eu estava, nem no banco rsrsrsrsrsr

Abração, vejo vc aqui nesta foto, firme e forte, fico feliz,

Jonas didi

Anônimo disse...

O bairro do São José é imensamente rico em referencias históricas quando se trata também de falar sobre nomes de pessoas que neste bairro viveram o periodo dos anos 60 e 70.

Como o assunto é sempre futebol nao se poderia deixar de destacar Valdir o atacante de cara feia (como aliás permanece até hoje), que assustou muitos zagueiros para felicidade de Jóbedis, de Fernando Cangurí, de Son, de Amigo da Onça, de Vamberto, de Raul, entre tantos nomes que ao seu lado, tiveram e alguns ainda tem a honra de vestir a jaqueta do Everton. Foram muitos gols marcados e muitas vitórias inesqueciveis.

A minha amizade com Valdir vem dos tempos do Bar Cristal (reduto da maioria dos "vadios" do São José), onde eu e Joaozinho irmão de Vamberto na condição de garçons revezavamos o serviço de atendimento (quer seja no balcão de dentro, quer seja no balcao dos lanches na entrada do bar).

Ainda hoje quando me encontro com Valdir a alegria é reciproca e o "galego" mantém a esbeltura de um atleta que se preza e se conserva, diferente de tantos que tenho visto nas fotos aqui publicadas e que estão em estado "de alerta", a exemplo de mim próprio.

Meu abraço a Valdir e os parabéns mais uma vez a Jóbedis pelas homenagens e por estar escrevendo um arquivo que terá sua utilidade contando uma parte da história do bairro do São José e de Campina Grande, que aliás, insiste em nao se lembrar dos seus filhos ilustres e que nao reconhecidos por aqui foram buscar refúgio noutras plagas, mas como mulheres de malandro, mesmo recebendo pancadas, nao deixam de amá-la.

Abraços a todos,

Germano Ramalho
(agermanoramalho@gmail.com).

Anônimo disse...

Jobedis,
Sua retrospectiva é maravilhosa, resgata fatos da Felipe Camarão ate os dias de hoje. Esse resgate é imensurável! Não vou elencar nomes, pois já sexagenário (faço 6.3 agora em Julho próximo), temo esquecer alguém e não seria justo. Quero agradecer a você pela homenagem e pelas palavras a minha pessoa dispensada. E dizer de minha grande emoção ao rever fotos e ler comentários aqui postados. Sou um felizardo por tido o privilegio de ter vivenciado momentos como este com todos vocês. Disso tiro a certeza de ter feito uma assertiva quando optei por: construir pontes em vez de muros!
A todos os meus sinceros agradecimentos!
Igualmente, conhecedor da lhaneza peculiar ao editor do blog pede permissão para o comunicado abaixo:
D.Estela, esposa de nosso amigo José Pereira de Melo (Dédé Passarinho),sofreu um duplo “aneurisma” e encontra-se na UTI do Hospital Antônio Targino em coma induzido. Solicito que façamos uma corrente para que a mesma se restabeleça.
Abração
Vadinho

Antonio Carlos Santos (Toinho) disse...

Caro! Jobedis,

Tomei conhecimento do site através de um cliente que estava pesquisando pela internet.
Eu nasci e cresci no bairro da Liberdade ai em campina Grande com muito orgulho até 1977, no final deste ano eu saí do município e comecei a me aventurar pelo mundo.
Hoje sou guia de turismo credenciado pelo Ministério do Turismo e Agente de Viagens, trabalho aqui em Porto Alegre e sempre que posso retorno a Campina Grande na época do São João com grupos de Turistas. Este trabalho que vc está fazendo é de extrema importância para resgatar a memória do esporte de nossa querida cidade.Fiquei feliz também em ver tanta fotos de atletas do meu tempo ai na cidade.A Historia de Vadinho que foi meu colega de 2º grau e que mantemos uma amizade por todo este tempo, tudo bem que nos falamos pouco, mas quando nos encontramos é uma festa.

Juliana Santos disse...

Gostei muito do site, das fotos!
Parabéns pela sensibilidade e preocupação pelo registro da história e memória do esporte desta a querida cidade.
És um "historiador de imagens e de homenagens lindas".

Abraços!!!
Juliana Santos

Anônimo disse...

Que bom te rever, amigo Valdinho.
Parabéns, pelo conjunto da obra!
Um grande abraço,
Tom.

carlos henrique (cocada) disse...

Valdinho, lembra-se ddas séries do cine são José, agente assistia toda quarta- feira.
Um abraço amigo,que bom saber que vo`^e está bem.

Anônimo disse...

Carlos Henrique,
Batizado com nome de “Rei”, mas simplesmente, Cocada para os íntimos. Lembro sim,
o cine São José lotado, e nós fazendo um barulho danado torcendo por nossos ídolos. Bons tempos aqueles. Recordo também, os jogos da Rua Chateaubriand X Aristide Lobo, no campinho em frente ao “Parque Infantil”, hoje Faculdade de Comunicação. Morando na Felipe Camarão eu jogava “enxertado” pelo time do saudoso Zé Iran.! e o arbitro era sempre Luizinho(Gorila) esses jogos eram todos os sábados pela manhã.
Amigo grato pela lembrança, e estou bem graças a Deus.
Abraços
Vadinho

Vadinho disse...

Jobedis,

A homenagem postada foi de uma sensibilidade única. A cada matéria você tem se superado. A narrativa então tem levado muitos ao limite de emoções e nostalgia.

Muito grato pela lembrança. Espero que continues com esse belo trabalho tão profícuo para todos que acessam esse blog. Pois assim como eu, há muitos que estão “viciados” e ávidos de ler e comentar suas postagens.

Sucesso na jornada e que Deus mantenha essa tua perenidade de assunto e meterias relevante.

Do amigo,

Vadinho

Anônimo disse...

Que bom voce esta sendo lembrado nesta blog. Voce faz parte de amizade muito grande na minha vida. Voce era muitas vezes meu confidente com as minhas dificuldades, voce deve lembra disso. Um abração Maribonde

Anônimo disse...

Valeuuuuuuu vadinho goleador do evertom.Tive o prazer de participar deste momento.Jári Fort. Ce.

Anônimo disse...

Vadinho,
Este Jobão, é verdadeiramente como irmão: leal, amigo, reto nas suas decisões e opiniões.
Não é a toa que ja está no mercado de pneumáticos há mais de 35 anos, perto de sua aposentadoria merecida, onde o trabalho, dignidade, respeito, atenção, fidelização aos seus clientes é a sua marca. Falar do grande goleador do nosso Everton, é jogar conversa fora, pois já foi bastante comentado pelos colegas anteriormente.
Bom vivant, frequentador assíduo das noitadas e encontros sociais da cidade,sempre com bom papo, extrovertido e alegre, tendo o prazer de encontrá-lo no Boulervard shopping, Vila Antiga, e Parque do Povo, onde as conversas são saudáveis e maravilhosas, este faz parte da lista de grandes amigos da nossa família.
Agradeço à citação e referências a minha pessoa. Um forte abraço do amigo de infância,
GLAUCO KARDEC

Postar um comentário